Novo Livro O Guia dos Curiosos - Edição Fora de Série

Já não se fazem mais gramados da mesma cor que antigamente

27 de abril de 2015

Pouco antes da Copa do Mundo do ano passado, durante a construção da Arena Corinthians, a diretoria alvinegra fez uma série de estudos para encontrar grama na cor preta para o campo. Tudo isso para evitar que o estádio tivesse qualquer coisa em verde, cor que remete ao seu principal rival, o Palmeiras. O Comitê Organizador da Copa vetou de cara essa ideia mirabolante, permitindo apenas um tom mais escuro de verde. No dia 1º de abril passado, o time de futebol do Orlando City, dos Estados Unidos, publicou no site oficial que um inovador gramado roxo seria colocado no estádio do time, o Citrus Bowl. O atacante brasileiro Pedro Ribeiro declarou que estava animado com a novidade: “Será interessante, será inédito. Eu não sei como será, mas será estranho no início. Será empolgante”. Só que, no dia seguinte, a equipe que disputa a Major League Soccer revelou a verdade. Era tudo uma brincadeira de Dia da Mentira.

PurpleTurf_FB

Foto do gramado roxo divulgada no site oficial do Orlando City

Grama de outra cor pode aparecer loucura, mas o Blog do Curioso encontrou uma história real sobre essa maluquice no futebol americano. O gramado do Albertsons Stadium, do time universitário Boise State Broncos, foi pintado de azul em 1986, numa referência ao apelido “The Blues” (Os Azuis). Em 2011, preocupada com o fato, a NFL (Liga Nacional de Futebol Americano) criou a “Boise Rule”, proibindo que os times profissionais tivessem o gramado de outra cor que não fosse verde. Neste ano, a Mountain West Conference, da qual o Boise faz parte, proibiu que os jogadores do time usassem uniformes azuis, pois isso atrapalharia os adversários. Dois anos depois, a proibição foi revogada. “Pintar o gramado de azul foi uma inovação no futebol americano”, comenta o jornalista Paulo Mancha, especialista no assunto. “Por mais que alguns adversários reclamassem, não houve um pedido para a mudança de cor, uma vez que o azul já tinha virado uma tradição”.

1280px-Bronco_Stadium_Blue_Turf_August_2010

O gramado azul do Boise State Broncos, time universitário de futebol americano, abriu o caminho para outros

Em outubro de 2014, o Albertsons Stadium entrou para a lista dos 10 melhores gramados de futebol americano universitário. Foi também quem criou a moda seguida por outros cinco estádios do futebol americano universitário. Em 2009, o Ralph F. DellaCamera Stadium (University of New Haven) pintou de azul o seu gramado; em 2010, o Ross Field (Eastern Washington University) usou a cor vermelha e ganhou o apelido de “The Inferno”; em 2012, foi a vez do Lindenwood Stadium (Lindenwood University – Belleville Athletics), alternando entre vermelho e cinza; em 2014, o Rynearson Stadium (Eastern Michigan University Eagles), com a cor cinza; e finalizando, este ano, com o Brooks Stadium (Coastal Carolina University Chanticleers) e seu gramado azul esverdeado. “Além de incomodar os jogadores, a mudança de cores atrapalha alguns árbitros, que não estão acostumados com a diferença”, acredita Paulo Mancha. “Mas a questão da cor acaba sendo muito subjetiva, pois cada um enxerga uma tonalidade diferente. Isso ficou bem claro com aquela polêmica de que cor era o vestido. Então, enquanto alguns se incomodam com a cor, outros se adaptam rapidamente”.

640px-RedTurf1

Roos Field ganhou o apelido de “The Inferno” por causa do gramado vermelho.

A grama é verde por causa da clorofila. Para fazer a fotossíntese, processo realizado pelas próprias plantas para a produção de energia e de seu próprio alimento, a clorofila absorve a luz solar na faixa do vermelho e violeta, e acaba refletindo para nossos olhos a cor verde. “Existem plantas que têm a coloração rosa, azul, e até preta”, conta a bióloga Rachel Domenichelli. “Mas não se tratam de gramíneas, e sim de outras espécies de plantas, que são principalmente ornamentais. Só que elas possuem características diferentes das gramas de estádios de futebol, não resistem ao pisoteio e ao sol forte, por exemplo”. Existem algumas técnicas para tingimento de gramados. Um corante alimentício é misturado à água e injetado nas plantas, mas ele acaba alterando a coloração das flores, e não das folhas. Portanto, as gramas coloridas vistas em quadras ou são sintéticas ou pintadas com rolos de tinta. “É importante que seja utilizada uma tinta à base de água para não impermeabilizar as folhas e nem intoxicá-las”, explica Rachel. “Vale ressaltar que, depois de seca, a pintura fica somente na parte externa das folhas, podendo sair com a água da chuva ou com a poda”.

Esta página contém links de afiliados. Ao fazer uma compra por um desses links, o Guia dos Curiosos recebe uma comissão e você não paga nada a mais por isso.

Artigos Relacionados

A volta dos Botões Brianezi

A volta dos Botões Brianezi

Desde o final de 2020,  o empresário Alexandre Badolato passou a ser chamado de "Alexandre da Brianezi". Depois de 20 anos fora do mercado, a Botões Brianezi voltou a existir por causa de um acordo feito entre ele e Lúcio Brianezi, herdeiro da marca. Paulo Brianezi,...

A Rádio ONCB e as Paraolimpíadas de Tóquio 2020

A Rádio ONCB e as Paraolimpíadas de Tóquio 2020

Os Jogos Paraolímpicos de Tóquio começam na próxima terça-feira, dia 24. Marcus Aurélio Carvalho, diretor e apresentador da Rádio ONCB, emissora web da Organização Nacional de Cegos do Brasil, explica como será a cobertura diferenciada do evento. Marcus fala também de...

O autor de 150 hinos de times de futebol

O autor de 150 hinos de times de futebol

O compositor paulista Carlos Santorelli tem mais de 2 mil músicas gravadas. Em 1997, ele lançou um CD com hinos para os principais times do Rio Grande do Norte compostos por ele. Depois, em 2011, veio outro, desta vez com times paraibanos. Mas foi a partir de 2017 que...

2 Comentários

2 Comentários

  1. Bruno

    Td que sei é que nada seí.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This