Novo Livro O Guia dos Curiosos - Edição Fora de Série

Você é jovem, velho ou dinossauro?

17 de outubro de 2009

Responda rápido: você é jovem, velho ou dinossauro? Essa deliciosa brincadeira me acompanhou no voo de volta de Frankfurt para Lisboa. “Você é jovem, velho ou dinossauro?”, de Ignácio de Loyola Brandão, é o título do livro que escolhi para ler na volta. Ele me foi enviado pelo Guilherme, da Editora Global, pouco antes da viagem.
Você é Jovem, velho ou dinossauro? | Amazon.com.br
O divertidíssimo livro é a minha cara. Resgata com muito bom-humor a tradição da “cultura inútil” dos almanaques, ao mesmo tempo em que convida o leitor a relembrar os bons tempos que não voltam mais. Separei algumas perguntas do livro “Você é jovem, velho ou dinossauro?” O subtítulo dá uma ideia de como funciona a brincadeira: “Testes para saber se sua memória é uma coisa, mas suas lembranças podem ser outras, mostrando que você é mais jovem, mas também pode ser mais velho do que imagina”.
Responda mais rápido ainda: você colecionava álbuns de figurinhas de futebol?
Sua família fazia o “virado” para a viagem?
Sua irmã usava “pó de arroz” em vez de “pó compacto”?
Você lembra bem da chegada do fax?
Você colocava palha de aço na antena para melhorar o sinal da TV?
Você era fã do Chacrinha?
Brincava de ioiô, batalha naval, forca e passa anel?
E você? Tem alguma lembrança que responde à pergunta do livro?

Esta página contém links de afiliados. Ao fazer uma compra por um desses links, o Guia dos Curiosos recebe uma comissão e você não paga nada a mais por isso.

Artigos Relacionados

Os filmes dos Muppets

Os filmes dos Muppets

1. O primeiro longa-metragem, Muppets - O filme, foi lançado em 1979 e garantiu a ida dos fantoches ao estrelato. 2. Na história, as brincadeiras eram metalinguísticas: Kermit era levado a Hollywood para fazer gravações e acabava se...

138 Comentários

138 Comentários

  1. Antonio

    Eu sou um velho dinossauro, com muito orgulho, grande geração! anos 70, músicas, lindas garotas, praias, cervejas e futebol.
    sds

    Responder
  2. ANTONIO LUIS

    NÃO SOU JOVEM, VELHO, NEM DINOSSAURO.
    ESTOU FICANDO VELHO.
    SÓ EU ASSISTI BOM-BOM & MAL-MAL E O
    PODEROSO CACHORRÃO

    Responder
  3. Cida Lopes

    Que coisa gostosa é ler isso! São coisas que faziam da vida da gente, as alegrias que hoje chamamos de nostalgia!

    Responder
  4. CESAR

    BONS TEMPOS ESSES NÃO, INFELIZMENTE A REALIDADE ATUAL É OUTRA.

    Responder
  5. sueli zavão

    essa é uma boa pergunta! sou jovem mas acho que nasci na época errada, não me lembro bem mas sei que não perdia um programa do chacrinha!!!

    Responder
  6. pafuncio

    não li ainda mas já esta na lista. Viajo com bons livros.

    Responder
  7. carla simone

    acho que sou uma dinossaura com toques de modernidade , sou do tempo que computador pessoal se chamava TK85 e se gravava os arquivos em fita cassete…………………………….rs

    Responder
  8. Alemir Alves de Oliveira

    São coisas do passado que deixam meus olhos cheio de lágrimas,por ter curtido as brincadeiras mais simples e gostosas, agente era feliz e livres, hoje vivemos com medo da violência e preso atraz da tecnologia de um computador dentro de nossas casas sem poder caminhar à noite temendo um assalto.

    Responder
  9. Paulo Henrique

    É engraçado como cada fase de nossa vida vai sendo marcada por pequenas coisas, que depois de algum tempo nos parece cada vez mais distante.Pena que hoje muitos ¨jovens¨nâo possam ter lembraças como as nossas.

    Responder
  10. Walter Antonio Foschini

    A Cida tem razão e, se Bom Brill na antena melhorava a imagem, éra porque a antena era curta. Qualquer pedaço de arame, aluminio e cobre e outros metais, fariam o mesmo efeito.

    Responder
  11. o dinossauro

    Nostalgia é coisa realmente de velho, mas ter visto, praticado, conhescido e até convivido com coisas e cituações que nossos filhos e netos só verão por documentários significa que você tem uma gama de conhescimento que, apesar de toda a evolução tecnológica atual, as gerações que estão aí não viverão, não sentirão, não praticarão nem tão pouco conviverão. Pense bem, se os dinossauros ainda existissem como imenso o histórico da evolução da vida deste planeta em suas celulas ? por isso eu digo, não me importo de ser um DINOSSAURO.

    Responder
  12. Beatriz

    Amei!…vi a entrevista do autor no programa do Jo e logo percebi que o livro será um grande sucesso!

    Responder
  13. Miss Me

    ufa! achava que estava velha mas vejo que nem tanto…hehe

    Responder
  14. Carlos

    Não li o livro, mas já me identifico com a idéia do autor. E há muitas outras referências que sei não foram pedidas e podem ter sido citadas no livro mas me permito lembrar aqui:
    1 – Mandiopã
    2 – Vai e vem ( ou Boing )
    3 – Aquele certificado de censura que era mostrado antes do inicio dos programas de televisão.
    4 – O C.I.P ( Conselhor interminesterial de preços ) que periódicamente fazia liberação de aumento de preços de insumos industriais e de varejo ( Açucar, farinha,café etc ).
    5 – Os Shoppings centers não abriam aos domingos, no antigo Eldorado havia apresentação um palco onde se apresentavam, conjuntos musicais,cantores,bandas,orquestras etc, eu mesmo assisti várias apresentações,depois passou para a USP e por fim para o Sesc Santo Amaro onde está até hoje.

