Você sabia que a invenção do relógio de pulso tem tudo a ver com o inventor do avião, o brasileiro Santos Dumont? No início do século XX, os relógios ficavam nos bolsos, presos a uma corrente. Santos Dumont não podia tirar as mãos do manche para pegar o relógio. Só que ele queria cronometrar o tempo de voo de seus aviões durante as experiências.

O que fazer?
Em 1904, ele comentou isso com um amigo, o joalheiro francês Louis Cartier. Santos Dumont usava abotoaduras e pulseiras da marca francesa, até hoje uma das mais famosas grifes de joias do mundo.

O que Cartier fez para ajudar o brasileiro?
Cartier foi para sua oficina com o pedido do amigo aviador em mente: criar um modelo que ficasse fixo no braço e facilitasse o controle das horas. Algum tempo depois, o joalheiro presenteou o amigo com um relógio plano, de moldura quadrada, com os números em algarismos romanos na cor preta. Usou também parafusos externos visíveis para prender o vidro do mostrador, dando um ar mais moderno à peça. Em novembro de 1906, como informa a exposição, Santos Dumont foi a primeira pessoa do mundo a ser filmada num voo de avião – e estava lá com seu relógio Cartier, com pulseira de couro, no pulso.

Cartier fez relógios para mais gente depois disso?
Sim, os homens passaram a se interessar pela novidade e a encomendar relógios de pulso para Cartier. A demanda era tão grande que, em 1911, ele contratou o renomado relojoeiro parisiense Edmond Jaeger para desenvolver um modelo que ganhou o nome de “Santos”.