Quando os desenhos foram para a guerra

6 de abril de 2021

Durante a Segunda Guerra Mundial, os desenhos animados foram uma poderosa ferramenta da propaganda de guerra. Não só para os americanos.

Em 1942, a Paramount Pictures lançou um desenho com o Marinheiro Popeye derrotando um navio de guerra japonês. No ano seguinte, Popeye e Brutus foram enviados para lutar contra os japoneses. Enquanto isso, os Estúdios Disney mostravam o Pato Donald enfrentando o ditador nazista Adolf Hitler com um tomate maduro. Disney, por sinal, foi contratado pelo governo para produzir 32 filmes de propaganda. O negócio salvou a empresa da falência. Também produziu cerca de 200 filmes de treinamento para os militares dos Estados Unidos e do Canadá.

Veja mais sobre Popeye e Brutus na Segunda Guerra

Quem também produziu filmes de instrução foi Dr. Seuss, pseudônimo do escritor americano Theodor Geisel. Entre vários trabalhos, ele escreveu a série “Private Snafu” (1943 a 1946), usada para orientar os jovens soldados. Em 1942, a Warner satirizou os líderes do Eixo sem fazer rodeios e abusando de estereótipos. Nessa época, os desenhos eram deliberadamente racistas. Assim, em 1944, o coelho Pernalonga insulta seus inimigos, chamando-os de “cara de macaco” e “olhos puxados”. Em 1943, Patolino enfrenta um oficial nazista com cara de abutre e, numa cena memorável, atinge Hitler com um martelo.

Prev 1 of 1 Next
Prev 1 of 1 Next

Como foi do outro lado da trincheira? Para promover o recrutamento entre os jovens, a Marinha Imperial Japonesa patrocinou dois filmes com o personagem folclórico Momotaro. Ele lidera um esquadrão de soldados animais heroicos contra os demônios britânicos malignos. Brutus aparece como um oficial bêbado da Marinha Americana. O filme de 1943 foi o primeiro longa-metragem de animação japonesa. O pôster do filme usa personagens americanos icônicos: Popeye, o presidente dos Estados Unidos Franklin D. Roosevelt, e Betty Boop.

Na Itália, em 1941, um filme usa o famoso enredo de Dr. Jekyll e Mr. Hyde (“O Médico e o Monstro”). Winston Churchill é um meio-monstro perverso, que bebe uma fórmula para se tornar o bom Dr. Churchill. Ele rouba muito ouro, sendo derrotado por aviões alemães e italianos, que também destroem Londres.

Artigos Relacionados

Preconceito e racismo nos quadrinhos da Segunda Guerra

Preconceito e racismo nos quadrinhos da Segunda Guerra

Durante a Segunda Guerra Mundial, além de filmes e desenhos animados, histórias em quadrinhos recheadas de preconceito e racismo fizeram parte da propaganda bélica. Em 1940, por exemplo, surgiram os "super-heróis com tema patriótico". O primeiro foi "The Shield” e, 14...

O lado sombrio das princesas

O lado sombrio das princesas

Em 2000, os Estúdios Disney lançaram a franquia Disney Princess (Princesas Disney) com o maior sucesso. O que poucas crianças sabem é que boa parte delas são baseadas em contos de fadas muito antigos - e um tanto sombrios. Mas, para garantir uma boa bilheteria, Walt...

Os grandes mentirosos da ficção

Os grandes mentirosos da ficção

Para quem acha que Pinóquio é o único mentiroso da ficção, "O Guia dos Curiosos" preparou uma lista com outros oito personagens que veriam seus narizes crescerem também. Fletcher Reede - "O Mentiroso" O filme de 1997 traz Jim Carrey no papel de um advogado mentiroso...

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This