Uma das cenas mais emocionantes da história das aberturas dos Jogos Olímpicos foi protagonizada por um atleta paraolímpico. Na cerimônia de abertura de Barcelona-92, o arqueiro espanhol Antonio Rebollo foi escalado para acender a pira olímpica. Ele atirou do gramado uma flecha incandescente.
Antonio Rebollo
Leia também: Como um neurologista alemão lançou as sementes dos Jogos Paralímpicos
Rebollo, hoje com 61 anos, disputou três edições das Paralimpíadas e arrebatou três medalhas. Prata em Los Angeles (1984), bronze em Seul (1988) e novamente prata em Barcelona (1992). Rebollo teve poliomielite aos 8 meses, doença que afetou suas pernas, principalmente a direita. Ele foi um dos 200 arqueiros que fizeram o teste para disparar a flecha e acender o fogo olímpico. Ficou entre os quatro finalistas e só soube que tinha sido escolhido duas horas antes do início da cerimônia.

O mundo inteiro se curvou diante da habilidade de Antonio Rebollo. Mais tarde, porém, descobriu-se o truque. A pira se acendeu automaticamente. Um cinegrafista amador registrou a cena do lado de fora do estádio. A flecha passou longe da pira. Há uma versão de que Rebollo fora instruído mesmo para atirar a flecha fora do estádio, pois, se errasse o alvo e ela batesse na parte externa da pira, o vexame seria grande. Os organizadores disseram que, ao passar por cima da grande coluna de gás, o fogo da flecha acendeu, sim, a pira.