    Responder
    • JMFernandes

      Por acaso o teu ultimo sobrenome é “CASTRO” ……. Tirar o CIP do fundo do baú é dose para DINO …

      Responder
  15. eudereis

    Rapaz, não sabia que lembrava ainda destas coisas. Muito bom.

    Responder
  16. max

    Como é bom lembrar dos velhos e bons tempos, dos passeios na praça da escola de bicicleta com meu irmão e mãe , pique esconde na rua de casa, idas na praça Rui Barbosa no centro de Bauru com meus pais, comprar pipoca com brinquedinho do pipoqueiro e procurar o sagui nas arvores, depois um sorvetinho na esquina, é bom demais , mas hoje temos novos tempos e novas aventuras em ” shpping center” que serão lembranças para nós e nosso filhos , não é ? , mas enquanto isso um momento de nostangia não faz mal algum e me faz rir sozinho ( . . . )

    Responder
  17. Marcos

    Foi um tempo muito feliz. Perdidos no Espaço, Rin Tin Tin, Túnel do Tempo, A Feiticeira, Vigilante Rodoviáiro eram os preferidos na TV. Telefone celular só o do Dick Tracy. E por causa da censura, a TV não era povoada de lixo.

    Responder
  18. MARCO

    “Brincava de ioiô, batalha naval, forca e passa anel?”
    Tinha até me esquecido.
    rsrsrsrs.
    Dinossaurão….

    Responder
  19. Marcelo Maga

    Além do que foi Dito xará,telefonei em orelhão de ficha,vi Ultamen,urso do Cabelo Duro,brinquei de Genius ( lembra desse?) e via Vila Sésamo…Putz época boa.Serei um dino? Abraços.Vou comprar o livro.

    Responder
  20. ladydaina

    Eramos felizes e não sabíamos, podia-se até beber água da torneira,dormir de janelas abertas,colocar bombril na antena , não precisava de TV a cabo , nem de celular e ninguem morria por causa disso. O amor era sincero , o coração batia a mil por hora quando chegava o namorado , Ah! que tempo bom .

    Responder
  21. R.Gonzlaez

    lembranças lindas dos tempos jovens das amizades.

    Responder
  22. Fernando Araújo

    Reconheço, sou um dinossauro! Que bom!!!!!!

    Responder
  23. Renato S Christo

    Muito bom lembrar o passado, adoro.

    Responder
  24. tatyana

    gente eu amei,embora tenha só 26 anos acho que é tudo de bom esse livro,eu vi a entrevista dele no Jô soares ontem e simplesmente foi uma delicia,lógico que vou comprar esse livro! recomendo

    Responder
  25. tyna

    O que me assusta é pensar que tenho “apenas” 27 anos e já sou uma dinossaura…rs

    Responder
  26. tyna

    Sou tão dinossaura que comprei o seu “Guia dos Curiosos” quando foi lançado…com todo o respeito! rsrsrsrs

    Responder
  27. SCORPION

    Ainda diria mais: Topo Gigio, Q Suco, máquina Olivetti, chiclete Ploc, brilhatina, Toque de Amor (da Avon) kkkkkkkk, carnaval de mortalha, bolas chuveirinho e Dente de leite…

    Responder
  28. PEDRÃO - PITANGA-SP-

    Legal isso, desde que vc não entre em depressão, né? porque o saudosismo pode provocar um retorno literal ao passado. Recorde sim, mas por favor viva o presente..
    um grande abraço….

    Responder
  29. Sergio Guedes

    Achei o “Maior Barato” , vou comprar.
    Sergio
    Betim/MG

    Responder
  30. Verônica Maria Alves Mendonça Fonsecca

    Adorei as preliminares do livro, isso me fez lembrar o passado meu e da minha mãe. Apesar de estar passando por problemas difíceis sempre é maravilhoso encontrar pessoas como vocês e autores como vocês para nos fazer rir, que é o melhor remédio, mesmo fazendo sol ou fazendo chuva.
    Sou grata por ter esses divertimentos logo no amanhecer
    beijos, Verônica

    Responder
  31. Elena

    É uma pena, as gerações de hoje lembrarao, de fusis, balas perdidas, 11/09, guerra do Iraque, e por ai vai.

    Responder
  32. José Augusto Bernabé

    Sabe, o Loyola também vivenciou a antiga Boca do Lixo e do Luxo quando veio para São Paulo e como nós fazia parte dos personagens “pseudos-cariocas” do Nelson Rodrigues.
    Uma coisa é você estar dentro do Circo, outra é ficar do lado de fora, lá na outra margem da calçada assistindo o pessoal que vai participar das festas.
    E tem muita gente, digo até a maioria, hoje com 6 a 7 décadas de vida, inclusive muitos no poder, que faziam parte daqueles que ficavam na calçada. Estes que por uma razão o outra, foram mais aplicados nas suas poupanças só viram o crescimento delas e não tiveram oportunidade ou coragem de verdadeiramente vivenciar tudo que aquela vida pôde dar, desde as figurinhas, o Carlos Zéfiro o nosso verdadeiro instrutor do sexo, o Largo do Arouche, etc.etc.
    Estes são os velhos velhos, e seus filhos ou súditos são os jovens mais velhos ainda. Seus horizontes são apenas os números de suas poupanças, nada mais. Detesto-os, não tem nada a ensinar, não chegaram nem ao abc da cultura indigena que respeita todos os princípios da nossa natureza.
    O iôiô e o passa anel, ainda faz parte das brincadeiras das crianças nas reservas brasileiras, claro com outros instrumentos.
    Parece que o único velho jovem brasileiro é o sr.Oscar, que ele viva mais 100 anos, para que essa gente velha-moça possa entender o que é cabeça, oque é visão, o que é beleza o que é amor e compaixão e respeite de fato, elevando a participação na vida e não no dinheiro, o solo onde nasceram.
    Parabens ao seu Inácio e a seu Brandão. Não preciso lê-lo pois conheço o seu pensamento.
    Abraços.

