Novo Livro O Guia dos Curiosos - Edição Fora de Série

Charles Wreford-Brown, o jogador inglês que inventou a palavra “soccer”

7 de dezembro de 2016

Dia 8 de dezembro de 1863 é uma data praticamente ignorada pelos fãs do futebol. Mas pode ser considerado o dia do nascimento definitivo do futebol moderno. Os almanaques e as enciclopédias se referem apenas a 26 de outubro daquele ano, quando 11 times ingleses se uniram para firmar as bases das regras do esporte. Nascido nas universidades, o futebol estava envolvido em uma polêmica discussão: deveria ser jogado com os pés, como queria a Universidade de Harrow, ou com as mãos, como queria a Universidade de Rugby. Então, em 8 de dezembro, optou-se por uma saída diplomática: o futebol seria jogado com os pés e um novo esporte, chamado justamente de rúgbi, usaria as mãos.
Dali em diante, a prática das duas modalidades se espalhou rapidamente pelo país, sobretudo no ambiente universitário. “O futebol era jogado basicamente nas escolas e nas universidades”, afirma John Mills, historiador inglês e biógrafo de Charles Miller, considerado o pai do futebol brasileiro. “Antes da fundação da Football Association, a federação de futebol inglesa, cada universidade tinha suas regras. A FA chegou e padronizou tudo. A partir daí o esporte passou a ser chamado de football association”.
Livro traz a biografia de Charles Miller, o pai do futebol brasileiro.
Na década de 1880, o futebol já desfrutava de alguma popularidade no Reino Unido. Os países já tinham seleções, os campeonatos já aconteciam, a rivalidade entre País de Gales, Escócia e Inglaterra já era intensa e o “football” ou “association” já era assunto nas conversas pelo país afora. Durante um café da manhã na Universidade de Oxford, por exemplo, o estudante de Medicina Charles Wreford-Brown falava aos amigos do esporte que praticava. “Na época, os estudantes brincavam de inventar palavras a partir das primeiras letras, adicionado “er” no final. Então, o rúgbi era chamado de “rugbber”, por exemplo”, aponta Mills.
Foi nesse momento que Wreford-Brown teve o estalo de criar a palavra “soccer” a partir de uma abreviação de “association”. “De início, o termo ‘soccer’ ficou restrito às universidades, mas depois se expandiu. Quando o esporte chegou aos Estados Unidos, o país tinha saído de uma Guerra Civil com a Inglaterra e não aceitava os esportes ingleses como eles chegavam. Por isso, o rúgbi foi adaptado para “american football”, o críquete virou o beisebol e o futebol passou a ser chamado de soccer, como é até hoje”, continua Mills.

 

Charles Wreford-Brown - Charles Wreford-Brown - qwe.wiki

Charles Wreford-Brown, o inventor da palavra "soccer"

Charles Wreford-Brown, o inventor da palavra “soccer”

A participação do estudante na história do esporte mais popular do mundo não se resume ao termo “soccer”. Já estabelecida como poder maior da modalidade no país, a FA encontrou forte resistência no fim do século XIX e teve em Wreford-Brown um dos seus opositores. Nascido em 1866 em Clifton, no Estado de Bristol, ele se dividiu por muito tempo entre o críquete e o futebol. “O críquete se jogava no verão e o futebol no inverno”, esclarece John Mills. Vindo de uma família de bom nível econômico,  ele seguiu o caminho do amadorismo. Jamais recebeu  para defender os clubes pelos quais jogou – primeiro como goleiro e depois como meio-campista.
Na época, havia um conflito entre aqueles que eram favoráveis à profissionalização do futebol e os que defendiam a manutenção do amadorismo. Wreford-Brown estava no segundo grupo, enquanto a FA foi a maior propulsora do primeiro. A associação nasceu como um movimento organizado para transformar o futebol e torná-lo rentável aos clubes, algo que Wreford-Brown considerava muito ruim para o esporte. “Era um profissionalismo marrom. Não existia contratos, nada. Mas, no norte da Inglaterra, que era mais industrial e onde os jogadores eram operários, eles passaram a receber ‘diárias’ e alimentação. Como o sul, onde esta Charles, era menos industrializado, isso não fazia sentido para ele”, prossegue Mills.
A divisão entre profissionais (chamados de “players”) e amadores (chamados de “gentlemans”) era séria e não faltam lendas em torno do assunto. Uma delas diz que, em um jogo da Seleção da Inglaterra, Charles Wreford-Brown entrou em campo com moedas de ouro no bolso do calção e as distribuiu para os profissionais que marcaram gols, como forma de protesto pela mercantilização do futebol. Como jogador, ele defendeu o Old Carthusians e o Corinthian FC, único time a representar a seleção inglesa até hoje.
No Corinthian, Wreford-Brown foi um dos maiores responsáveis pela batalha do time na recusa ao profissionalismo. Tanto foi assim que o clube foi obrigado a deixar o Campeonato Inglês, organizado pela FA. Até poderia disputar a Copa da Inglaterra, mas não se dispôs a jogá-la (e nem qualquer outro torneio). A proibição durou até 1900, quando o Corinthian passou a jogar algumas competições. Isso até Wreford-Brown entrar novamente em cena como um dos pilares da criação da Aliança Amadora do Futebol, em 1907, e de sua Liga, em 1914. Filiado à AFA, como ficou conhecida a aliança, o Corinthian não pôde mais enfrentar qualquer time profissional.

