Novo Livro O Guia dos Curiosos - Edição Fora de Série

No dia da abertura da Copa de 1950, o assunto principal era o Plano Schuman

11 de junho de 2014

Era 24 de junho de 1950, dia da abertura da quarta edição da Copa do Mundo. Brasil e México se enfrentariam, às 15h, no Maracanã, o maior estádio do mundo. Mas, nas capa dos jornais, o assunto principal era outro: o Plano Schuman. Se fosse hoje em dia, o desavisado leitor poderia imaginar que o tal plano era uma revolucionária formação tática criada por um treinador alemão. Nada disso. Naquela altura, apesar de a Copa do Mundo estar sendo jogada no país, o futebol ficava em segundo plano. O mundo ainda sentia os reflexos do fim da Segunda Guerra e da nova geopolítica da Guerra Fria.

Robert Schuman não entrou em campo, mas foi o destaque dos jornais no dia da abertura da Copa

Robert Schuman não era o 10, mas foi o destaque na abertura da Copa

A Copa no Brasil  marcou a volta da competição – cancelada em 1942 e 1946 justamente por causa do conflito, que terminou em 1945.  A Alemanha havia sido dividida em duas: a Ocidental, capitalista, e a Oriental, comunista. Com a necessidade de o Ocidente assegurar o carvão e os minérios alemães, o negociador luxemburguense Robert Schuman (1886-1963), representante do governo francês, elaborou o projeto para criação de um mercado comum europeu, que ficou conhecido como CECA (Comunidade Europeia do Carvão e Aço), o embrião da atual União Europeia.

O Jornal do Brasil ressaltou o Plano Schuman em vez do próprio país

O Jornal do Brasil ressaltou o Plano Schuman em vez do jogo no Maracanã

A Folha da Manhã, que saiu horas antes do jogo, esqueceu do Brasil

A Folha da Manhã, que saiu horas antes do jogo, esqueceu do Brasil

O Plano Schuman apenas foi concretizado em 1951, mas a apresentação inicial do projeto aconteceu em 9 de maio de 1950. Depois, entre 1958 e 1960, Schuman exerceu o cargo de 1º presidente do Parlamento Europeu e recebeu o título de “Pai da Europa”. Dos grandes jornais, apenas O Globo deu destaque à abertura da competição.

Apenas a família Marinho afirmou: "#vaitercopa"

Apenas o jornal O Globo cravou: “#vaitercopa”

No domingo, depois de uma vitória acachapante da Seleção Brasileira por 4 x 0, Robert Schuman perdeu a capa para a grande atuação de Ademir de Menezes, autor de dois gols. Posteriormente, somada a empolgação da torcida brasileira, a Seleção passou a estrelar as principais manchetes dos grandes periódicos nacionais, até mesmo no dia 26 de julho, o fatídico jornal que destacou as falhas brasileiras que “tornaram mais patente uma tarde infeliz dos jogadores patrícios”, o retrato de um Maracanazzo que não estava nos planos.

Esta página contém links de afiliados. Ao fazer uma compra por um desses links, o Guia dos Curiosos recebe uma comissão e você não paga nada a mais por isso.

Artigos Relacionados

A volta dos Botões Brianezi

A volta dos Botões Brianezi

Desde o final de 2020,  o empresário Alexandre Badolato passou a ser chamado de "Alexandre da Brianezi". Depois de 20 anos fora do mercado, a Botões Brianezi voltou a existir por causa de um acordo feito entre ele e Lúcio Brianezi, herdeiro da marca. Paulo Brianezi,...

A Rádio ONCB e as Paraolimpíadas de Tóquio 2020

A Rádio ONCB e as Paraolimpíadas de Tóquio 2020

Os Jogos Paraolímpicos de Tóquio começam na próxima terça-feira, dia 24. Marcus Aurélio Carvalho, diretor e apresentador da Rádio ONCB, emissora web da Organização Nacional de Cegos do Brasil, explica como será a cobertura diferenciada do evento. Marcus fala também de...

O autor de 150 hinos de times de futebol

O autor de 150 hinos de times de futebol

O compositor paulista Carlos Santorelli tem mais de 2 mil músicas gravadas. Em 1997, ele lançou um CD com hinos para os principais times do Rio Grande do Norte compostos por ele. Depois, em 2011, veio outro, desta vez com times paraibanos. Mas foi a partir de 2017 que...

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This