    Responder
  33. PAULO CAMPELO

    NÃO SOU JOVE, NEM VELHO E MUITO MENOS DINOSSAURO.
    SIMPLESMENTE SOU UM SER HUMANO QUE NÃO SE DEIXA LEVAR POR QUALIFICAÇÕES COMO AS IMPOSTAS AQUI.
    EU SEI O QUE SOU PORTANTO, SUA PERGUNTA É INCONSISTENTE E CAPICIOSA.

    Responder
  34. observador

    Cecete! D I N O S S A U R O

    Responder
  35. valeria pinguer

    coisas do passado nos fazem lembrar quanto era bom ser crianca

    Responder
  36. Rosângela

    Achei legal essa idéia de nos fazermos entrar no tunel do tempo para recordar do nosso passado. Adorei !!!!!!!!

    Responder
  37. marcos

    Eu sou dessa época, porem a maioria das coisas ditas não acontecia com minha familia e comigo. Vou ver se encontro o livro p/ ler. Para isto, sou um dinossauro apesar do PC, continuo a ler.

    Responder
  38. Ana Lucia

    Percebi com orgulho que sou DINOSSAURO. KKKKKK
    Divertido.

    Responder
  39. Odilon Moura

    Lembrar do ioiô tudo bem, o pior é lembrar do ioiô de papel cheio de serragem com um elástico. Aí é demais!!!!

    Responder
    • Silvanea

      Sem dúvida, lembrar desse tipo de ioiô é demais mesmo..eu brinquei muito com esse ioiô, tempos maravilhosos que infelizmente a criançada de hoje não tem.

      Responder
  40. Odilon Moura

    E a figurinha carimbada? que dificuldade! E o jogo de tapão,o Jogo de finca ,o Pique esconde ,o Bente altas.

    Responder
  41. Sid

    Voce fez o primário, admissão e ginásio?

    Responder
    • PAULO ABREU

      FALA SÉRIO, FIZ O ARTIGO 99 (CLÁSSICO) E O ADMISSÃO EM TRÊS MESES. MAIS TARDE FIZ CURSO DE PERFURAÇÃO (LEMBRA DOS CARTÕES).
      SAUDADES DOS GIBIS, CAPITÃO MARVEL, MANDRAKE E ROCK LANE.
      JURÁSSICO GRAÇAS À DEUS.

      Responder
  42. lea maria

    Pensando bem , ainda sou do tempo em que se fazia, primario, admissao para o ginasio e normal para se tornar professora. Caquetica…. e brincava na rua. Pode!!!?

    Responder
  43. juasil

    Me considero um DINOSSAURO, mas muito feliz, pois vivi os bons tempos, tempos que sinto muita saudade nos dias de hoje, e que jamais voltarão.

    Responder
  44. manfra

    Você lembra da Topeka, da Conga e das corridas de carreteira?

    Responder
  45. Marcio Soares

    Quem nunca brincou de garrafão? Quem fumou um continental com filtro? Quem usou uma calça de tergal e uma camisa de banlom? Se não passasse no exame de admissão, ficaria um ano sem estudar. E as gargatilhas com as inicias da pessoa. Eu era muito feliz e não sabia.

    Responder
  46. Saulo

    Na verdade, a gente era FELIZ e não sabia.

    Responder
  47. maria

    vc usou aquela meia estilo “dancing days”? brincou de pique bandeira? chorou ouvindo ABBA? assistiu aos lançamentos de Lagoa Azul, O Dia Seguinte, Bete Balanço? Então, amigo, bem vindo ao Parque dos Dinossauros!

    Responder
  48. jose Henrique

    Voces estao achando graça?
    Respondam daqui a 40 anos!!!

    Responder
  49. carlos de moura

    não vejo saudade nem nostalgia,sou homem do meu tempo,o que vivi já foi,tenho 60 anos e me sinto um homem de hoje,não curto música do chamado passado,não tenho saudades de nada que fiz,se perde muito tempo olhando para o retrovisor do tempo,quem vive de passado é museu,mas isso depende da cultura de cada pessoa,tenho que estar antenado com o hoje,o agora,o que já fizemos,´não importa mais,já foi.

    Responder
    • Wellington Stern

      Se somos hoje reflexo do que fizemos ontem é impossível desconsiderarmos o passado, uma coisa é sofrer pelo passado, outra coisa é recordar nossa vida…Aprendemos hoje com o passado para podermos ter um futuro, desconsiderar o passado é não querer enxergar as rugas do tempo…não é ser um homem do seu tempo, mas um homem sem origem…

      Responder
    • desiree

      puxa carlos, eu acho que quem não valoriza o passado nao consegue ter um presente legal, muito menos o futuro,,, não que se vá cultuá-lo, mas aprender com ele e deixar que ele sempre esteja lá pra guiar nossa vida…

      Responder
    • PAULO ABREU

      LAMENTO LHE DIZER MEU CARO LEITOR D’ MOURA, VOCE DEMONSTRA CLARAMENTE QUE NÃO TEVE INFANCIA, ADOLESCENCIA E UMA FASE ADULTA SEM VIDA. EU DIRIA QUE VOCE NÃO TEVE PASSADO.
      VIVE POR QUE RESPIRA.
      MEUS PESAMES. . .

      Responder
    • Vidomar

      Carlos de Moura, estou contigo. Quem vive de nostalgia faz dois filtros: Do passado, filtra só o que é bom. Não lembra, por exemplo, a m… que era ter que esperar anos para ter um telefone e pagar os olhos da cara por ele. Do presente, filtra só o que é ruim. Não vê como temos gente jovem fazendo MPB excelente, como Mariana Aydar, não vê como temos mais acesso a serviços de saúde, à educação e por aí vai. Não creio que vivamos âs mil maravilhas (Não sou Pollyanna), mas não troco minha vida aos 47 anos pela que tinha aos 17. Grande abraço!

      Responder
    • Jai

      Pobre dinossauro que não quer admitir sua nostalgia, lida nas entrelinhas de cada palavra. Búúúúúú DinoCarlos

      Responder
    • De mal com o mundo

      Esse Carlos este de mal com o nundo, sujeito infeliz
      Estar antenado com o hoje é necessário, mas quem não olha pora trás não deve ter tido coisas boas.
      SEJA FELIZ.SORRIA.

      Responder
  50. maria aparecida cardoso de oliveira

    QUE DIFERENÇA! sÓ QUE MUUUITO PIOR, ESTA GERAÇÃO DESTRUIU O MUNDO, PRA QUE NOVAS DESCOBERTAS? a VIOLÊNCIA, A PROSTITUIÇÃO, A FALTA DE INSTRUÇÃO E RESPEITO, A MAIORIA ANALFABETA… E ATÉ NO PODER, VIVI NUM TEMPO MARAVILHOSO, AMIZADES VERDADEIRAS SENMHIPOCRISIA,FUI E SOU MUITO FELIZ, GRAÇAS A DEUS, ÓRFÃ TRABALHEI DESDE MUITOI PEQUENINA E O GOVERNO NÃO VIU, SE TIVÉSSEMOS O TAL CÓDIGO DE PROTEÇÃO, NEM SEI ONDE E COMO EU ESTARIA AGORA, ÊTA. DUVIDO QUE HOJE, SEJAM FELIZES. T+.

    Responder
  51. Wellington Stern

    Nada contra os dinossauros, nem contra os velhinhos…lógico que lembrei de tudo e ainda lembro de muito mais…mas isso só quer dizer que somos jovens a mais tempo do que os outros…rsrs
    “Grapete, PlayMobill, Forte Apache, Ferrorama, Tampinha com a seleção de 82 (camisa verde e camisa amarela), Cornetto (o sorvete), Autorama, Ciclone (a motinho), e outras centenas de doces lembranças…”

    Responder
  52. RICARDOSSAURO REX

    ioio com serragem, carrinho de rolima, futebol na rua ainda de terra e uma felicidade imensa em ganhar um BAMBA CANO ALTO. Juro q era mais gostoso do q essas encrencas MEGA ALGUMA COISA.

    Responder
  53. heitor

    O particular mundo da nostalgia, da saudade, da lembrança, é um mapa do tesouro que só a nós pertence,… em nada compromete o presente, o passado,… essa babaquice de jogar tudo fora e dizer que é um eterno jovem é coisa da ignorância grossa que forra os sentidos e os tapa da graciosa pipa que bamboleia ao vento de nossa história,… viva os dinossauros,… viva eu

    Responder
  54. George

    Ainda é menos perigoso conviver com “dinossauros” do passado que os “eletrônicuzinhos” de hoje.

    Responder
  55. L. C. Esher

    Para quem assistiu a primeira emissão de TV nos estúdios da Tupi, ainda molequinho, levado pela mão de meu pai que era amigo do velho Gabus Mendes, eu não sou nem um, nem outro, muito menos o terceiro, sou apenas jovem há mais tempo que a maioria.

    Responder
  56. Max

    Vou comprar o livro, porque quando criança eu lia o almanaque fontoura, passava gumex no cabelo, era fã do Vigilante Rodoviário, Rin Tin Tin e do Quartel do Pé com Pano e é claro programa Pim pam Pum.
    Ia pra escola com tenis iris, e cartilha Sodré.
    Meu pai abastecia a DKW no posto Atlantic.
    Fiquei muito feliz quando ganhei a primeira calça Rancheira.
    Jogava futebol com bola de capotão Drible.
    Assisti TVs Excelsior e Tupi.
    Sergio Cardoso interperetava o Dr.Alberto Limonta.
    Nas festas de aniversário não faltava patê de sardinha e na cobertura dos bolos tinha uns confeitos metalizados que quebravam os dentes.
    No meu primeiro emprego, eu usava o Telex para informar o fechamento do dia para a matriz.
    Nas brincadeiras dançantes dos sábados nas garagens, a gente se esforçama para não parecer Boko Moko para as menininhas, enquanto a vitrola tocava o sucesso Yellow River.
    E isso foi no período paleozoico de 45 anos atrás.

    Responder
  57. desiree

    deu dinossaura na cabeça… mas como sempre digo, era uma epoca muito gostosa, onde td era mais saudavel, as brincadeiras, as novidades, a infancia em si, tenho orgulho dos meus dinossauricos 40 anos…

    Responder
  58. João Santanna

    Se procuramos no passado as nossas referências, é sinal que o presente não está lá essas coisas… saudosismo pode causar melancolia.