 

 

Recorte do Jornal O Estado de S. Paulo falando sobre a excursão do Corinthian em São Paulo

Recorte de O Estado de S. Paulo destaca a excursão do Corinthian em 1910

Por causa disso, o clube passou a excursionar pelo mundo em países como Suécia, África do Sul, Estados Unidos e Brasil, por onde passou em 1910. Segundo John Mills, a evolução na estrutura das ligas profissionais, que aconteceria algum tempo depois, começou a inviabilizar uma prática que era muito comum: “Os times ingleses faziam muitas excursões, especialmente pelas colônias britânicas como África do Sul, Canadá e Austrália, onde chegavam como embaixadores, mestres do futebol. O Corinthian veio ao Brasil a pedido de Charles Miller e do Fluminense. Na época, uma viagem dessa durava mais ou menos seis meses, então era preciso pedir dispensa das ligas”.
A equipe do Corintian era uma verdadeira seleção e goleava até mesmo os campeões profissionais em amistosos. Com 15 gols em três jogos em São Paulo, o Corinthian encantou cinco operários paulistanos que fundaram, alguns dias depois, o Sport Club Corinthians Paulista. A profissionalização do futebol, entretanto, foi fatal para o clube inglês, que em 1939 se fundiu ao Casuals e deu origem ao Corinthian-Casuals, que hoje está na quinta divisão na hierarquia do futebol britânico.
Rendido ao profissionalismo, Wreford-Brown foi técnico da seleção inglesa nos Jogos Olímpicos de Berlim, em 1936, sendo eliminado nas quartas de final para a Polônia ao perder por 5 a 4. A partir de 1944 e até sua morte, em 1951, trabalhou como vice-presidente da própria FA durante o mandato de Sir Stanley Rous, que foi presidente da FIFA entre 1961 e 1974. “O amadorismo resistiu até mais ou menos 1910”, finaliza Mills. “Hoje, ainda existem times amadores, como o próprio Corinthian-Casuals, mas em outras ligas menores, sem condição de competir com os grandes”.

Esta página contém links de afiliados. Ao fazer uma compra por um desses links, o Guia dos Curiosos recebe uma comissão e você não paga nada a mais por isso.

Artigos Relacionados

A Rádio ONCB e as Paraolimpíadas de Tóquio 2020

A Rádio ONCB e as Paraolimpíadas de Tóquio 2020

Os Jogos Paraolímpicos de Tóquio começam na próxima terça-feira, dia 24. Marcus Aurélio Carvalho, diretor e apresentador da Rádio ONCB, emissora web da Organização Nacional de Cegos do Brasil, explica como será a cobertura diferenciada do evento. Marcus fala também de...

O autor de 150 hinos de times de futebol

O autor de 150 hinos de times de futebol

O compositor paulista Carlos Santorelli tem mais de 2 mil músicas gravadas. Em 1997, ele lançou um CD com hinos para os principais times do Rio Grande do Norte compostos por ele. Depois, em 2011, veio outro, desta vez com times paraibanos. Mas foi a partir de 2017 que...

Pugilista perdeu a orelha e não consegue usar máscara?

Pugilista perdeu a orelha e não consegue usar máscara?

Em novembro de 1996, o pugilista Evander Holyfield, pentacampeão mundial dos pesos-pesados, desafiou Mike Tyson pelo título da Associação Mundial de Boxe. Holyfield venceu de forma surpreendente ao realizar a proeza de nocautear Tyson no 11º round. Em junho do ano...

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This