O médico Leo Gerstenzang estava observando a sua mulher em ação e percebeu a dificuldade que era limpar as orelhas do filho. Ele lembrou, então,  do “cotton swab” (esfregão de algodão, em inglês), uma haste com algodão  na ponta, muito usada para limpeza de feridas. Gerstenzang adaptou essa ideia para a limpeza das orelhas em 1913. O invento foi batizado de “Baby Gays” (Bebês alegres). Mais tarde, ele mudou o nome da marca para Q-Tips, um acrônimo baseado na expressão Quality Tips (pontas de qualidade), por causa da qualidade do algodão que ficava na ponta da haste.

A Johnson&Johnson entrou no negócio em 1921, com o nome de Cotton Swabs. Só que, no Brasil, esse nome era praticamente impronunciável pela maioria da população. A solução foi criar uma nova marca, unindo o Coton (algodão), com apenas um te, mais o sufixo “ete”. Em 1963, as has- tes foram mudadas de madeira para plástico. A marca acabou virando um substantivo e hoje é utilizada sempre que se refere a uma “haste flexível com algodão na ponta”.