    Responder
  59. ROSANGELA MARIA

    lembro muita coisa, mas não me considero velha, muito menos jurassíca pois me atualiso sempre.
    acho que istos que faz a pessoa se sentri jovem não as lembraças, pois isto é apenas experiencia de vida.

    Responder
  60. elaine gastao

    Muito legal trazer essas lembranças, não tinhamos toda essa tecnologia de hoje mas nos divertiamos muiiiiiito!!!
    Dificuldades todos tivemos, me lembro das bonequinhas de papel, que recortavamos os modelos de roupinhas e tinhamos um guarda roupa bem variado inclusive com calçados. E o Bat-Bag??? Quantas manchas roxas no braço…. Vale lembrar sempre, tempinho muito bom!!!!

    Responder
  61. Aurino Alves

    Fiz o primário admissão ginásio e científico.Acompanhei a construção de Brasília e ouvi muito o trem das onze. Tudo muito bom mas, …o presente e o que imagino pro futuro
    me fascina !

    Responder
  62. Maria Carmem

    Coitado do Carlos!…nao guardou a alegria de um tempo que nao volta mais! Viver o tempo de hj…todos nos vivemos… mas esquecer o passado…
    Eu imagino que a energia da alegria da minha infancia/juventude me faz viver o dia de hj com mais forca, entendendo mais as coisas que estao acontecendo.

    Responder
  63. valentim

    Ser jovem, velho ou dinossauro, pouco importa; pois trazemos estas características para hoje. O importante é ter consciência de que, aquilo que fizemos foi realizado da melhor maneira possível, e, que estamos prontos para ser útil para o amanhã. Tudo o foi vivido foi bom; aquilo que nos resta para viver, deve ser feito com qualidade.

    Responder
  64. Fabricio

    Se lembrar do passado, é ser dinossauro, então eu sou kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Responder
  65. Varuna

    Euzinho… tomava ‘Biotônico Fontoura, Calcigenol e Óleo de Fígado de Bacalhau’. Minha irmão usava pó de arroz e brusch da Coty. Ah! Ia me esquecendo, usei brilhantina e óleo Glostora, além de brincar de Garrafão, Carniça e Pique-bandeira. Logo, sem dúvida, sou um
    “JOVEM-DINO”
    muito feliz!…..

    Responder
  66. João Carlos Hoehne

    Você aprendeu a ler e escrever com a cartilha “Caminho Suave? Você tinha que aprender Português, História, Geografia e Ciências com os livros da Débora Padua Melo Neves? No Ginásio, você aprendeu inglês com o livro “Spoken English”, do João Fonseca? Você assistiu ao programa “Pim-Pam-Pum”, patrocinado pelos brinquedos Estrela? Tem mais ainda. Depois eu completo a lista.

    Responder
    • cicero freitas de oliveira

      oi ,vc estudo com algum dos livros de deborah de paua mello neves.era criança e adorava olhar os desenhos coloridos , lindos não.
      voce tem algum exemplar da 3ª-serie(dos anos 70)
      se tiver me fala ,puxa que saudade
      atenciosamente

      Responder
  67. Varuna

    FAVOR, SE POSSÍVEL CORRIGIR ONDE SE LÊ IRMÃO, LÊ-SE IRMÃ.
    OBRIGADO !

    Responder
    • JMFernandes

      Se é para corrigir então deveria ser “LEIA-SE” e não “LÊ-SE” …. mas não acho que isso seja relevante.

      Responder
  68. Mauro Augusto

    E eu que fabricava meus carrinhos com a sandália e lata de óleo. Em tempos de tecnologia avançada realmente a gente sente muitas saudades.

    Responder
  69. Procópio

    E quem só tinha casinha . . .
    E quem usava lampião para fazer os temas de casa . . .
    E quem ia descalço para a escola . . .
    E quem só jogava bola de pano . . .
    E quem fazia os próprios brinquedos . . .
    SuperDino, mas muito feliz . . .

    Responder
    • jorge nader

      museo?

      Responder
  70. Antonio Mier

    Permita-me sugerir ao mestre Ignácio de Loyola Brandão a inclusão de mais uma categoria – a que eu pertenço, claro – a de FÓSSEIS VIVOS…(rs).

    Responder
  71. Raimundo Theodoro Costa Paixão

    Essa de jovem,velho ou dinossauro,vai muito da cabeça de cada um certo,eu me copnsidero eternamente jovem, e feliz daquele que chega aos 70 anos,como muitos nos chamam de dinossauros,somos sim ,porém com muita experiência de vida para dar e vender!

    Responder
  72. João Carlos Hoehne

    Ousaria dizer que não existe uma época melhor ou pior que a outra. O que existe são as peculiaridades de cada época. Logo que terminei o primário, com 11 anos de idade em 1962, minha mãe me colocou para trabalhar em uma farmácia só para eu não ficar na rua. E trabalhei lá por dois anos antes de ir para o Ginásio. Naquele tempo, homens barbados, senhores, tinham vergonha de comprar preservativos. Hoje qualquer adolescente os compra sem cerimônia em supermercados. O tempora, o mores.

    Responder
  73. Thiago

    PORRADOBOL!

