Novo Livro O Guia dos Curiosos - Edição Fora de Série

Wordnik: quem é a criadora do dicionário com 1 milhão de palavras

25 de setembro de 2015

Cerca de 52% das palavras da língua inglesa não aparecem nos dicionários tradicionais. Isso significa que aproximadamente 1 milhão de palavras vive, digamos, quase que na clandestinidade. O levantamento foi feito em 2001 pelo jornal Science. Ao ler o artigo, a lexicógrafa americana Erin McKean, 43 anos, decidiu reunir todas as palavras que ficaram de fora. Para isso, criou em 2009 o projeto Wordnik.com – o maior dicionário de inglês do mundo de todos os tempos em número de palavras. Um dos mais famosos, o Oxford English Dictionary, tem quase 172 mil palavras. O novo dicionário de Erin quer apresentar todos os significados que uma palavra possui. As definições lexicais virão de diferentes fontes – outros dicionários, revistas, jornais, letras de músicas, internet e redes sociais. Além disso, qualquer pessoa pode “doar” um novo termo criado por ela própria.
Erin McKean é formada em Linguística pela Universidade de Chicago e trabalha como lexicógrafa desde 1992. Mas a moça decidiu sua profissão bem antes, quando tinha 8 anos, depois de ler um artigo que explicava a enorme quantidade de palavras que surgem quase diariamente. Antes de fundar o Wordnik, ela trabalhou como editora-chefe da American Dictionaries for Oxford University Press. Além disso, Erin é autora de seis livros: Weird and Wonderful Words (2002), More Weird and Wonderful Words (2003), Totally Weird and Wonderful Words (2006), That’s Amore (2007), The Secret Lives of Dresses (2011), Aftercrimes, Geoslavery, and Thermogeddon: Plus 157 More Words From a Lexicographer’s Notebook (2011). Em entrevista por e-mail ao Blog do Curioso, Erin conta como o projeto Wordnik entrou na sua vida:

Erin McKean

Erin McKean, a fundadora do Wordnik.com, é formada em linguística pela Universidade de Chicago e trabalha como lexicógrafa desde 1992 (Foto: CC-BY George Hall)

Como surgiu a ideia do Wordnik?
Percebi que o livro de papel talvez não fosse a plataforma ideal para comportar um dicionário. Isso porque existem muitas palavras no mundo e elas não deveriam estar restritas a um determinado número de páginas. Nós fomos condicionados a acreditar que as palavras que não estão nos dicionários são, de alguma maneira, “menos palavras”. Mas acontece que a língua é muito mais ampla do que aquilo que conhecemos. Aprender isso me tornou ainda mais determinada a querer incluir todas as palavras possíveis do inglês no Wordnik. Desde o início, aprendi tantas palavras incríveis que nem posso calcular! [Algumas das minhas preferidas estão neste link.] A ideia do Wordnik surgiu logo depois uma palestra que fiz para o TEDx. Por causa da palestra, conheci Roger McNamee , músico e empresário americano, que foi um grande incentivador do projeto e até hoje é o maior defensor da causa.
 Como ele funciona?
A internet é infinita. O Wordnik pode – e deve – incluir todas as palavras em inglês que já foram usadas. Nós queremos encontrar as palavras que estão escondidas e lhes dar uma “casa” na rede. Se alguém quiser saber mais sobre uma palavra – qualquer uma! –, queremos fornecer todas as informações sobre ela. Se houve a curiosidade, quem deve decidir se aquele é um termo que “vale a pena saber sobre”? Apenas você! Por isso, aceitamos que novas palavras sejam enviadas para nós.
Qualquer pessoa pode criar novas palavras?
Claro! Você deve criar palavras porque é uma chance de expressar suas ideias e transmitir um significado melhor do que você está falando. Palavras novas atraem a atenção das pessoas!  Qualquer um pode inventar palavras agora mesmo. Faça novas palavras e eu irei colocá-las no meu dicionário online. Não pagamos por isso. Há apenas o prazer de contribuir com a língua.
Como você acha que os lexicógrafos mais conservadores encaram o Wordnik?
Acredito que até os mais conservadores entenderam qual a intenção do projeto. O Wordnik está tentando encontrar e juntar o máximo de palavras que conseguir, e não tentando julgar o que é ou não aceitável como uma palavra propriamente dita. Tudo que pode ser dito pode ser uma expressão totalmente nova e válida. Muita gente nos Estados Unidos e em outras partes do mundo que também falam inglês despreza certas palavras ou termos por os considerarem de “baixo calão” ou “falsas”.
Qual é o maior desafio que você enfrenta hoje?
Estamos tentando nos tornar uma organização sem fins lucrativos. O que significa que estamos também procurando por doações, para que possamos avançar no nosso projeto de encontrar mais 1 milhão de palavras. Todos podem doar.

