A Lovefone, empresa britânica especializada em consertos de celulares e tablets, está usando um dos cartões-postais de Londres para oferecer seus serviços: os telefones públicos vermelhos. Aproveitando cabines em desuso, a Lovefone fez pequenas reformas (foram colocados armários para ferramentas e uma bancada) para criar mini-oficinas e atender aos clientes. Só há espaço para o funcionário. A primeira já funciona no bairro de Greenwhich.

Para voltar a ver as cabines sendo usadas como pontos para se fazer uma ligação, a empresa instalou ainda tomadas para carregar o celular. As cabines tiveram que ser arrendados da Red Kiosk Company, a responsável pela manutenção das cabines vermelhas. A ideia é que mais outras seis unidades se espalhem logo pelos bairros de Greenwhich e Knightsbridge.

A ideia da Lovefone é mais uma para tentar preservar um dos maiores símbolos urbanos de Londres. As tradicionais cabines vermelhas começaram a desaparecer junto dos telefones públicos em uma era em que quase todo mundo tem celular e, por causa disso, grupos criaram projetos para que a cidade não perdesse uma de suas maiores identidades. Dessa forma,algumas cabines foram transformadas em posto para trocas de livros e até mesmo em mini-escritórios.

O plano começou no ano passado, inicialmente destinado a cidades pequenas, onde os telefones estavam ainda mais em desuso que na capital britânica. As cabines foram transformadas em postos para serviços dos mais variados, de caixas eletrônicos a locais para se guardar um desfibrilador, especialmente em áreas onde os serviços médicos de emergência tendem a ser mais demorados. Com o sucesso do plano, a ideia acabou chegando à Londres.

O modelo das cabines telefônicas foi desenhado em 1935 para celebrar os 25 anos da coroação do Rei George V (pai da atual Rainha Elizabeth II). Esse foi o primeiro modelo de cabines telefônicas que chegou a todo o país (os anteriores eram restritos a Londres). Em 1968, o modelo sofreu leves alterações. Com a chegada dos telefones celulares, porém, sua importância diminuiu muito. Segundo os dados oficiais, em 2002 eram 92 mil cabines espalhadas pela Inglaterra. Em 2015, apenas 51.500 (e aproximadamente 20% desse total são cabines do modelo mais tradicional).

A diminuição de 80% no volume de ligações públicas fez com que, em 2012, a empresa telefônica X2 Connect leiloasse 60 cabines telefônicas. No mesmo ano, apostando no impacto do cartão-postal da cidade para os turistas que lá chegassem para os Jogos Olímpicos, a X2 restaurou 400 cabines. Foi usada inclusive a tinta especial, cuja cor foi destinada justamente para pintar as cabines, chamada “Post Office Red” (“vermelho correio”, em tradução livre). Existem ainda duas cabines originais fora da Inglaterra: elas estão na França desde 1994, quando foram instaladas para celebrar os 50 anos da bem-sucedida união entre ingleses e franceses para combater a Alemanha nazista na Batalha da Normandia.

Leia também: A UTI das cabines telefônicas vermelhas de Londres