    Responder
  74. Varuna

    ANTONIO,
    não seria melhor vc dizer: MÚMIA-VIVA !
    Brincadeirinha! Hi,hi, hi, hi, hi….
    (risada do CORINGA)

    Responder
  75. Antonio Edison

    Saudades SIM, tristeza Não
    Com o avanço da tecnologia o mundo já se encontra globalizado, por isso, o tempo moderno é o presente e o presente é o momento. O ontem é passado o amanhã esta a vir, então vivamos este momento maravilhoso.
    Valeu: + que Dino um menino

    Responder
  76. Fernando

    Bolinha de gude, pipa, passar sebo na bola de capotão pra conserva-la ….. grandes lembranças…. é, acho que Dinossauro (rs)

    Responder
  77. realista

    Sou do meu tempo.
    Programa do Big Boy.
    Do seriado do Jeronimo Heroi do Sertão.
    Jovem Guarda.
    Livrinho do Zefiro.
    Revista Ele Ela.
    Pasquim.
    vivi e vivo todas as épocas

    Responder
  78. ANA LÚ

    SOU VELHA POR IMPOSIÇÃO DA SOCIEDADE, MAIS NÃO ACEITO ISSO, A MINHA CABEÇA É JOVEM. APESAR DE TER RESPONDIDO SIM AS PERGUNTAS, PROCURO EVOLUIR E ACOMPANHAR OS TEMPOS MODERNOS MAIS SABENDO DICERNIR O QUE PRESTA OU NÃO, O QUE BOM OU RUIM, TENHO OPINIÂO E INTELIGÊNCIA.

    Responder
  79. Ivan de Jesus

    Eu. comprava no açougue perto de casa,300g de tocinho defumado! Hoje chamam de Baikon.

    Responder
  80. Rodrigo

    Realmente, um teste/uma brincadeira bem legal! Lembra e muito o passado…e há outras ‘coisas’ tipo:
    – Assistia desenhos do Bozo (o “Sessão Sorteio do Meio Dia”)?
    – Chegava mais cedo da escola para ver novelas, programas favoritos?
    – Falando ainda em programas, assistia ao “Xou da Xuxa” ; enviava uma carta para dizer as tres coisas que mais gostava e as que não gostava?
    – Sem falar quando se comprava o LP das grandes novelas, trilhas – que hoje (praticamente) não existem mais – o ‘vinil’ …
    – E tinha fita de video para gravar os programas prediletos no vídeo cassete (confesso – faço isso ATÉ HOJE; DVD dá um trabalho…)
    – E muito mais coisas…
    Sim, tenho uma boa memória (hehe!)…
    Para mais ‘sessões nostalgicas’, deve-se ir ao Youtube e assistir a videos de entradas, novelas antigas…dá uma BAITA lembrança!
    É isso aí!!

    Responder
  81. nelson antonio

    humm…e pensar que me considerava jovem…
    jogar futebol com bola de meia..essa é ótima

    Responder
  82. J. Luís Júnior

    A criança de hoje não tem infância. Meu filho não sabe o que é fabricar um carro da lata de óleo DUREINO, UM PEDAÇO DE TÁBUA , PNEUS FEITO COM A PARTE DO CALCANHAR DO CHINELO DE BORRACHA, fazer estradas e pontes no fundo do quintal. Apanhei muito por causa disso, mas era divertido. A criançada se juntava todo dia para brincar e se conhecerem melhor e hoje as crianças sentam em frente a um computador numa brincadeira virtual e sem graça que não leva a lugar nenhum.
    DINOSSAURO? acho que não, o mundo mudou e as brincadeiras também, a sociedade evoluiu e se tornou mais precoce com o acesso maior as informações se esquecendo das velhas brincadeiras e das cantigas de roda onde se paquerava as meninas e andava de mãos dadas, era tanta igenuidade. Sinto muito por ele que vive o dia todo, quando não estar no colégio, num tal de mensage. Não tem nenhum tipo de criatividade, já encontra tudo pronto. Talvez as crianças de hoje serão os DINOSSAUROS de amanhã se não for tomada nenhuma atitude para trazer de volta a sua infância.

    Responder
  83. Expedito

    Ah! acho que olhar pelo retrovisor, nos dá refrências para ajudar os mais jovens . mas que foram bons, foram mesmo. Dinojovem.

    Responder
  84. Angélica Matos

    Gente, só não fica velho quem morre pelo meio do caminho!!!!!!!! O Velho é, antes de tudo, UM FORTE!!!!!!

    Responder
  85. Pericles Rosendo da Silva

    Voce achava mais bonito o DKV a Rural ou o Cinca Chabó ? Assistia maiso Zorro, Túnel do Tempo ou Perdidos no Espaço? Ria mais com Odorico Paraguassú ou Dirceu Borboleta?

    Responder
  86. Daniel

    Brincavamos de mãe da rua, queima, passa anel, desenhavamos no asfalto até altas horas sem se preocupar com a violencia que existe hoje

    Responder
  87. vera

    bala de coco com anéis com pedras vermelhas ou verdes.. vendidas pelo cara do, biscoite em saquinhos ( casquinhas) e pirulitos de açúçar queimado ,que anunciava seus produtos com uma matraca.

    Responder
  88. Erika

    em tempos de telefone com tela de toque ainda me lembro da época que tinhamos que girar o discador.

    Responder
  89. antonia silva

    ÓTIMO, QUE SAUDADES!….

    Responder
  90. claudio

    e hoje caminhando para a destruição da familia ,da sociedade e do planeta ,alguns ainda dizem que estamos evoluindo …. e eu pergunto … em que ?

    Responder
  91. anna

    e o carrinho de rolimã?
    e o caçar borboletas?
    e o prender vagalumes e passar na pele?
    e o brincar de “cetra”, o estilingue…
    e o soltar pipa
    subir em árvores
    tudo ao seu tempo
    tudo foi bom
    cada coisa ao seu tempo
    e tudo sempre vai ser bom
    estar vivo
    ter vivido
    viver
    o que virá
    sempre vai ser bom…
    coisas simples
    deliciosas…

    Responder
  92. carlos henrique

    o negocio era brinca de medico com as primas ……

    Responder
  93. Daniel

    Esse Carlos Mouro é um velho chato, querc ser moderninho,todos temos saudades daquele tempo.

