Antes da Olimpíada, muito se falou sobre o hábito do chinês de cuspir na rua. Segundo a medicina chinesa, tudo o que faz mal para o corpo deve ser colocado para fora. Não importa onde o sujeito esteja. A Prefeitura de Pequim fez uma enorme campanha de conscientização e estipulou também uma multa para os porcalhões. Como final de Olimpíada sempre é hora de balanço final, apresento o meu. Nos 20 dias em que estive em Pequim, vi onze cusparadas. Dez foram de homens e apenas uma de mulher. Dos dez homens, quatro eram motoristas de táxi (um teve o requinte de abrir a porta para cuspir). A pior de todas foi vista no Mercado de Antiguidades de Panjiayuan. O cara ameaçou duas vezes com aquele “rrrrrrrrrr”. Aí veio a cusparada. Nojenta! Dos dez homens, apenas um não era chinês. Era cinegrafista de uma TV da Alemanha.