O americano Dav Pilkey, autor das séries de livro juvenis “Capitão Cueca” e “Homem Cão”, com 100 milhões de exemplares vendidos no mundo inteiro, pediu desculpas pelo racismo passivo contra o povo asiático contido no livro “As Aventuras de Oook e Gluk: Mestres do Kung Fu Primitivos do Futuro”, que ele lançou em 2010.

Em 2020, os Estados Unidos registraram 3.800 incidentes de ódio e ataques a asiáticos e descendentes. Quem colocou gasolina nessa campanha foi o ex-presidente americano Donald Trump, que usava linguagem racista para se referir à origem chinesa do coronavírus. Pilkey anunciou que o livro seria retirado de circulação.

Semanas antes, os responsáveis pelos direitos autorais da obra de Dr. Seuss, outro autor juvenil de estrondoso sucesso, comunicaram que seis livros seriam retirados do mercado pelos mesmos motivos. Sobre o assunto, o canal do Guia dos Curiosos conversou com o escritor brasileiro Pedro Bandeira, que ultrapassou a marca de 25 milhões de exemplares vendidos no Brasil de seus 100 títulos.

Pilkey disse que irá doar todo o dinheiro que ganhou em  “As Aventuras de Oook e Gluk: Mestres do Kung Fu Primitivos do Futuro” para campanhas de conscientização contra esse tipo de comportamento.