Novo Livro O Guia dos Curiosos - Edição Fora de Série

Portuguesa lança camisa em homenagem a Dener

29 de dezembro de 2012

A Portuguesa lançou mais uma camisa comemorativa em homenagem a seus grandes ídolos. O primeiro foi Capitão. Agora chegou a vez de Dener. Na estampa, além do retrato e do autógrafo do atleta, há o desenho do maravilhoso gol marcado pelo jogador contra o Inter de Limeira, pelo Campeonato Paulista de 1991. A Lusa venceu por 1 x 0.

Camisa comemorativa do Dener

Detalhe: o desenho do gol mais bonito da carreira

Dener teve uma breve, mas marcante carreira no futebol brasileiro. Começou ainda criança, aos 11 anos, quando foi descoberto pela Portuguesa. Em 1982, o menino pisou pela primeira vez no estádio do Canindé, defendendo o time mirim da Lusa. Aos 15 anos, ele foi obrigado a dar uma pausa na carreira para ajudar no sustento da família – era órfão de pai desde os 8 anos. Dois anos depois, Dener voltou aos campos. Primeiro, tentou jogar na base do São Paulo. Não se adaptou à equipe tricolor e voltou à Portuguesa dois meses depois.

Em 1991, Dener explodiu de vez na Copa São Paulo de Juniores. Ele foi eleito o melhor jogador da competição, sendo decisivo para a conquista do título pela invicta Lusa. Depois disso, passou para o time principal. Foi nessa fase que Dener fez o gol mais bonito da carreira, eternizado na camisa. O camisa 10 costumava dizer que achava mais bonito driblar do que marcar um gol. Nas 141 partidas em que atuou pela Portuguesa, Dener marcou 24 gols.

No mesmo ano, o craque foi escalado para a Seleção Brasileira pré-olímpica, estreando contra a Argentina em Buenos Aires. Em 1993, ele foi emprestado para o Grêmio, sagrando-se campeão gaúcho, único título profissional do jogador. No Campeonato Brasileiro do mesmo ano, ele jogou na Portuguesa, que terminou na 9ª colocação. No início de 1994, mudou-se para o Vasco, não demorando para virar ídolo da torcida. Foi aí que veio a tragédia.

Às 5h15 da manhã do dia 18 de abril de 1994, Dener sofreu um acidente de carro fatal, à margem da Lagoa Rodrigo de Freitas, no Rio de Janeiro. Quem dirigia era um amigo de Dener, que cochilou ao volante. O carro se chocou contra uma árvore e Dener, que dormia no banco do passageiro, foi sufocado pelo cinto de segurança. Um dia antes, ele tinha se reunido com os dirigentes do Stuttgart, da Alemanha, que queriam comprar seu passe. No local do acidente, foi colocada uma placa com a frase “Aqui morreu um poeta do futebol”. O objeto, no entanto, desapareceu. No lugar dele, alguém improvisou uma homenagem escrita à mão, que hoje está pintada na calçada.

Foto: O Dia

A morte de Dener provocou uma onda de reação contra o uso do cinto de segurança no país, que só foi aplacada em 1998, com a aprovação da lei que obriga os motoristas a utilizarem o equipamento. A justificativa de especialistas é que Dener usava-o de maneira incorreta: com o encosto do banco reclinado demais, o cinto apoia-se no pescoço do passageiro, provocando risco de estrangulamento.
Morto aos 23 anos, Dener deixou mulher e três filhos, que brigam até hoje na Justiça pelo direito a seu seguro de vida. Da Portuguesa, a viúva conseguiu a indenização almejada. Com o Vasco, a batalha ainda não teve fim. A família só conseguiu o direito a seu seguro de vida em 2007, 13 anos depois da tragédia. O privilégio, no entanto, acabou em 2010, com a entrada de Roberto Dinamite na presidência do clube. Desde então, o Vasco interrompeu o pagamento da pensão de 50 mil reais mensais à viúva. Os garotos de 18, 20 e 23 anos já tentaram seguir a carreira futebolística do pai. Não tiveram sorte: dois deles já foram dispensados pela Portuguesa.
O próximo ídolo da Portuguesa que receberá a homenagem da camisa comemorativa será o meio-campista Enéas (1954-1988).

