A lâmina de barbear ficou conhecida como “gillette” por causa do sobrenome de seu inventor, o americano King Camp Gillette, um vendedor de rolha. Em 1895, ele estava no banheiro de sua casa, fazendo a barba diante do espelho, como todos os dias. Reparou que só a ponta da lâmina da navalha era necessária para se barbear. Pensou então em fabricar uma lâmina de aço pequena e descartável. Os industriais não acreditavam ser possível fazer uma lâmina pequena, de bom corte e barata a ponto de ser jogada fora depois. Com a ajuda do engenheiro mecânico William Nickerson, os problemas técnicos foram resolvidos e assim surgiu a Gillette Safety Company, em 28 de setembro de 1901. A produção começou em 1903 e no primeiro ano foram vendidos 51 aparelhos e 168 lâminas. Os negócios dispararam a partir de 1905.

Durante a Primeira Guerra Mundial, o governo americano encomendou 3,5 milhões de aparelhos e 36 milhões de lâminas para seus soldados. Nessa época, a empresa já vendia 1 milhão de aparelhos e 120 milhões de lâminas por ano.

As primeiras giletes chegaram ao Brasil, importadas, em 1909. A primeira fábrica foi instalada no Rio de Janeiro em 1926.

A Gillette lançou o conceito de duas lâminas paralelas em 1971 e o Sensor, em 1990.

Leia também: 10 curiosidades sobre o barbeador elétrico