Novo Livro O Guia dos Curiosos - Edição Fora de Série

Por que chamamos de “nababo” quem tem uma vida cheia de luxos?

24 de abril de 2019

Trata-se de uma herança vinda dos séculos XVI, XVII e XVIII. Nessa época, em diversas regiões do Oriente (principalmente no Império Mongol, na Índia e na Pérsia), a figura do nababo representava um vice-rei ou um governador de uma das províncias locais. Tem origem na palavra árabe “nabob”, que significa “delegado”.

Os tais nababos tinham o hábito de realizar festas suntuosas e cheias de mordomias. Por isso, viraram referência de uma vida abastada. E não é só no Brasil. Em inglês, desde o século XVII usa-se o termo “nabob” (uma variação de “nawab”, que é a tradução de fato de “nababo”) para designar grandes comerciantes que prosperaram.

A partir do século XVIII, esteve mais relacionado àqueles que enriqueceram na Índia. Algum tempo depois, passou a ganhar um peso parecido ao que hoje temos no Brasil, associando-se aos que não só possuem grande condição financeira, como conscientemente tentam mostrá-la o tempo todo.

Esta página contém links de afiliados. Ao fazer uma compra por um desses links, o Guia dos Curiosos recebe uma comissão e você não paga nada a mais por isso.

Artigos Relacionados

Por que o céu é azul?

Por que o céu é azul?

A razão pela qual o céu é azul está relacionado em como a luz do sol é espalhada pelas moléculas que nós temos na nossa atmosfera. Na verdade, a luz do sol tem vários comprimentos de onda, tem várias cores, então a emissão do sol é emissão em banda larga com várias...

Tipos de ameaças para o computador

Tipos de ameaças para o computador

  Cavalo-de-Tróia Em inglês, tem o nome de “trojan”. Para que a infecção aconteça, o usuário precisa instalá-la no computador. Por isso, a ameaça chega em e-mails disfarçados. Dialer É um programa instalado sem autorização. O modem do usuário é utilizado para...

Xingamentos e palavrões

Xingamentos e palavrões

Por que xingar é tão bom? Depois de acertar o dedo com um martelo, o pesquisador Richard Stevens, da Universidade de Keele, na Inglaterra, tentou entender. O acadêmico realizou um teste interessante: juntou várias pessoas e fez com que elas...

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This