Novo Livro O Guia dos Curiosos - Edição Fora de Série

Donald chegou ao Brasil com o nome de Pato Fernandinho

10 de junho de 2021

Pato Donald faz aniversário no dia 9 de junho. Oficialmente, ele fez sua estreia em 1934 no curta-metragem animado “A Galinha Esperta”, parte da série Sinfonias Tolas. Ao mesmo tempo, a revista “Good Housekeeping” publica uma versão impressa para promover os mais novos lançamentos da Disney. Logo depois, em setembro, estreou nos quadrinhos em uma adaptação dessa animação.

Prev 1 of 1 Next
Prev 1 of 1 Next

A primeira menção apareceu em um livro de histórias de 1931, chamado “As Aventuras do Mickey”, onde Donald é mencionado como um amigo do Mickey no velho celeiro e, também aparece na contracapa com calças e chapéu verde. No início ostentava um bico longo, pescoço estendido, olhos brancos, mãos semelhantes a penas e um andar gingado. Em “Dia de Mudança”, de 1936, Donald passou por uma transformação que o fez ficar mais redondo e fofo, com os olhos coloridos de azul como o conhecemos hoje.

Em janeiro de 1937, estrelou seu primeiro desenho solo, “Don Donald”, ao lado de sua amada Donna, que mais tarde seria chamada de Margarida. Seus sobrinhos Huguinho, Zezinho e Luisinho apareceriam um ano mais tarde no cinema em “Sobrinhos do Donald”.  Os trigêmeos são filhos de Della, abreviação de Dumbella, irmã mais nova de Donald, que os colocou sob os cuidados do tio e nunca mais os buscou. A identidade do pai continua sendo um dos maiores mistérios da história de Patópolis. Em uma das árvores genealógicas, o pai aparece como um sinal de interrogação.

Leia também: Quem são os pais do Huguinho, Zezinho e Luizinho, os sobrinhos do Pato Donald?

Walt Disney criou o Pato Donald depois de ouvir Clarence Nash fazendo uma voz de “pato” ao recitar a canção infantil “Maria tinha um carneirinho”. A voz que Nash criou para Donald consistia em falar palavras com o canto da boca e os dentes molares, lembrando o grasnado de um pato. Ele dublou Donald desde o início, em 1934, até morrer de leucemia, em 1985.

No Brasil, Donald foi publicado inicialmente no “Suplemento Juvenil”, em dezembro de 1936. Na edição #312, ele estreou nos quadrinhos nacionais como Pato Fernandinho. Trata-se da adaptação do primeiro desenho, chamado aqui de Sinfonia Singular. A edição seguinte trouxe sua primeira história solo, agora como Pato Donald.

Em 1950, “O Pato Donald” ganhou sua revista própria na primeira publicação da Editora Abril. O escritor Jeronymo Monteiro foi o primeiro editor e inventou vários dos nomes dos personagens, como, Huguinho, Zezinho, Luizinho, Tio Patinhas e Margarida, entre outros. Além disso, Jeronymo escrevia as colunas “Rádio Pataquada”, assinando como Pato Donald, que respondia às dúvidas dos leitores, e “Aventuras da Vida e do Mundo”, como Mickey, sobre as maravilhas das ciências, da tecnologia e da natureza.

Leia também: 10 curiosidades sobre o Pato Donald

Esta página contém links de afiliados. Ao fazer uma compra por um desses links, o Guia dos Curiosos recebe uma comissão e você não paga nada a mais por isso.

Artigos Relacionados

O garimpador de histórias da TV

O garimpador de histórias da TV

Apesar de ser uma ferramenta maravilhosa, a internet ainda é muito defasada com relação à história da TV brasileira e seus personagens. Pesquisar sobre nossa televisão é, antes de mais nada, um trabalho de garimpagem. As pesquisas que Magalhães Júnior faz há quase 20...

Uma viagem curiosa no “Túnel do Tempo”

Uma viagem curiosa no “Túnel do Tempo”

"O Túnel do Tempo" estreou no Brasil em 14 de setembro de 1967 pela TV Tupi de São Paulo, sendo exibida em horário nobre, às quintas-feiras. "O Túnel do Tempo" foi uma criação do americano Irwin Allen, que já havia produzido as séries "Viagem Ao Fundo do Mar" e...

Quem foram as pioneiras da literatura fantástica no Brasil

Quem foram as pioneiras da literatura fantástica no Brasil

Pouco se fala sobre as primeiras brasileiras que escreveram literatura fantástica (a ficção científica, a fantasia e o horror). Desde o final do século XIX, o país sempre tivemos narrativas utópicas, fantasias moralizantes e romances de ciência. Mas a discussão e o...

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This