    Responder
  94. Edna

    Dessas perguntas eu só respondi com toda sinceridade duas:foi a do “velho guerreiro ,batalha naval e passa anel”,o resto foi NÃO,e estou sendo sincera.
    Se eu sou velha,nova,mais ou menos,ou um perfeito dinossauro:NÃO SEI…

    Responder
  95. cida fulfule

    Maravilhoso! Li o livro que o autor classifica como almanaque. Recomendei aos meus amigos, e presentiei outros tantos.Tenho absoluta certeza sou dinossauro, nos eramos felizes e não sabiamos.

    Responder
  96. Valdir

    Nem dinossaouro so mais ja virei hipopotamo brinquei de tudo isto e ainda fazia arapuca de banbum e outras coisas legais que nao volta nunca mais .

    Responder
  97. mara

    lembro de tudo isso…mas não sou de ficar com vontade de repetir…querendo ou não, hoje temos mais iberdade, em pensar e agir

    Responder
  98. ANGELA

    EU BRINCAVA DE IOIO, BATALHA NAVAL, E OUTRAS COMO: QUEIMADA, ROUBA BANDEIRA, ELÁSTICO . AQUELE TEMPO ERA BOM DEMAIS ERAMOS FELIZES E NÃO SABIAMOS. ME CONSIDERO UM DINOSSAURO. UMA PENA QUE ESSE TEMPO NÃO VOLTA MAIS.

    Responder
  99. Tamoto

    nem preciso ler. sou pré-dinossauro assumido. mal sei digitar informática, não sei usar celular, acendo fogão com palito de fósforo, chamo os desconhecidos de senhor, cedo lugar no metrô e ônibus e ainda chamo minha mulher de querida namorada. É.. acho que sou pré-dinossauro mesmo.

    Responder
    • juliana alves.

      nao acho q vc seja um velho acho q vc sim e uma pessoa muito educada quem dera ainda esistisse pessoas assim.

      Responder
  100. Victor

    Eu lembro que fechei dois álbuns de futebol. E foi difícil. Troquei na época por um jogo de dominó e um copo do Vascão. Ahhhhhhhh e teve um álbum de personagens de desenho animado. O Tião Gavião era uma das figurinhas mais difíceis de se conseguir. demorei para trocar por uma.
    Mas sinceramente, era uma época muito boa.

    Responder
  101. Tereza Cristina

    Fico pensando o que nossos jovens vão se lembrar.

    Responder
  102. FÁBIO PASSOS

    Eu me lembro de todas essas brincadeiras e também das figuras televisivas dessa época, mas não sinto que sou um dinossauro, simplesmente sou um homem atual com um tanto de vivência, no entanto, sinto saudade dessa época pois era um mundo menos violento, com menos tecnologia é claro, porém muito menos estressante do que os dias atuais, mas passado é passado, o negócio é tocar para frente…

    Responder
  103. Erica

    Recordar é viver – já dizia o poeta!! Lembrar não faz mal, sentir saudade de outros tempos é gostoso.. só não podemos viver de passado, mas eu me encaixo no velho, apesar de ser nova na idade.. metade das coisas citadas eu me lembro !! rsrs
    Mto Bom !!!!!!!

    Responder
  104. pascoal

    Eu disse sim a todos, gosto das coisas atuais tenho filhos e esposa maravilhos, falo com eles sobre a minha infancia, e ter otimas lembranças não é coisas de museu e sim ter o que lembrar coisas boas.

    Responder
  105. pascoal

    Engraçado que até hoje falam sobre Beetoven, Mozart, Pele, Garrincha os classicos do cinema, John lennon etc é isso é coisa de museu?

    Responder
  106. Juarez

    Vc. esta copiando, plageando ou sei la como se diz. Vc. deve ter entendido, se não tem competencia, não entre no mercado, fica ridiculo.

    Responder
  107. cosmo

    quanta saudade do salva pega, me lembro qdo no primário todo sabado davam coca cola de graça, claro pra viciarem a mulecada da epoca, pois na região não tinha, como era ruim no começo, sou um dinossauro feliz, como era bom e eu não parei pra relembrar, da nossa infancia, inocente e muuuuito feliz.

    Responder
  108. PAULO ABREU

    FIZ DOIS COMENTARIOS, ¨QUE NÃO FORAM COMENTADOS¨ ???
    FIZ O ARTIGO 99 (CLÁSSICO) POIS NÃO SUPORTO NÚMEROS, ADMISSÃO EM TRÊS MESES E LI MUITO GIBI, MANDRAKE, CAPITÃO MARVEL, ETC.
    SOU JURÁSSICO SIM ! GRAÇAS À DEUS.

    Responder
  109. Jose Antono da Rocha

    Essas perguntas! Conheço todas, mas o site não abriu para respondermos. Mas, seria muito bom conhecer minha identidade.
    José Antonio.

    Responder
  110. Alfredo

    algúem lembta da “turma PEZ”?

    Responder
  111. no

    ta velho hem

    Responder
  112. Valéria

    Ora, é maravilhoso termos lembranças boas… Isso, em absoluto é retroceder… É saber que vivemos, e bem!!!
    Ainda acompanhei novela em radio: “Jerônimo o herói do sertão”, tive “galocha”, táxi era Jeep “fretado”, e muito mais… Bons e maravilhosos tempos, e hoje tempo maravilhoso em que vivo e muito bem ,tendo o que contar de maravilhoso que vivi!

