Estados Unidos
Quando o aluno termina o curso equivalente ao nosso colegial, faz uma prova padrão em todo o país, que avalia suas habilidades com a língua inglesa e com a matemática. Com o resultado, ele anexa seu histórico escolar, currículo e envia toda a documentação às universidades em que deseja estudar, dizendo quais os cursos escolhidos. Cada instituição define seus próprios critérios de seleção, que podem incluir cartas de recomendação, entrevistas, testemunhos ou questionários biográficos. Esse método também é usado na Inglaterra, Austrália, parcialmente na França (Grandes Écoles), na Espanha, no Japão e para o curso de medicina na Alemanha.

Alemanha
Não há vestibular. Para se candidatar a uma vaga na universidade, o que conta são as notas de conclusão do ensino médio (certificado Abitur). Com o certificado, o aluno escolhe a instituição que quiser e esta decide se o aceita ou não. No país, há também o sistema de tempo de espera, em que o candidato fica na fila do curso que quer fazer.

Argentina e Bélgica
Os alunos entram automaticamente na universidade e frequentam um ciclo básico de estudos. Somente quem é aprovado nesse ciclo segue os estudos.

Portugal
O Ministério da Educação organiza uma “prova geral de acesso”. Alguns cursos têm mais uma prova específica. No caso de direito, por exemplo, o teste direcionado à área é composto de questões de história e filosofia.

Holanda
Os candidatos acumulam cupons de acordo com as notas no 2º grau. Na Alemanha, já foi usado também para o curso de medicina.