Novo Livro O Guia dos Curiosos - Edição Fora de Série

Por que algumas seleções não jogam com as cores de sua bandeira?

24 de abril de 2019

Os dois casos mais conhecidos são de italianos e holandeses, mas não são os únicos. A Itália joga de azul e os holandeses, de laranja por estas serem as cores de suas respectivas famílias reais. A Itália usa a cor oficial da Casa de Savóia, que governou a região entre 1861 e 1946. Vítor Emanuel II , o rei da unificação da Península, era da Casa de Savóia. Os italianos o chamam de “O pai da Pátria”. O reino da Itália virou uma república em 1946, mas a tradição foi mantida. A camisa azul, utilizada desde 1911, valeu à seleção o apelido de “Squadra Azzurra” (Esquadrão Azul). Pela mesma razão, a Holanda veste o laranja da dinastia Orange-Nassau, que teve início com Guilherme I, Príncipe de Orange, em 1544. Guilherme II de Nassau proclamou a independência em 1648, que representou o nascimento da Holanda moderna. O país é uma monarquia parlamentarista até hoje.

Na Copa de 1938, disputada na França, o time anfitrião enfrentou a Itália, pelas quartas-de-final, em 12 de junho. As duas seleções usavam camisas azuis. A FIFA determinou que uma delas deveria usar um uniforme alternativo. O ditador Benito Mussolini ordenou que a Seleção Italiana entrasse em campo com um uniforme totalmente preto, a mesma cor oficial do fascismo e das fardas de seu exército. A Itália venceu por 3 x 1 e conquistaria o bicampeonato mundial naquele ano.

Também por causa de sua família real, a Casa de Bourbon, a Espanha tem o azul em seu uniforme. Sua bandeira é vermelha e amarela.

Austrália – verde e amarelo
O verde e o dourado começaram a ser usados pela seleção de críquete no final do século XIX. As cores fazem referência à Golden Wattle (que nós conhecemos no Brasil como acácia), árvore abundante num país que se orgulha muito de suas riquezas naturais. Suas flores são amarelas. O Comitê Olímpico Australiano adotou a ideia em 1908 e logo isso se espalhou por todos os esportes. Até que o próprio país se rendeu e adotou o verde e o dourado como cores símbolos do país em 19 de abril de 1984.

Japão – azul
A famosa bandeira do Sol Nascente (vermelho no fundo branco) não está representada no uniforme azul da seleção. A federação de futebol teria escolhido essa cor para homenagear um feito nipônico do dia 4 de agosto de 1936. Nos Jogos Olímpicos de Berlim, o Japão vestiu azul e a sorte mudou: a seleção venceu a Suécia por 3 x 2 na primeira fase do torneio de futebol masculino. Nas quartas-de-final, no entanto, a equipe seria derrotada pela Itália por 8 x 0. A Itália ganharia a medalha de ouro. Há também uma versão que diz que a federação japonesa escolheu o azul para representar o Oceano Pacífico.

Nova Zelândia – preto
O preto se tornou a cor do país por influência da Seleção de Rúgbi, o “All Blacks”. A federação de rúgbi foi fundada em 1892 e, naquele mesmo ano, a seleção neozelandesa viajaria para a Europa, onde iria enfrentar as equipes britânicas: Inglaterra, País de Gales, Irlanda e Escócia. A Nova Zelândia escolheu uma cor para o uniforme que não se conflitasse com nenhum desses adversários e fácil de ser encontrado: o preto. No atletismo, na mesma época, a Nova Zelândia premiava com bonés pretos os campeões de atletismo.

Esta página contém links de afiliados. Ao fazer uma compra por um desses links, o Guia dos Curiosos recebe uma comissão e você não paga nada a mais por isso.

Artigos Relacionados

A Rádio ONCB e as Paraolimpíadas de Tóquio 2020

A Rádio ONCB e as Paraolimpíadas de Tóquio 2020

Os Jogos Paraolímpicos de Tóquio começam na próxima terça-feira, dia 24. Marcus Aurélio Carvalho, diretor e apresentador da Rádio ONCB, emissora web da Organização Nacional de Cegos do Brasil, explica como será a cobertura diferenciada do evento. Marcus fala também de...

O autor de 150 hinos de times de futebol

O autor de 150 hinos de times de futebol

O compositor paulista Carlos Santorelli tem mais de 2 mil músicas gravadas. Em 1997, ele lançou um CD com hinos para os principais times do Rio Grande do Norte compostos por ele. Depois, em 2011, veio outro, desta vez com times paraibanos. Mas foi a partir de 2017 que...

Pugilista perdeu a orelha e não consegue usar máscara?

Pugilista perdeu a orelha e não consegue usar máscara?

Em novembro de 1996, o pugilista Evander Holyfield, pentacampeão mundial dos pesos-pesados, desafiou Mike Tyson pelo título da Associação Mundial de Boxe. Holyfield venceu de forma surpreendente ao realizar a proeza de nocautear Tyson no 11º round. Em junho do ano...

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This