    Responder
  113. sidnéa

    Caracas sou dinossauro e fui muito felizzzz. Pô colocar bombril nantena era tudo de estresse.

    Responder
  114. genivaldo

    Li todos os comentarios acima é so posso falar que nos somos a turma da pesada; vivemos nos melhores tempos os mais felizes da nossa epóca nadar escondido e pelado no rio pinheiros, tiete etc. pescar c/ litro de leite e assar o peixe no barro na beira do rio. temos historias p/ contar a nossos netos. que falam meu avô não tem p/ ninguem.

    Responder
  115. Veronica

    Sou dinossaura com mto orgulho!!

    Responder
  116. ivonilson jose drumond pires

    as coisas eram mais gostosas pois existia mais inocencia

    Responder
  117. Fernandes

    Imaginem alguém que tenha morrido na primeira metade dos anos 80 do século XX. O infeliz se foi há menos de 30 anos, e isso é o bastante para não ter conhecido:
    Fax, Video Tape, CD player, Telefone Celular, caixa postal, Internet, e-mail, DVD, Forno Microondas, camera fotográfica digital, filmadora digital, GPS, Televisão Digital e as TVs de LCD, motores Flex, energia solar e …. aumentem vocês a lista que eu já me cansei !
    E convenhamos, como disse Delfim Neto: “Nós eramos felizes e não sabiamos”. Não havia Aids, nem Gripe A e um monte de outras preocupações … Mas como o que não tem solução não é problema, o negócio é viver a vida (sem qualquer trocadilho com a novela “Global”).

    Responder
  118. odair cabrera

    Vocês lembram da Turma do Capitão 7?
    E do programa Pulman Júnior, apresentado pela Cidinha Campos, onde ela dizia: Boa noite zé fofinho???????
    Nossa…..tantas lembranças…..
    Abraços!

    Responder
  119. JMFernandes

    Cansei de corrigir o nome! O Fernandes morreu …

    Responder
  120. krika

    Tenho 46 anos e nasci no suburbio do Rio de Janeiro. Lembro de minha infancia bem mais movimentada e alegre que a infancia das crianças de hoje. Brincavamos na rua de amarelinha, de pique-esconde, pique-bandeira, de pipa, bolinha de gude, patinete (carrinho de rolimã); além disso subia-se em arvores, trocavam-se figurinhas porque os albuns lançados um atras do outro eram febre. Tempo muito bom. Hoje as crianças são muito sedentarias, sem espaço pra brincar, dá pena. Pensando assim, a d o r o ser jurassica!!

    Responder
    • JMFernandes

      Você disse tudo … Sou um “puro geração 60” quando tudo aconteceu, desde a revolução sexual, à feminista e à estudantil. A geração que tinha causas pelas quais lutar ! É muito louco a molecada de hoje – inundada de informação e sem experiência de nada (100% virtual). Namoram, e não só, pela Internet !
      É estranho ver jovens curtindo Janis Joplin, Jimmi Hendrix, Led Zeppelin, Phil Collins, Pink Floyd, revivendo os 40 anos de Woodstock … e Brasil não fica fora disso, onde estão os Chico Buarque, Caetano Veloso, Gilberto Gil, Elis Regina, Maria Bethânia, Milton Nascimento, Gal Costa ? Que saudades!
      É uma tristeza ter de ouvir na boquinha da garrafa, a éguinha pocotó … e por aí afora!
      Como era bom brincar na rua, subir no pé da arvore e pegar a fruta … como disse o Delfim Neto “Nós eramos felizes e não sabiamos”. Gostaria de trocar ideias contigo, só não sei como. Para já, parabens pelo seu comentário.

      Responder
  121. DENISE SANTOS

    Gostei muito do programa de sabado passado 24/10 com o Inacio de Loyola Brandão sobre as lembranças. Nossa estava no carro ouvindo o programa e viajei lembrando de algumas coisas que hoje nao existem mais. Lembran-se do Lanche Mirabel / do refrigerante Cerejinha / dos chocolates: Lingote, crocante, Ki-bamba, do formato do Diamante Negro do Laka? e do calçado Conga , da embalagem dos chicletes Ping-pong toda listradinha. Nossa quanta saudade. Tenho 49 anos Sou de São Bernardo.

    Responder
  122. Arno

    Bem, não sei se foi essa a intenção, mas, as peçinhas mostradas ao lado do 1º fusca, elas não tem nada haver com o anel de brucutu.
    Eu tive um e também até, na época surrupiei um deles para fazer um anel.
    Essas peças daí, pra mim, uma é a base de antena telescópica e a outra é a maçaneta do quebra-vento, só não sei se é de fusca.
    Bons tempos aqueles….

    Responder
  123. CAPT GOTTLIEB

    Tenho 73 anos e o mundo me classifica de idoso. É apenas uma classificação do estado de deterioração do corpo humano. Pouco me importa. Vivo o presente, o dia de hoje, porém sem jamais esquecer o passado, pois ele representa a minha experiência de vida. Meus erros e acertos. E só quem lembra do passado e vive o presente pode ter futuro. A nostalgia e o saudosismo são negativos, mas a memória e a lembrança são preciosidades.

    Responder
  124. Capt Gottlieb

    Gostaria que alguém pudesse xerocar e me enviar as 2 ou 3 páginas finais do livro Spoken English – BOOK TWO – João Fonseca (1960-1963). Nestas páginas está a história final do encontro do tesouro (Bruce, Reginald e MacDonald). Desde já fico muito grato. (captgottlieb@gmail.com)

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This