Novo Livro O Guia dos Curiosos - Edição Fora de Série

Perigo! Perigo! Perigo! Curiosidades de “Perdidos no Espaço”

4 de junho de 2021

A série “Perdidos no Espaço” foi criado pelo americano Irwin Allen (1996-1991), o mesmo produtor e diretor de “O Túnel do Tempo”, “Viagem ao Fundo do Mar” e “Terra de Gigantes”. “Perdidos no Espaço” se passa no longínquo ano de 1997. Uma família é escolhida para uma viagem com duração prevista de 68 anos.

Prev 1 of 1 Next
Prev 1 of 1 Next

A ideia era procurar novas opções de colonização em outro planeta por causa do superpovoamento da Terra. A nave de embarque se chamava Júpiter II e foi nela que partiram os membros da família Robinson: John, o pai e professor de Astrofísica; Maureen, a mulher; e os filhos Judy, Penny e o menino-prodígio Will. O piloto da expedição era o major Don West. Na nave Júpiter II também estava o Robô B9. A tripulação ficaria congelada até chegar ao seu destino, mas a presença de um sabotador, o Dr. Zachary Smith, alterou os planos. Por um erro de cálculo, Dr. Smith acabou embarcando na Júpiter II. A nave não só não chegou a seu destino como também ficou… perdida no espaço.

No Brasil, a estreia da série aconteceu no dia 11 de dezembro de 1966, um domingo, no Canal 7 (Record), às 18h15, logo depois do programa “Jovem Guarda”.

Levou alguns meses até que ela começasse a ser comentada. É que, na primeira temporada, os episódios mostravam muito mais a família Robinson enfrentando seus problemas internos do que aventuras contra seres intergalácticos, explica o especialista Magalhães Júnior.

A primeira temporada foi toda filmada em preto e branco. Para nós, aqui no Brasil, isso não fazia diferença, pois não havia ainda televisores com imagens em cores. Os primeiros episódios se passavam muito mais dentro da nave. Todos os tripulantes usavam um traje prata metálico, com exceção do Dr. Smith, que era penetra.

Com o passar das semanas, os episódios mostravam a Júpiter II chegando a um planeta desconhecido. Ali se viu o surgimento de Mummy um macaco alienígena que se tornou amigo de Penny.

A partir do final da primeira temporada – e sobretudo da segunda e na terceira – a série deslanchou. Os episódios passaram a focar mais em dois personagens. O Robô começou a fazer coisas muito mais próximas a um humano e com uma grande dose de ironia. O Dr Smith era o vilão da série, um cara cheio de defeitos. Os dois tinham o garoto Will como uma espécie de mediador. Essa trinca fez com que a série fosse chamada e “Will-Robô-Smith” praticamente até o seu final.

 

Veja também um episódio da primeira temporada. A abertura tem a locução de Ibrahim Barchini.

Esta página contém links de afiliados. Ao fazer uma compra por um desses links, o Guia dos Curiosos recebe uma comissão e você não paga nada a mais por isso.

Artigos Relacionados

O garimpador de histórias da TV

O garimpador de histórias da TV

Apesar de ser uma ferramenta maravilhosa, a internet ainda é muito defasada com relação à história da TV brasileira e seus personagens. Pesquisar sobre nossa televisão é, antes de mais nada, um trabalho de garimpagem. As pesquisas que Magalhães Júnior faz há quase 20...

Uma viagem curiosa no “Túnel do Tempo”

Uma viagem curiosa no “Túnel do Tempo”

"O Túnel do Tempo" estreou no Brasil em 14 de setembro de 1967 pela TV Tupi de São Paulo, sendo exibida em horário nobre, às quintas-feiras. "O Túnel do Tempo" foi uma criação do americano Irwin Allen, que já havia produzido as séries "Viagem Ao Fundo do Mar" e...

Quem foram as pioneiras da literatura fantástica no Brasil

Quem foram as pioneiras da literatura fantástica no Brasil

Pouco se fala sobre as primeiras brasileiras que escreveram literatura fantástica (a ficção científica, a fantasia e o horror). Desde o final do século XIX, o país sempre tivemos narrativas utópicas, fantasias moralizantes e romances de ciência. Mas a discussão e o...

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This