PAN DO RIO

Uma frente fria atingiu o Rio de Janeiro na última semana de jogos e não abandonou a cidade até o fim do Pan. O vento forte e a chuva acabaram causando alguns problemas.

  • No dia 24 de julho a pira Pan-Americana apagou por causa do vento. Os técnicos correram para reacendê-la, o que levou cerca de 30 minutos.
  • O Softbol, que deveria ter começado no dia 23, só pode ter sua primeira partida realizada no dia 25, porque a estrutura construída na Cidade do Rock, onde se encontrava o campo, foi totalmente destruída pelos fortes ventos e a chuva. O campo, construído em um terreno pantanoso, se transformou em um imenso lamaçal e a competição teve que ser cancelada antes das finais entre as equipes masculinas, pois o local não tinha condições de abrigar as partidas. O time norte-americano recebeu a medalha e ouro, pelo melhor desempenho, e as equipes do Canadá e Venezuela dividiram a medalha de prata.
  • As finais do tênis tiveram que ser realizadas em uma quadra “emprestada” do Centro de Treinamento Amil, no Recreio dos Bandeirantes, porque a quadra do Clube Marapendi, na Barra da Tijuca, era descoberta e o saibro ficou todo molhado. No início do dia 29 a organização chegou a atear fogo no piso, mas a chuva recomeçou, impedindo a realização da partida. Mesmo com a mudança, o brasileiro Flávio Saretta garantiu a medalha de ouro.