A companhia aérea Turkish Airlines, da Turquia, deixou parte de seu público revoltada ao anunciar o novo uniforme das aeromoças da empresa. Não porque a saia fosse muito curta, ou o decote proeminente, mas justamente o contrário: a roupa é comportada demais. É que a companhia tem o histórico de vestir suas comissárias de forma ousada. Nos anos 40, quando a empresa foi fundada, elas usavam um uniforme azul que valorizava os contornos do corpo. Nas décadas de 60 e 70, os estilistas da Turkish Airlines se basearam nas tendências das passarelas de Paris, centro da moda, para desenhar seus modelitos. Agora o novo look é composto por vestidos longos e calças compridas.

Há um contexto político que explica tanto a atitude da companhia aérea quanto a revolta de parte de seu público. Há uma década, a Turquia é governada pelo primeiro-ministro Tayyip Erdogan, chefe do partido islâmico. Desde o início de seu mandato, as leis do país se tornaram mais conservadoras. Mulheres só podem frequentar universidades e outros locais públicos usando a burca, e foi proibido o consumo de bebidas alcoólicas em lugares específicos. A mudança na Turkish Airlines seria uma demonstração de apoio da empresa ao partido político do governo.

Relembre outros uniformes de aeromoças que também deram o que falar:

Asiana Airlines (Coreia do Sul)

No início deste ano, um grupo de aeromoças da Asiana Airlines entrou na justiça contra a empresa com um pedido: permitir que elas usem calças no trabalho. As atendentes não aguentam mais a quantidade de regras que têm de seguir para, segundo a companhia, mostrar que a beleza coreana é de alto nível. Além das saias desconfortáveis, elas são obrigadas a usar um número específico de grampos no cabelo, uma quantidade estipulada de maquiagem e bijuterias escolhidas pelos estilistas da companhia. As míopes, até janeiro, não podiam nem usar seus óculos.

IndiGo Airlines (Índia)

Em 2010, todas as comissárias da companhia aérea IndiGo Airlines foram obrigadas a usar… perucas! Quem se recusou a cortar o cabelo conforme as especificações do estilista da empresa teve que apelar para a cabeleira artificial. Na época, o estilista declarou que cabelos longos ou coques não condiziam com a imagem que a companhia queria passar a seus clientes. O corte de cabelo curto daria às funcionárias um ar mais jovial e inteligente.

Lufthansa (Alemanha)

Todos as anos, durante os meses de setembro e outubro, a companhia aérea alemã Lufthansa veste suas aeromoças com roupas típicas da região da Bavária. Tudo isso para celebrar a festa Oktoberfest, comemorada em todo o país. As moças fantasiadas viajam a bordo somente dos voos internos. Os vestidões longos são confeccionados nas cores azul e amarela, que compõem a logomarca da empresa.

Air Bahama (Bahamas)

Nos anos 70, as aeromoças da Air Bahama usavam a bordo um traje bastante ousado: uniformes com a barriga de fora e botas de caubói. Tudo para aumentar as vendas para o público masculino. A maioria das aeromoças que trabalhava na companhia já tinha participado de concursos nacionais de beleza.

Quer saber mais sobre o assunto? Leia também A história dos uniformes das aeromoças.