Na Turma da Mônica, cada um dos personagens principais tem um time de coração. A Mônica, por influência do pai, o quadrinista Mauricio de Sousa, é são-paulina; Magali, que adora comer peixe, torce pelo Santos; Cebolinha, acostumado a usar camisa verde, virou palmeirense. Cascão é o representante do Corinthians. Tanto que, vestido de astronauta, foi escolhido para homenagear o time campeão do mundo em 2012.

Maurício de Sousa faz homenagem ao título mundial do Corinthians ...

A grande curiosidade é que Cascão já foi torcedor do Santos. Numa tira dos anos 60, ele diz ao amigo Cebolinha que está pensando em trocar de time porque o Santos tinha acabado de levar uma lavada. Segundo o jornalista e pesquisador Sidney Gusman, responsável pela área de planejamento editorial da Mauricio de Sousa Produções e descobridor dessa raridade, isso aconteceu numa época em que Mauricio ainda não havia decidido que cada personagem torceria por um time. O importante, nesse caso, foi a piada com a aversão de Cascão a banhos de modo geral.

 

Cascão, aliás, não foi a único a aparecer torcendo por um clube diferente do atual. Em uma história antiga, Cebolinha já foi desenhado carregando uma bandeira do São Paulo.

Com o time de coração definido, Cascão quase virou jogador do Corinthians numa HQ publicada em 1984. Ele participa de uma peneira no Parque São Jorge. Com belos dribles e gols, Cascão é aprovado. No entanto, ao ouvir o treinador dizer “todo mundo pro chuveiro”, desiste de jogar na equipe de que tanto gostava. A seguir, um trecho da história em questão:

 

Alguns anos depois, em 1990, outra história mostra Cascão desolado com uma derrota do Corinthians para o Palmeiras em uma final de campeonato:

Mas o auge do fanatismo de Cascão pelo Corinthians aconteceu mesmo na década de 1970, justamente durante o jejum alvinegro de 23 anos sem títulos. Na ocasião, o personagem prometeu tomar banho pela primeira vez na vida caso a equipe conquistasse o título. A tirinha foi publicada na “Folha de S.Paulo”. Na época, Mauricio de Sousa recebeu propostas de empresas interessadas em patrocinar o banho de Cascão (um ator caracterizado) no gramado do Morumbi depois da partida contra a Ponta Preta, válida pela decisão do Campeonato Paulista de 1977.

CASCÃO

Mauricio estava na noite de 13 de outubro no Morumbi e acabou invadindo o gramado junto com o irmão, corintiano. O pagamento da promessa de Cascão não se concretizou, mas, durante os meses seguintes, o assunto virou campanha dos leitores do jornal, que passaram a enviar cartas sugerindo o local do banho. Entre as sugestões, estavam o Parque São Jorge, o Rio Tietê e até mesmo a Lua. Abaixo, algumas tirinhas publicadas pela “Folha” em outubro daquele ano:

O clamor popular de nada adiantou na época, já que Cascão só apareceria de banho tomado muito tempo depois,  no lançamento de “A Turma da Mônica Jovem”, em 2008.