wordnik

Para Erin, “o Wordnik pode – e deve – incluir todas as palavras em inglês que já foram usadas”. A intenção da idealizadora é hospedar mais de 1.000.000 de palavras novas no site

No Brasil, existe a palavra “saudade”, sem tradução literal para o inglês. Ela se assemelha à expressão “I miss you”. O que você acha de criar uma palavra para representar o nosso “saudade”?
Não sei conseguiremos trazer o real significado de uma palavra de outra língua para o inglês. Mas acredito que, se não tentarmos, não conseguiremos. É possível.
Qual é o seu maior objetivo com o projeto?
Desejo que as pessoas parem de se fazer a pergunta “essa é uma boa palavra?”, e comecem a dizer “o que – sentimento, objeto, coisa, humor, cor – essa palavra define melhor?”. Quando isso acontecer, terei alcançado meu objetivo.
No Brasil, há um projeto muito parecido chamado Dicionário Criativo. O site de Felipe Iszlaji, doutor em Linguística, integra dicionários e ferramentas criativas. Ao procurar por uma palavra, o resultado não termina no significado do dicionário tradicional. Traz também sinônimos e antônimos; rimas; provérbios que a detenham; expressões e até imagens – tudo num mesmo lugar. Só não vale inventar novas palavras.
Para a lexicógrafa Thereza Christina Pozzoli, graduada em Linguística pela USP, todos estão aptos a criar neologismos. “Inventar palavras é uma delícia, não são só os poetas que têm a licença de criar novas formas na linguagem.” Thereza só faz uma advertência: “Se cada pessoa inventar seu próprio nome para ‘água’ ou ‘sorvete’, ou sua própria definição para ‘agregar’ ou ‘incluir’, será preciso um dicionário bilíngue para cada duas pessoas que quiserem se comunicar”.

Esta página contém links de afiliados. Ao fazer uma compra por um desses links, o Guia dos Curiosos recebe uma comissão e você não paga nada a mais por isso.

Artigos Relacionados

Duna: o best-seller da ficção científica

Duna: o best-seller da ficção científica

O romance "Duna", do americano Frank Herbert (1920-1986), lançado em agosto de 1965, começou a ser publicado em três edições da revista "Analog", em 1963 e 1964.  A obra já foi adaptada por David Lynch para o cinema em 1984 e depois para uma minissérie de TV em 2000...

Por que Ultraman está no Livro dos Recordes?

Por que Ultraman está no Livro dos Recordes?

Ultraman é um ícone da cultura pop japonesa. Foi o primeiro herói de tokusatsu (filme de efeitos especiais) a ganhar notoriedade no Japão e no mundo afora. O primeiro lançamento da série Ultra foi “Ultra Q“, de 1966, que teve 28 episódios. Foi inspirada em “Além da...

2 Comentários

2 Comentários

  1. Marcio

    Como assim? O que é opinião? Pode ser “opinoeu”?

    Responder
  2. Marcio

    Como assim? O que é opinião? Pode ser “opinoeu”?

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This