1. O nome verdadeiro do líder palestino é Mohamed Abdel-Raouf Arafat Al Qudwa Al Husseini. Há controvérsias sobre o local de seu nascimento. Algumas biografias dizem que sua terra natal é Cairo (Egito), mas Arafat afirma que nasceu em Jerusalém em 24 de agosto de 1929. YASSER ARAFAT
  2. A mãe de Arafat morreu quando ele tinha 3 anos.
  3. Ele estudou engenharia na Universidade Cairo (Egito) e chegou a exercer a profissão no Kwait.
  4. Foi o fundador do Fatah, grupo que se tornaria o principal elemento da Organização pela Libertação da Palestina. Na época, usava o pseudônimo Abu Ammar.
  5. Em 1974, ele discursou diante da Organização das Nações Unidas (ONU) e disse que estava carregando um ramo de oliveira (símbolo da paz) e a arma de um combatente da liberdade. Por fim, concluiu: “Não deixem que o ramo de oliveira caia da minha mão”.
  6. Ele se casou em segredo em 1990 com Suha, filha de uma poetisa e nacionalista palestina de família cristã. A união foi uma grande surpresa porque durante anos Arafat afirmou que permanecia solteiro porque “estava casado com a causa palestina”. O casal teve uma filha, Zahwa, em 1995.
  7. O líder palestino recebeu o Prêmio Nobel da Paz em 1994 por sua contribuição ao processo de paz no Oriente Médio. O primeiro ministro de Israel Yitzhak Rabin também foi contemplado naquele ano.
  8. Em 20 de outubro de 2004, foi internado com dores no estômago. Uma semana depois, um de seus assessores declarou que ele estava “muito, muito doente”. A princípio, os médicos acreditaram se tratar de uma leucemia, mas depois de realizarem uma série de exames declararam que o político tinha uma anomalia sangüínea não identificada. Ele morreu no dia 11 de novembro de 2004 no hospital militar Percy, em Paris (França), vítima de uma falência múltipla dos órgãos.
  9. O diário britânico The Guardian publicou em 16 de dezembro de 2004 que os restos mortais do líder palestino foram removidos da cova onde estavam, em Ramallah, e reenterrados. A realização do novo funeral teria ocorrido porque a primeira cerimônia não seguiu os preceitos da tradição muçulmana. Os seguidores da religião não sepultam os mortos em caixões, mas sim enrolados em panos brancos.
  10. O representante da Organização para a Libertação da Palestina (OLP) Sami Musalam declarou em uma entrevista à agência de notícias EFE que a única distração de Arafat – quando não estava trabalhando – era assistir aos desenhos Tom e Jerry.