Há várias festividades religiosas no Brasil. A maior manifestação católica no Brasil acontece no mês de outubro no Pará. Os paraenses dão ao Círio de Nazaré uma importância equivalente à do Natal. Preparam ceia com pratos típicos (pato no tucupi, maniçoba, tacacá e açaí) e também trocam presentes. Cerca de 2 milhões de fieis, romeiros e turistas acompanham o cortejo final, que acontece no segundo domingo de outubro. Ela recebeu o título de Patrimônio Cultural da Humanidade.

O que significa o nome “Círio”?
Círio é o nome de uma grande vela ou de uma procissão a algum santuário em que geralmente se carrega uma dessas velas.

Desde quando essa procissão é realizada?
A procissão é realizada em Belém desde 1793 (a primeira aconteceu no dia 8 de setembro). Sua história está ligada ao lenhador Plácido José de Sousa. Por volta de 1700, ele achou uma imagem de 30 centímetros de Nossa Senhora de Nazaré num matagal, perto de um córrego, nos arredores de Belém e decidiu levá-la para casa. Mas a imagem teria voltado ao local onde fora encontrada. O fato teria se repetido algumas vezes. Por isso, depois de tantas idas e vindas, decidiram construir um santuário para a santa no local da descoberta.

Como é a festa?
A festa começa 15 dias antes do segundo domingo de outubro. Imagens da santa passam pelas casas dos fieis em novenas. Na manhã de sábado, uma procissão de barcos percorre 30 quilômetros da baía do Guajará, seguindo uma imagem de Nossa Senhora de Nazaré, que é carregada na primeira embarcação. Há também romarias de motos, carros e bicicletas. No mesmo dia, acontece a tradicional feira de brinquedos de miriti (madeira de uma palmeira da região). O primeiro altar de Nossa Senhora de Nazaré era feito de miriti. A grande procissão de amanhã, que é o ponto máximo da celebração, relembra o caminho de Nossa Senhora até o local de origem, onde foi construída a Basílica Santuário. Muitos que seguem a imagem – que todo o ano ganha um manto novo – tentam segurar um pedaço dos 420 metros da corda que cerca o oratório. Quando estive em Belém, visitei o Museu do Círio, no bairro de Cidade Velha, e o Memória de Nazaré, ao lado do estacionamento da basílica.