Novo Livro O Guia dos Curiosos - Edição Fora de Série

E ninguém mais fala da Máfia dos Ingressos da Copa do Mundo…

15 de outubro de 2014

“Suspeito de participar da máfia de ingressos da Copa, Fofana é solto no Rio”. A última notícia sobre o grupo de cambistas que agiu livremente na Copa do Mundo de 2014 foi divulgada há exatos dois meses, em 15 de agosto. O cambista franco-argelino Lamine Fofana amargou 45 dias preso no Complexo Penitenciário de Gericinó, em Bangu, depois de ser flagrado revendendo entradas da Copa do Mundo por até 35 mil reais cada – de acordo com as investigações iniciais, a máfia teria lucrado em torno de 200 milhões de reais durante o torneio. O habeas corpus concedido pelo ministro do Supremo Tribunal Federal, Marco Aurélio Mello, ao principal articulador do grupo marcou a última novidade da “Operação Jules Rimet”. O ponto de partida das investigações foi o livro Um Jogo Cada Vez Mais Sujo, do jornalista britânico Andrew Jennings. O desbaratamento da quadrilha foi saudada por jornalistas do mundo inteiro. Mas, apagados os holofotes, o caso caminha a passos largos para o esquecimento. Para Marcos Kac, promotor do caso, está havendo uma “chicana jurídica”, termo usado por juristas para expressar um atraso de má-fé em processos. “O juiz necessita impor um limite, os acusados estão usando de vários subterfúgios para postergar o julgamento”, afirma Kac.

Fofana, ao lado de seu advogado, foi solto; deve aguardar julgamento no Brasil

Lamine Fofana, ao lado de seu advogado, foi solto por habeas corpus de ministro do STF (Foto: Tiago Ramos/Agência O Dia)

Cerca de 22 mil horas de escutas telefônicas ouvidas por membros da Polícia Civil do Rio de Janeiro revelaram a amizade de Fofana com celebridades do mundo futebolístico, como o técnico Dunga e a filha do ex-auxiliar Carlos Alberto Parreira. De acordo o procurador Marcos Kac, não há mais revelações a serem feitas. Todas as ligações foram ouvidas e o prazo legal para grampear os telefones chegou ao fim. “Estamos concluindo a parte da inteligência e da análise de dados”, explica Kac. “Juntamos todos os laudos técnicos dos computadores e das escutas, agora os policiais que participaram do caso deverão depor”. Fábio Barucke, delegado que conduziu a investigação, muito solícito na época das prisões, não atendeu mais as ligações  da reportagem do Blog do Curioso. Em uma de suas últimas declarações sobre o caso, ele disse que desconfiava da colaboração da Corte Arbitral do Esporte, instância máxima desportiva europeia, localizado na Suíça. “Até a Corte, que tem o dever de ser íntegra, está envolvida no esquema”, declarou Barucke. “Alguém de lá enviava ingressos ao cambista Fofana”. A investigação não fisgou nenhum peixe graúdo, mas não ficou só no bagrinho Fofana. Ray Whelan, executivo da Match Services, empresa responsável pela comercialização das entradas, também trocou uma luxuosa suíte no Copacabana Palace por uma cela em Bangu. Também está solto, mas o procurador Kac não sabe informar o seu endereço no momento. Fofana está instalado num flat na Barra da Tijuca. Os dois estão com seus passaportes apreendidos e não podem deixar o país.

Da Corte Arbitral do Esporte, saíram ingressos para as mãos de Fofana

Da Corte Arbitral do Esporte, saíram ingressos para as mãos de Fofana (Foto: Fanny Schertzer/Wikipedia)

