Novo Livro O Guia dos Curiosos - Edição Fora de Série

Hachimaki: com o Corinthians na cabeça

10 de dezembro de 2012

Já estou em Nagóia. Daqui a pouco, parto em direção a Toyota para acompanhar a estreia do Corinthians  no Mundial de Clubes da Fifa. As ruas de Nagóia estão cheias de corintianos. Reparei que, além de camisas e bandeiras, a Fiel adotou um outro adereço:  uma espécie de bandana branca com um círculo que abriga a bandeira do Corinthians.

Chamado pelos japoneses de hachimaki, o acessório é uma tradição nacional. Lá, em vez da bandeira corintiana, é claro que é a japonesa que estampa a faixa. Aqui no Brasil, costumam aparecer na testa de sushimen, que os usam para prevenir queda de suor e cabelo na comida. Mundialmente, ficou famoso na testa de Daniel-san, em Karatê Kid. O curioso disso tudo é que este pequeno item do vestuário japonês tem uma história bastante curiosa.

Daniel-san em Karatê Kid

O hachimaki começou a ser usado pelos japoneses na Antiguidade, como um amuleto para espantar maus espíritos. A faixa, no entanto, só se tornou icônica durante a Segunda Guerra Mundial. Isso porque os guerreiros japoneses kamikazes resolveram adotá-la. O hachimaki dos kamikazes tinha, além da bandeira japonesa, justamente a palavra “kamikaze”. Era uma expressão recém-reinventada, e esse foi o jeito de apresentá-la ao povo japonês. Antes do confronto, a palavra “kamikaze” era usada para se referir aos ventos divinos que espantaram os invasores mongóis do Japão séculos antes.

Hachimaki original usado por kamikaze

Hoje, virou um símbolo expressivo de determinação, foco e seriedade. Vestir um hachimaki, portanto, não antecede ações violentas. Estudantes prestes a fazer uma prova importante usam a bandana na hora de estudar. Outro exemplo: se os japoneses organizarem uma passeata em favor de uma causa política, certamente os participantes usarão hachimakis. Praticantes de atividades que requeiram o uso da força física também usam o acessório simbólico. Mais um exemplo: o hachimaki costuma aparecer na testa dos que carregam o mikoshi (templo divino do xintoísmo) durante as procissões religiosas.

Devotos carregando o mikoshi

Para os corintianos que ficaram no Brasil e querem entrar no clima, há lojas no bairro paulistano da Liberdade que comercializam o hachimaki corintiano. A Ellegance, que fica na Rua Galvão Bueno, número 294, vende a unidade da faixa a R$ 5,00.
(Esta viagem ao Japão foi feita a convite da Toyota)

Esta página contém links de afiliados. Ao fazer uma compra por um desses links, o Guia dos Curiosos recebe uma comissão e você não paga nada a mais por isso.

Artigos Relacionados

A Rádio ONCB e as Paraolimpíadas de Tóquio 2020

A Rádio ONCB e as Paraolimpíadas de Tóquio 2020

Os Jogos Paraolímpicos de Tóquio começam na próxima terça-feira, dia 24. Marcus Aurélio Carvalho, diretor e apresentador da Rádio ONCB, emissora web da Organização Nacional de Cegos do Brasil, explica como será a cobertura diferenciada do evento. Marcus fala também de...

O autor de 150 hinos de times de futebol

O autor de 150 hinos de times de futebol

O compositor paulista Carlos Santorelli tem mais de 2 mil músicas gravadas. Em 1997, ele lançou um CD com hinos para os principais times do Rio Grande do Norte compostos por ele. Depois, em 2011, veio outro, desta vez com times paraibanos. Mas foi a partir de 2017 que...

Pugilista perdeu a orelha e não consegue usar máscara?

Pugilista perdeu a orelha e não consegue usar máscara?

Em novembro de 1996, o pugilista Evander Holyfield, pentacampeão mundial dos pesos-pesados, desafiou Mike Tyson pelo título da Associação Mundial de Boxe. Holyfield venceu de forma surpreendente ao realizar a proeza de nocautear Tyson no 11º round. Em junho do ano...

2 Comentários

2 Comentários

  1. Mario Hideki Nako

    Dizem que os pilotos kamikazes eram suicidas, mas olhando para os seus nobres valores, percebe-se que eles auto-se-sacrificavam pelo seu país.

    Responder
  2. Mario Hideki Nako

    Dizem que os pilotos kamikazes eram suicidas, mas olhando para os seus nobres valores, percebe-se que eles auto-se-sacrificavam pelo seu país.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This