Dia do Teatro: quem foi o primeiro ator da História

6 de abril de 2021

Nosso calendário registra o dia 21 de março como Dia Universal do Teatro. E o dia 27 de março é o Dia Mundial do Teatro e o Dia do Circo. Temos mais duas ou três datas sobre isso no calendário. Para uma atividade ter tantas datas comemorativas é porque, como diz o professor Warde Marx, “aí tem história”.

A atividade teatral é mais do que apenas uma forma de arte. Ela nasce da necessidade da comunicação de um ser humano com outro – desde quando a gente se constituiu como espécie, a Homo Sapiens, há uns 300 mil, 350 mil anos. Antes que desenvolvêssemos um idioma, nós já tínhamos que nos entender – e aí está a raiz do teatro. À noite, em volta da fogueira, quando alguém mostrava com seu corpo e voz como tinha sido a caçada daquele dia já estava usando recursos teatrais que praticamos até hoje. Depois vieram conversas mais sérias. Foi quando nossos antepassados tiveram que falar com os deuses; aí surgiram as demais artes, pinturas nas cavernas, dança da chuva, hinos a deuses e heróis.

Prev 1 of 1 Next
Prev 1 of 1 Next

Desde a antiga Grécia, Dioniso é o deus da fertilidade, do vinho e do teatro. Seus ritos eram chamados de “dionisíacas”. Suas aventuras e desventuras eram relatadas em cantos parecidos com ladainhas, chamados ditirambos e entoados por um coral, mas havia alguns intérpretes que se destacavam. Esse foi o caso de Téspis de Icária, que nasceu por volta de 550 a.C. e morreu aos 50 anos. Em novembro de 534 a.C, Téspis foi chamado a Atenas para se apresentar numa novidade: um concurso de ditirambos que ocorreria na Grande Dionisíaca. Téspis apresentou um novo jeito de entoar os cantos: ele se destacou do coro e apresentou-se como o próprio Dioniso, dialogando com o coro. Isso acontecia pela primeira vez. Foi um sucesso instantâneo e ele foi o grande vencedor do concurso. Numa carroça, que lhe servia de transporte e palco, Téspis percorreu a Grécia com seu coro, apresentando as lendas da riquíssima religião grega, que hoje chamamos de mitologia.

Os festivais de teatro substituíram o concurso de ditirambos. Os vencedores desses festivais anuais não ganhavam dinheiro, mas havia um imenso prestígio na cidade. Eram reconhecidos como cidadãos importantes, que contribuíam para a coletividade. Ali, o teatro servia para a educação do cidadão. A ação no palco era – e ainda é –um laboratório da vida humana. Em meio ao entretenimento, o espectador observa como sua vida é ou poderia ou deveria ser. E sai do teatro refletindo sobre isso, mesmo que vá comer uma pizza depois.

O teatro grego durou enquanto durou a democracia grega. Em Roma, o teatro foi aceito apenas como diversão, sem contestação alguma. O cristianismo acabou de vez com ele. A atividade cênica foi proibida pela Igreja Cristã no século V. Mas, voltou no século X – ah, como é doce a vingança – porque a Igreja descobriu que era muito útil para formar o cidadão do mundo cristão. O mesmo que os gregos tinham percebido, 1.500 anos antes.

Artigos Relacionados

O Calendário Gregoriano e os 10 dias que não existiram

O Calendário Gregoriano e os 10 dias que não existiram

Até o século XVI, nós vivíamos sob as regras do Calendário Juliano, instituído pelo imperador Júlio César. Só que esse calendário tinha uma série de erros. Ele foi substituído pelo Calendário Gregoriano, mandado fazer pelo Papa Gregório XIII e que começou a ser...

Histórias de micronações que se declaram independentes

Histórias de micronações que se declaram independentes

"A Incrível História da Ilha das Rosas", lançado em dezembro de 2020 na plataforma de streaming Netflix, conta a saga da pequena plataforma marítima no Mar Adriático, na costa de Rimini, na Itália, que se declarou independente em 1º de maio de 1968. A ideia foi do...

Curiosidades sobre gueixas

Curiosidades sobre gueixas

No início do século XX, havia 80 mil gueixas no Japão. Hoje são apenas duas mil. A influência do Ocidente é o principal motivo do desinteresse das japonesas pela profissão.  As gueixas são mulheres japonesas que estudam a arte da sedução, da dança, do canto e do...

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This