10 curiosidades sobre o Egito antigo

24 de abril de 2019
  1. Os antigos egípcios adestravam macacos babuínos para servir comida à mesa, limpar o jardim e ajudá-los a produzir vinho. Hoje, a espécie nativa do Egito corre risco de extinção.
  2. Esfinges são monstros com cabeça humana e corpo de leão. A mais conhecida é a esfinge de Gizé, nas proximidades de Mênfis, no Egito, a pouco mais de cem metros das pirâmides e junto à foz do rio Nilo. Ela é mais antiga que as pirâmides e teria sido construída por Quéfren. Mede 39 metros de comprimento e 17 metros de altura. A palavra “esfinge”, em grego, significa “monstro que estrangula quem não adivinhar os seus enigmas”.
  3. A palavra “múmia” vem do árabe “numija”, que quer dizer “cadáver embalsamado”.
  4. Os antigos egípcios acreditavam em uma vida após a morte, na qual seria necessário possuir um corpo. Por isso desenvolveram técnicas para a preservação do cadáver. Apenas os mais ricos, como os faraós, grandes sacerdotes e nobres, tinham os corpos conservados.
  5. Todo o processo de mumificação levava até 70 dias. O primeiro passo era utilizar um arame retorcido para puxar o cérebro pelas narinas e jogá-lo fora, processo chamado de lobotomia. Depois, fazia-se um pequeno corte na lateral do corpo por onde saíam os demais órgãos (estômago, fígado, pulmões, intestino…), que eram guardados em quatro jarras. Antes de fechar o corte, eram colocadas diversas especiarias dentro do corpo, como mirra e canela, e ele era mergulhado em um tipo de sal chamado natrão. Os 40 dias que o cadáver passava imerso em sal ajudavam na desidratação do que “sobrou”. Para finalizar o processo, a quase-múmia era enfaixada com linho embebido em resina e coberta com mais sal e especiarias.
  6. O coração era um dos únicos órgãos não retirados do corpo. O motivo? Acreditava-se que Osíris, o deus da morte, pegava-o para saber qual seria o destino daquele corpo. Se o coração estivesse pesado por causa de atitudes ruins, a próxima vida de seu dono seria na escuridão; se estivesse leve, ele teria uma vida boa e próspera. Acreditava-se também que esse deus deixava um amuleto de escaravelho no lugar do coração.
  7. O estudo científico das múmias começou com o inglês Augustus Granville, que, em 1825, fez a autópsia de uma múmia encontrada na cidade de Tebas, Egito, que datava do ano 600 a.C. Apelidada de Irtyersenu (“senhora da casa”), a múmia era de uma mulher de aproximadamente 50 anos e, ao contrário da maioria das múmias, estava com diversos órgãos intactos. Durante a autópsia, o Granville determinou que a morte havia acontecido de câncer, por causa de um tumor no ovário. Porém, em 2009, pesquisadores do Museu Britânico descobriram que a causa da morte de Irtysenu foi a tuberculose, e não o câncer. De acordo com a pesquisa, o tumor no ovário da múmia era benigno e, portanto, não poderia ter sido o causador da morte.
  8. “A morte virá com asas ligeiras para aqueles que perturbarem o repouso do faraó.” Inscrições assim ficavam na entrada das tumbas dos faraós. Era uma advertência contra possíveis violadores.
  9. Mas a história da maldição do faraó ganhou força após a descoberta da múmia do faraó, em 1922, pelo inglês Howard Carter. Tutancâmon foi um faraó da XVIII dinastia egípicia (1555 a 1335 a.C.), falecido muito jovem.
  10. A suposta praga do faraó teve início com a morte prematura de lorde Carnavon, o financiador da expedição de Carter, picado por um mosquito. Mais 20 pessoas ligadas à descoberta da múmia teriam morrido de forma misteriosa.

Artigos Relacionados

Curiosidades sobre gueixas

Curiosidades sobre gueixas

No início do século XX, havia 80 mil gueixas no Japão. Hoje são apenas duas mil. A influência do Ocidente é o principal motivo do desinteresse das japonesas pela profissão.  As gueixas são mulheres japonesas que estudam a arte da sedução, da dança, do canto e do...

O que são preceptoras?

O que são preceptoras?

Nas famílias abastadas da Europa, as crianças eram educadas e cuidadas por aias, profissionais que se ocupavam dos afazeres do lar e dos filhos dos patrões. Já nas famílias aristocráticas, as babás incumbidas de ministrar lições às moças eram as preceptoras. Ensinavam...

Como surgiu o movimento feminista

Como surgiu o movimento feminista

Feminismo é a luta das mulheres por direitos iguais aos dos homens. Veja como ele surgiu: Século XIX: as mulheres não podiam frequentar escolas. As moças de fino trato tinham de dedicar-se a prendas domésticas e as operárias trabalhavam até 18 horas, recebendo 1/10 do...

1 Comentários

1 Comentário

  1. Rafael

    ob rigado me ajudou muito pqara fazer a tarefa 🙂

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *