Não me arrisquei a dirigir em Johanesburgo. Os carros aqui andam pelo lado esquerdo da rua – e os motoristas ficam do lado direito do carro (na foto, o nosso motorista Pierre Lombard). É um perigo até atravessar a rua. A gente acaba sempre olhando para o lado errado. Por aqui, as regras funcionam como na Inglaterra e em outros 70 países de colonização inglesa, casos de Austrália, Nova Zelândia e Índia. De onde veio esse costume?

A origem da direção à direita é medieval. A maioria dos cavaleiros eram destros, e empunhavam a espada com a mão direita. Por isso, na Inglaterra, viajar do lado esquerdo das estradas era uma forma de se manter preparado para eventuais ataques. Na França do século XVIII, o imperador Napoleão resolveu mudar esse costume. O motivo? Ele era canhoto. O exército francês, então, passou a viajar à direita nas estradas, para que Napoleão pudesse empunhar sua espada com a mão esquerda. Os condutores das carruagens francesas ficavam do lado esquerdo.

É por isso que os países colonizados pelos ingleses adotaram a direção pela esquerda com o volante à direita, e os que foram colônia da França fazem o contrário. Há histórias curiosas no Canadá e na Áustria. No Brasil, o condutor ficou do lado esquerdo porque os portugueses foram dominados por Napoleão por um bom período.

Os Estados Unidos, colonizados pelos ingleses, são uma exceção. No século 18, os condutores de carroças, puxadas por pares de cavalos, sentavam-se no último cavalo à esquerda, para poder chicotear os animais com a mão direita.  Mas e os japoneses que também dirigem como na Inglaterra? Um ministro viajou ao país no século XIX para convencê-los a adotar o sistema inglês. A conversa deu resultado.