Comecei no ano passado uma pequena coleção de brinquedos retrô. Ela é ainda bem modesta, não deve ter mais que dez peças. Mas acabou de ganhar um exemplar do jogo eletrônico Simon, batizado no Brasil de Genius. Falta muita coisa ainda para eu chegar perto do Hall da Fama dos Brinquedos, organização mantida pelo National Museum of Play (Museu Nacional da Brincadeira), localizado na cidade americana de Rochester, no Estado de Nova York. O museu se orgulha de ter o maior acervo de brinquedos, bonecas, jogos de tabuleiro, videogames, livros, fotografias e documentos relacionados a atividades recreativas.

GENIUS

 

O Hall da Fama dos Brinquedos ocupa um espaço dentro do museu. Foi criado em 1998, quando 11 brinquedos, entre eles o frisbee, o Banco Imobiliário e o Lego, foram homenageados “por ter inspirado brincadeiras criativas e que tenham sido populares durante determinado período”.

MONOPOLY / BANCO IMOBILIÁRIO
A seleção de novos integrantes é feita anualmente, e o Hall da Fama de Brinquedos já conta com 53 integrantes. Em 2013, foram 12 candidatos, mas só dois foram agraciados com a honraria: o jogo de xadrez e o patinho de borracha. No site, é possível conhecer a história do brinquedo, seu criador e o material de que é feito. Você sabia,  por exemplo, que o Quebra-Cabeça é criação de um professor de Geografia inglês? Em 1967, na tentativa de atrair a atenção dos alunos, ele dividiu o mapa da Europa com um estilete e desafiou-os a refazê-lo?  O urso Teddy tem esse nome em homenagem ao presidente americano Theodore Roosevelt, que se recusou a matar um filhote de urso em 1903. O fato motivou o imigrante russo Morris Micton, dono de uma loja de brinquedos, a criar o famoso bicho de pelúcia.  Ou, ainda, que o Senhor Cabeça de Batata, que aparece na série de animação Toy Story, existe há pouco mais de 60 anos? Ele surgiu em 1952. O americano George Lerner criou um boneco cujas partes viriam em caixas de cereais.

Qualquer pessoa pode sugerir o nome de um brinquedo a ser homenageado pelo link. O jogo de botão merece entrar nesse time. Mas para que um brinquedo seja escolhido, ele deve passar primeiro pelas avaliações de historiadores e educadores, que estabelecerão os seguintes critérios de seleção:

  1. Status de ícone: o brinquedo precisa ser reconhecido, respeitado e lembrado.
  2. Longevidade: o brinquedo não deve ser uma moda passageira somente, mas sim um produto que tenha feito sucesso por várias gerações.
  3. Descoberta: o produto deve incentivar a criatividade e o aprendizado em seus usuários.
  4. Inovação: deve ser um brinquedo que tenha quebrado os padrões de uso e de design. Para que seja indicado por causa desse critério, ele não precisa necessariamente obedecer aos três anteriores.

Abaixo, a lista dos 53 brinquedos presentes no Hall da Fama:
Atari; bambolê; Banco Imobiliário; baralho; Barbie; bicicleta; blocos do alfabeto; bola; bolha de sabão; bolinha de gude; boneca bebê; caixa de papelão decorada; caixa de surpresas (jack in the box); caminhãozinho; Candyland; carrinho de mão; casinha de bonecas; cavalo de madeira de balanço; cobertorzinho; corda; damas; dominó; Erector Set; estilingue; forninho de brinquedo; frisbee; Game Boy; G.I. Joe (e o Falcon?!?); giz de cera; Hot Wheels; ioiô; Lego; Lincoln logs (peças para montar casinhas); locomotiva; massinha de modelar; miniaturas de Star Wars; motoca; O Jogo da Vida; palavras cruzadas; patinho de borracha; patins; pipa; quebra-cabeça; Raggedy Ann and Andy (casal de bonecos bem esquisitinho); Senhor Cabeça de Batata; Silly Putty (parente da geleca), skate; Slinky (mola maluca); Tinkertoy (ancestral do Lego); Traço Mágico; ursinho de pelúcia Teddy; View Master (espécie de óculos para ver slides em 3-D) e xadrez.

Leia também:O museu de brinquedos mais antigo de Londres