Novo Livro O Guia dos Curiosos - Edição Fora de Série

O Calendário Gregoriano e os 10 dias que não existiram

5 de abril de 2021

Até o século XVI, nós vivíamos sob as regras do Calendário Juliano, instituído pelo imperador Júlio César. Só que esse calendário tinha uma série de erros. Ele foi substituído pelo Calendário Gregoriano, mandado fazer pelo Papa Gregório XIII e que começou a ser instituído em 4 de outubro de 1582. Bem, “começou a ser instituído” é um jeito de dizer, pois essa transformação durou quase 300 anos, conforme o lugar, o governante, a religião.

De início, as folhinhas tiveram que pular de 4 para 15 de outubro de 1582. Atenção: isso foi feito no século XVI, acompanhado pouco a pouco pelos países; como a coisa era lenta, não provocou maiores tumultos. De cara, Portugal, Espanha, França e parte da Itália aceitaram a mudança; em 1583, Áustria e católicos da Suíça e da Alemanha; 1586, Polônia; 1587, Hungria; 1700, os protestantes alemães e suíços, mais Noruega e Dinamarca. O último país a adotar o Calendário Gregoriano foi a Turquia, em 1926.

Prev 1 of 1 Next
Prev 1 of 1 Next

Uma grande confusão aconteceu na Inglaterra. O rei George II fez a mudança em 1752. Só que aí 170 anos haviam se passado. A Inglaterra¸ na linha de frente da Revolução Industrial, já era a dona do mundo, lugar que ocuparia até a Segunda Grande Guerra. Mudar o calendário em um império tão grande?! Imagine alguém dormir no dia 2 de setembro e acordar no dia 14… Isso é que é sono!! Até hoje na Inglaterra e em ex-colônias, como os Estados Unidos, fala-se nos “dias roubados”.

Essa não foi a única confusão. Na França, o rei Carlos IX decidiu implantar a novidade antes até de o Papa tornar a coisa obrigatória, determinando que, a partir de 1564, o ano começasse em 1º de janeiro. Até então, fazia-se uma grande celebração a partir de 25 de março, com festas, trocas de presentes, danças e comilanças, que só terminava em 1º de abril – e aí, como ocorre com nosso Carnaval, o ano começava para valer. Como as comunicações eram muito precárias, demorou até todo mundo aceitar a mudança.

E quem não concordou com o novo calendário e preferia o sistema antigo? Ora, quem comemorasse o réveillon em 1º de abril era um tolo, um bobo – daí o Dia dos Tolos e, logo, Dia da Mentira.

(Warde Marx, Aí Tem História, especial para o “Olá, Curiosos!”)

Leia também:
A história dos calendários Juliano e Gregoriano
De onde vem o Dia da Mentira?
10 curiosidades sobre o Dia da Mentira

Esta página contém links de afiliados. Ao fazer uma compra por um desses links, o Guia dos Curiosos recebe uma comissão e você não paga nada a mais por isso.

Artigos Relacionados

Alfarrábio, o homem que virou sinônimo de livro velho

Alfarrábio, o homem que virou sinônimo de livro velho

Alfarrábio vem do latim "Alpharabus", nome latino do grande filósofo árabe Abu Nasr Mohammad Ibn al-Farakh al-Farabi, assim chamado por ter nascido numa aldeia próxima a Farab, no Turquistão, em território hoje pertencente ao Irã. Fez seus primeiros estudos em Farab e...

Como a Mitologia Grega explica a origem das estações do ano

Como a Mitologia Grega explica a origem das estações do ano

"No Hemisfério Norte, a Primavera é a primeira estação do ano", diz o professor Warde Marx. "Para nós, no Hemisfério Sul, é o começo do fim do ano". Qual é a origem das estações do ano? De onde vieram seus nomes? Aí tem História. A princípio, os termos latinos "ver" e...

A guerra mais rápida da história

A guerra mais rápida da história

Quanto tempo pode durar uma guerra? Bem, tivemos a Guerra dos Cem Anos, que durou mais de 100 anos (1337 a 1453).  A da Coreia está em cartaz há mais de 70 anos. Tem alguma curta, curtíssima? Aí tem História. No dia 27 de agosto de 1896, duas ilhas entraram em guerra....

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This