Novo Livro O Guia dos Curiosos - Edição Fora de Série

12 curiosidades sobre a escravidão no Brasil

24 de abril de 2019
  1. Os portugueses iniciaram a escravização de negros no século XV, quando conquistaram a costa africana. Trocavam armas, pólvora, tecidos, espelhos, aguardente e fumo com os chefes tribais por escravos. Graças ao bom trabalho dos africanos na produção de açúcar em São Tomé e na Ilha da Madeira (outras colônias portuguesas), os senhores de engenho do Brasil exigiram a vinda de escravos negros para as suas fazendas.
  2. Não existem números confiáveis sobre a quantidade de negros que entraram no Brasil como escravos. Os primeiros navios negreiros foram trazidos pelo português Martim Afonso de Sousa, em 1532. A contabilidade oficial estima que, entre essa data e 1850, algo como 5 milhões de escravos negros entraram no Brasil, mas alguns historiadores calculam que pode ter sido o dobro. Milhares de escravos morreram nos navios negreiros, que foram apelidados por essa causa de “tumbeiros”.
  3. Eles vieram para desempenhar todas as funções possíveis: dos trabalhos domésticos aos agrícolas, dos serviços leves aos mais pesados.
  4. Hoje, graças a alguns poucos registros históricos e à herança cultural deixada aos seus descendentes, é possível traçar a origem dos negros brasileiros em três grandes grupos: os da região do atual Sudão, em que os iorubas, também chamados nagôs, predominam; os que vieram das tribos do norte da Nigéria, a maioria muçulmanos de hábitos refinados, chamados no Brasil de malês ou alufás; e, por fim, o grupo dos bantos, capturados nas colônias portuguesas de Angola e Moçambique.
  5. A vergonhosa escravidão foi tão duradoura que o Brasil, até hoje, guarda a triste marca de ter sido o último país do Ocidente a abolir a escravidão, em 13 de maio de 1888. Também não há como calcular o impacto desses contingentes na população branca aqui estabelecida. Não temos com exatidão o número de habitantes do Brasil no período colonial. Estima-se, por exemplo, que no início do século XIX, excetuando-se os indígenas, a população devesse estar por volta de 2,5 milhões de pessoas, dos quais 2/3 seriam negras ou mestiças.
  6. A Festa de Nossa Senhora do Rosário, a padroeira dos escravos do Brasil colonial, foi realizada pela primeira vez em Olinda (PE), no ano de 1645. A santa já era cultuada na África, levada pelos portugueses como forma de cristianizar os negros. Eles eram batizados quando saíam da África ou quando chegavam ao Brasil.
  7. Foram criadas aqui Ordens do Rosário dos Pretos, confrarias religiosas fundadas por escravos evangelizados. Na cidade de Serro, em Minas Gerais, acontece a maior de todas as festas, na primeira semana de julho, desde 1720. A comemoração é aberta com o som triste da “caixa de assovios”, uma banda formada por dois tambores e duas flautas, para lembrar o sofrimento dos escravos. Grupos se fantasiam em homenagem à lenda de Nossa Senhora do Rosário. Ela saiu do mar e, ao ser chamada por índios, não se mexeu. O mesmo aconteceu com marinheiros brancos. A santa só atendeu aos escravos, que tocaram bem forte os seus tambores. Foi assim que ela veio para a terra.
  8. Com exceção de países africanos, o Brasil tem a maior população negra do mundo.
  9. Após a independência do Brasil, em 1822, uma das primeiras medidas do governo foi proibir que alunos negros frequentassem as mesmas escolas que os brancos. Um dos motivos apontados é que temiam que eles pudessem transmitir doenças contagiosas.
  10. Os negros nunca tiveram uma atitude passiva diante da escravidão. Muitos quebravam ferramentas de trabalho e colocavam fogo nas senzalas. Outros cometiam suicídio, muitas vezes comendo terra. Tinha ainda quem se entregava ao banzo, grande tristeza que causava falta de apetite e levava à morte por inanição. A forma mais comum de rebeldia, no entanto, era a fuga.
  11. O movimento abolicionista tinha mais de 60 anos quando a Lei Áurea foi assinada, em 1888. Mobilizava muitos intelectuais da época, como escritores, políticos, juristas, e também a população de uma forma geral.
  12. Em 1823, dom Pedro I chegou a redigir um documento defendendo o fim da escravidão no Brasil, mas a libertação só ocorreu 65 anos depois.

Leia também:
10 curiosidades sobre a Lei Áurea
Como foi o fim do tráfico de escravos no Brasil
A origem do Dia da Abolição da Escravatura

Esta página contém links de afiliados. Ao fazer uma compra por um desses links, o Guia dos Curiosos recebe uma comissão e você não paga nada a mais por isso.

Artigos Relacionados

Qual é o colégio mais antigo do Brasil?

Qual é o colégio mais antigo do Brasil?

Os colégios mais antigos do país ainda em atividade foram todos fundados ainda na época do Império. O primeiro da lista é o Ginásio Pernambucano, instituição de ensino médio de Recife, que abriu as portas em 1825. Há uma discussão aí sobre a primazia porque a escola...

Livros homenageiam Independência do Brasil

Livros homenageiam Independência do Brasil

O jornalista Marcelo Duarte apresenta dois lançamentos que comemoram a Independência do Brasil. "Memória póstumas do burro da Independência", dedicado ao público infantil (que os papais vão se divertir também) e "Independência ou zero!", uma nova aventura juvenil do...

Pedro Labatut: o militar que virou bicho-papão

Pedro Labatut: o militar que virou bicho-papão

Ele nasceu na cidade de Cannes, França, em 1776 e lutou nas forças de Napoleão Bonaparte. Seu nome era Pierre Labatut ou, como acabou ficando conhecido no Brasil, Pedro Labatut. O que um militar francês veio fazer no Brasil? "Aí tem História", diz o professor Warde...

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This