Novo Livro O Guia dos Curiosos - Edição Fora de Série

Chico Rei

24 de abril de 2019

 

Galanga, monarca guerreiro e sumo-sacerdote do deus pagão Zambi-Apungo, foi capturado no Congo por mercadores portugueses. Durante a viagem, sua mulher, a rainha Djalô, e sua filha, a princesa Itulo, foram jogadas no mar pelos marujos para aplacar a fúria dos deuses da tempestade, que quase afundou o navio negreiro Madalena. Vendido como escravo, ao lado do filho Muzinga, Galanga desembarcou no Rio de Janeiro. Foi levado para Ouro Preto em 1740 e recebeu o nome de Chico Rei (1709-1781).

Depois de servir cinco anos como escravo do major Augusto de Andrade, ele comprou a sua carta de alforria. Libertou o filho e ainda comprou a mina Encardideira, supostamente esgotada. Acontece que Chico Rei encontrou ouro nela. Com o dinheiro, comprou a liberdade de 400 escravos que eram integrantes de sua corte na África e se transformou num homem rico e respeitado. Mandou construir a igreja de Santa Ifigênia para ser frequentada pelos africanos.

A mina foi redescoberta em 1947 nos fundos de uma casa da periferia de Ouro Preto e hoje está aberta a visitação.

“Ouro dos tolos”
É o nome popular que se dá à pirita, um mineral de cor amarela que os leigos pensam se tratar de ouro.

 

Esta página contém links de afiliados. Ao fazer uma compra por um desses links, o Guia dos Curiosos recebe uma comissão e você não paga nada a mais por isso.

Artigos Relacionados

Anastácia

Anastácia

  Ninguém sabe se de fato ela existiu ou se foi apenas um mito. Mas o fato é que a imagem da escrava Anastácia é cultuada por uma legião de fiéis. No século XIX, o explorador francês Étienne Victor Arago desenhou uma ex-princesa de origem bantu com uma espécie de...

A padroeira dos escravos

A padroeira dos escravos

  A Festa de Nossa Senhora do Rosário, a padroeira dos escravos do Brasil colonial, foi realizada pela primeira vez em Olinda (PE), no ano de 1645. A santa já era cultuada na África, levada pelos portugueses como forma de cristianizar os negros. Eles eram...

A vida dos escravos

A vida dos escravos

  Quando chegava ao Brasil, o africano era chamado de "peça" e vendido em leilões públicos, como uma boa mercadoria: lustravam seus dentes, raspavam os seus cabelos, aplicavam óleos para esconder doenças do corpo e fazer a pele brilhar, assim como eram engordados...

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This