No final de 2015, o redator publicitário e designer de conteúdo Sérgio Henrique de Oliveira comprou uma máquina de escrever Lettera 32 pensando em deixar o computador e a internet um pouco de lado em alguns momentos do dia. Só que a máquina de escrever mexeu de uma forma inesperada com sua memória afetiva. Foi comprando outras máquinas e, em um ano, contou 25 em casa. Virou Sérgio Type (“Type”, de typewriter, é como ele chama carinhosamente as máquinas). Passou a ser então um consultor na área. Encontra máquinas para quem está atrás de modelos específicos, faz revisão e customiza o equipamento.
Começou a colecionar histórias também. Como a máquina Olympia que comprou de uma senhora e devolveu depois de saber toda a história de família que ela trazia. Ou as duas emocionantes cartas que achou no case de uma Remington Quiet Ritter, devolvidas para a vendedora, que havia se mudado para a Inglaterra. Sérgio mostra ainda a linda máquina de escrever que fez para o cantor e compositor Emicida.

Veja também o quinteto Brassuka, com a percussionista Márcia Fernandes como convidada, executando a música “The Typewriter”, do compositor americano Leroy Anderson.
Reparem na fachada da casa de Sérgio Type bem na abertura e depois na coleção de máquinas e estojos atrás de Márcia.