1. Embora as bebidas fermentadas, ancestrais da cerveja, já fossem conhecidas do homem desde 4.000 a.C., foi na Alemanha que elas adquiriram suas características atuais.
  2. O mais antigo escrito que registra o uso do lúpulo na cerveja foi escrito em 1067 pela Abadessa alemã Hildegarda de Bingen.
  3. As cervejas do tipo lagern (de cor clara, muito gás carbônico, razoavelmente amargas e com teor alcoólico entre 3 e 6%) também surgiram na Alemanha. Entre os estilos de largen (que em alemão significa armazenar) estão as pilsen, bock e pretas.CERVEJA - INVENÇÃO
  4. Além disso, em 1516, os cervejeiros do país adotaram o Reinheitsgebot (preceito da pureza), que determinava os três únicos ingredientes permitidos para cervejas: água, lúpulo e cevada-malte. Graças a esse acordo (que foi lei até 1988), as cervejas germânicas se tornaram mundialmente famosas por sua qualidade.
  5. Os alemães inventaram a cerveja Bock na cidade de Einbeck, no século XIII. Qualquer cidadão poderia produzir a bebida, desde que fornecesse alguns barris para o príncipe e sua corte.
  6. O conde de Brunswijk, sabendo da fama dessa cerveja, mandou trazer 50 barris para Munique para celebrar seu casamento. Encantados com a cerveja, os convidados da então Bavária trocaram o nome da cerveja de “einbeck” para “oanbock”. Uma curiosidade: como a palavra “bock” significa bode, o rei mandou imprimir imagens do caprino nos rótulos das garrafas.
  7. Boicotada pelos portugueses, que viam na bebida um forte concorrente para o real vinho da metrópole, a cerveja só começou a aparecer no início do século XIX, no reinado de Dom João VI, por iniciativa dos ingleses que a importavam. Já no final do século, surgiam nossas duas primeiras cervejarias: em 1888, foi fundada a Brahma e, em 1891, a Antarctica, respectivamente a sexta e a quinta cervejarias do mundo.