Uma reportagem de O Estado de S. Paulo, em 23 de julho, aventou a possibilidade de Lamine Fofana fazer revelações à Justiça brasileira – uma espécie de “delação premiada”. Por enquanto, tudo parece ter sido apenas um “aviso” para os chefões da quadrilha. O articulador do caso não será ouvido até o processo ser finalizado, como manda a lei.  Kac diz que a defesa de Fofana está pressionando a Justiça para sair do país. “Ele diz ter compromissos em outros lugares e que não pode ficar mais aqui, o que atrasa o processo”, afirma Kac. “Pelo que sei, ele não se encontrou mais com o Whelan.” O promotor torce pela ajuda de entidades internacionais na manutenção de Fofana no Brasil, já que se ausentaram quando os investigadores brasileiros precisaram. Marcos Kac é um dos poucos que tem se esforçado para não deixar o caso cair no esquecimento. “Sofremos uma série de restrições”, esbraveja. “As organizações internacionais não cooperaram para chegarmos aos líderes da máfia, não forneceram informações”. O promotor acredita – e aí ele não está só – que o esquema dos ingressos era orquestrado por alguém de dentro da FIFA, evidência constatada pela total falta de colaboração da entidade. “A FIFA enrolou quando pedimos a listagem de telefones”, conta. “Quando viram que partiríamos para cima, decidiram fornecer os números. Liguei para o chefe de gabinete de segurança do Rio de Janeiro e disse que invadiríamos os quartéis-generais da FIFA, os hotéis cariocas Sofitel e Copacabana Palace, para pegarmos a documentação necessária”. Marcos Kac não sabe quando novas informações do caso serão divulgadas, mas guarda o rancor pela soltura dos dois cambistas e por não ter finalmente descoberto o chefão da Máfia dos Ingressos (bem, o livro de Andrew Jennings pode ajudá-lo nesse ponto). “Poderíamos ter defenestrado a podridão que existe lá desde João Havelange [presidente da FIFA de 1974 até 1998]”, afirma.”É uma máquina de fazer dinheiro que não temos nem noção”.
(com reportagem de Lucas Strabko)

Esta página contém links de afiliados. Ao fazer uma compra por um desses links, o Guia dos Curiosos recebe uma comissão e você não paga nada a mais por isso.

Artigos Relacionados

A volta dos Botões Brianezi

A volta dos Botões Brianezi

Desde o final de 2020,  o empresário Alexandre Badolato passou a ser chamado de "Alexandre da Brianezi". Depois de 20 anos fora do mercado, a Botões Brianezi voltou a existir por causa de um acordo feito entre ele e Lúcio Brianezi, herdeiro da marca. Paulo Brianezi,...

A Rádio ONCB e as Paraolimpíadas de Tóquio 2020

A Rádio ONCB e as Paraolimpíadas de Tóquio 2020

Os Jogos Paraolímpicos de Tóquio começam na próxima terça-feira, dia 24. Marcus Aurélio Carvalho, diretor e apresentador da Rádio ONCB, emissora web da Organização Nacional de Cegos do Brasil, explica como será a cobertura diferenciada do evento. Marcus fala também de...

O autor de 150 hinos de times de futebol

O autor de 150 hinos de times de futebol

O compositor paulista Carlos Santorelli tem mais de 2 mil músicas gravadas. Em 1997, ele lançou um CD com hinos para os principais times do Rio Grande do Norte compostos por ele. Depois, em 2011, veio outro, desta vez com times paraibanos. Mas foi a partir de 2017 que...

5 Comentários

5 Comentários

  1. Deise Sol

    Um assunto menor. Não houve dano aos cofres públicos porque o resultado da venda oficial dos ingressos ia para a FIFA e a FIFA estava isenta de impostos. Encaro mais como uma busca por holofotes. Uma investigação em cima do governo sobre os desvios bilionários na construção das arenas seria muito mais produtiva.

    Responder
  2. Maurício Franchim

    Eu penso que é importante a elucidação e, se culpados, a condenação destes criminosos que, através da sua influência em altos relacionamentos, obtém vantagens indevidas. Mas, não é mais importante que as atuais eleições nacionais e o escândalo na Petrobrás. É por isso que precisamos de Instituições fortes, que desenvolvam seu trabalho com independência e prestem contas do seu trabalho ao cidadão comum. Este, por sua vez, mais preocupado em garantir o sustento da sua família. Isso porque ainda não investigaram os Correios, outra Instituição monopolista, recheada de cargos políticos que servem aos interesses petralhas. Parabéns ao jornalista que não deixou o assunto cair no esquecimento, desempenhando a contento o seu ofício.

    Responder
  3. elias

    Um roubinho de ingressos? Tais brincando. Somos brindados diariammente, há doze anos pelo menos com roubões pela quadrilha do planalto e seus apoiadores e praticamente nada acontece! Essa fifa é uma amadora!

    Responder
  4. JURANDIR DIAS

    CORRUPCAO NAO E PRIVILEGIO DO BRASIL….
    SERA QUE ISTO CONSOLA….

    Responder
  5. Bob Garden

    Roubo é roubo, não importa quem o faça, onde o faça e quem seja o prejudicado. Corrupção é corrupção, não importa quem a faça, onde a faça e quem sejam os prejudicados. É por achar que um crime como esse merece menos atenção que outros é que o Brasil está como está. Só interessa investigar o que uns fazem. Ou outros, bem, os outros deixa pra lá…

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This