Esta página contém links de afiliados. Ao fazer uma compra por um desses links, o Guia dos Curiosos recebe uma comissão e você não paga nada a mais por isso.

Artigos Relacionados

A volta dos Botões Brianezi

A volta dos Botões Brianezi

Desde o final de 2020,  o empresário Alexandre Badolato passou a ser chamado de "Alexandre da Brianezi". Depois de 20 anos fora do mercado, a Botões Brianezi voltou a existir por causa de um acordo feito entre ele e Lúcio Brianezi, herdeiro da marca. Paulo Brianezi,...

A Rádio ONCB e as Paraolimpíadas de Tóquio 2020

A Rádio ONCB e as Paraolimpíadas de Tóquio 2020

Os Jogos Paraolímpicos de Tóquio começam na próxima terça-feira, dia 24. Marcus Aurélio Carvalho, diretor e apresentador da Rádio ONCB, emissora web da Organização Nacional de Cegos do Brasil, explica como será a cobertura diferenciada do evento. Marcus fala também de...

O autor de 150 hinos de times de futebol

O autor de 150 hinos de times de futebol

O compositor paulista Carlos Santorelli tem mais de 2 mil músicas gravadas. Em 1997, ele lançou um CD com hinos para os principais times do Rio Grande do Norte compostos por ele. Depois, em 2011, veio outro, desta vez com times paraibanos. Mas foi a partir de 2017 que...

6 Comentários

6 Comentários

  1. Carlos Pank

    Neymar não chega aos pés donque Dener jogou. Um dos dias mais tristes da minha vida. Como se tivessevperdido algúem da família.

    Responder
  2. Carlos Pank

    Neymar não chega aos pés donque Dener jogou. Um dos dias mais tristes da minha vida. Como se tivessevperdido algúem da família.

    Responder
  3. Anderson

    Morreu no dia do meu aniversário, há 19 anos não comemoro sem uma ponta de tristeza, estava lá conta a Inter de Limeira, estava na final da Copa São Paulo no diluvio contra o Gremio, vi os losangos flutuantes, vi o genio jogar, nunca terá um igual, seria ele nosso maradona.
    Descanse em paz, que como disse Armando Nogueira, você driblou tanto que driblou a própria vida.

    Responder
  4. Anderson

    Morreu no dia do meu aniversário, há 19 anos não comemoro sem uma ponta de tristeza, estava lá conta a Inter de Limeira, estava na final da Copa São Paulo no diluvio contra o Gremio, vi os losangos flutuantes, vi o genio jogar, nunca terá um igual, seria ele nosso maradona.
    Descanse em paz, que como disse Armando Nogueira, você driblou tanto que driblou a própria vida.

    Responder
  5. CLAUDIO

    EU NÃO ACREDITO QUE OS JOGADORES PROFISSIONAIS QUE GANHAM MUITO DINHEIRO, NÃO TENHA CONHECIMENTO DESTE CASO.
    ELES PODERIAM REALIZAR UMA GRANDE PARTIDA DE FUTEBOL UM( CLASSICO ), E PASSAR ESTA RENDA AOS FILHOS DE EX. GRANDE JOGADOR, PARA ELES TER PELO MENOS UM BOM ESTUDO, E TAMBEM DAR UMA FORÇA DANDO UM BOM EMPREGO EM SUAS PROPRIAS EMPRESAS.
    SOU TORCEDOR DO SÃO PAULO,
    NÃO CONHEÇO ESTA FAMILIA
    MORADOR DE EMBU DAS ARTES -SP.

    Responder
  6. CLAUDIO

    EU NÃO ACREDITO QUE OS JOGADORES PROFISSIONAIS QUE GANHAM MUITO DINHEIRO, NÃO TENHA CONHECIMENTO DESTE CASO.
    ELES PODERIAM REALIZAR UMA GRANDE PARTIDA DE FUTEBOL UM( CLASSICO ), E PASSAR ESTA RENDA AOS FILHOS DE EX. GRANDE JOGADOR, PARA ELES TER PELO MENOS UM BOM ESTUDO, E TAMBEM DAR UMA FORÇA DANDO UM BOM EMPREGO EM SUAS PROPRIAS EMPRESAS.
    SOU TORCEDOR DO SÃO PAULO,
    NÃO CONHEÇO ESTA FAMILIA
    MORADOR DE EMBU DAS ARTES -SP.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This