Novo Livro O Guia dos Curiosos - Edição Fora de Série

Morcego, ratazana, baratinha e companhia, está na hora da feitiçaria!

25 de maio de 2020

Lançado em 9 de maio 1994 pela TV Cultura, o “Castelo Rá-Tim-Bum” é até hoje a maior produção infantil já feita pela TV brasileira. O projeto, que entrou para a memória afetiva de tantas gerações, é esmiuçado no livro “Raios e Trovões – A História do Fenômeno Castelo Rá-Tim-Bum”, do jornalista Bruno Capelas. O “Castelo” teve um total de 90 episódios de 30 minutos, exibidos até 24 de dezembro de 1997 e reprisados depois por vários anos. Confira a entrevista de Bruno Capelas para o “Você é Curioso?” de 07/12/2019

Bruno, qual é a sua idade? Vamos ver se o “Castelo Rá-Tim-Bum” influenciou mesmo a sua vida…
Tenho 27 anos, nasci em 1992, então eu faço parte da geração Cultura. Chegava da escolinha e, enquanto minha mãe fazia o jantar, e eu assistia ao Castelo.

Como nasceu a ideia do livro?
O livro, na verdade, nasceu de uma necessidade acadêmica. Precisava de um tema para meu TCC (Trabalho de Conclusão de Curso) e queria que fosse algo “muito meu”. Até que, um dia, vendo TV com minha irmã, acabamos caindo no “Castelo”. Ficamos assistindo juntos e, no final, cheguei à conclusão que aquele seria o meu tema. Queria descobrir como o programa, que marcou minha infância, tinha sido feito. Depois do TCC entregue e de mais alguns anos de trabalho, o livro saiu.

Você conta no livro que entrevistou 30 pessoas que participaram de toda a criação do programa. Como nasceu o “Castelo” dentro da TV Cultura?
O “Castelo” surge como uma continuação do “Rá-Tim-Bum”, primeira grande produção infantil da Cultura, dirigido por Fernando Meirelles e Marcelo Tas. Esse programa teve 190 episódios de muito sucesso. A Cultura pediu um segundo programa, mas o Meirelles e o Tas não estavam disponíveis. Por isso, a emissora convidou o Cao Hamburger e o Flávio de Souza para essa nova produção. Eles começaram a ter tantas ideias que o novo programa virou uma coisa muito cara e muito maluca. Decidiram, então, pegar apenas um pedaço, que era a história de um cientista dentro de um castelo, em uma colina, uma coisa meio Frankenstein. O programa foi aprovado e iria se chamar “Castelo Encantado”. Na hora de pedir apoio, a Cultura procurou a FIESP (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo), patrocinadora do “Rá-Tim-Bum”. A FIESP disse que só patrocinaria o projeto se ele chamasse “Castelo Rá-Tim-Bum”. Assim a TV Cultura acabou criando a franquia.

Quais foram as referências para o surgimento dos personagens?
São muitas, vou dar alguns exemplos. A ideia dos personagens que visitam o Castelo, como Bongô, Penélope, Doutor Abobrinha e Etevaldo, foi toda inspirada no Batman dos anos 1960. O Cao Hamburger assistia ao seriado quando era criança e comentou comigo: “Cada episódio tem um vilão diferente e de um jeito diferente, o que torna os episódios do Coringa diferentes dos episódios do Pinguim e da Mulher Gato”. Ele quis trazer essa característica para o “Castelo”. O Doutor Vítor veio de Victor Frankenstein, o criador do monstro na história da Mary Shelley. O Nino é inspirado na personagem Nina do “Rá-Tim-Bum”, que anda com uma boneca careca. As fadas Lana e Lara são nomes tirados de duas paixões de Fábio de Souza: a atriz Lana Turner a Lara, personagem do romance “Doutor Jivago” [do escritor russo Bóris Pasternak].

O Nino virou um personagem que ficou até maior do que o próprio Castelo. Tem alguma história por trás da escolha do ator Cássio Scapin?
O Phillippe Barcinski, que era estagiário do Cao Hamburger e hoje é diretor de TV, ia muito ao teatro. Na época, ele foi ver o ator Cássio Scapin em uma peça chamada “Tamara” e o convidou para fazer um teste. A curiosidade é que o Cássio não se dava bem com crianças e resolveu que, para lidar com isso, teria que ser mais chato do que elas. Tem uma história em que a Cynthia Raquel, a Biba, usava sempre um short por baixo do vestido, que era o figurino da personagem. Certo dia, justo quando não estava usando a peça, Cynthia foi virada de cabeça para baixo por Cássio.

Tem alguma outra curiosidade sobre a escolha do elenco?
Nos planos originais, Nino e Morgana não seriam interpretados por Cássio Scapin e por Rosi Campos. Os escolhidos eram Ary França e Mirian Muniz. Encontrei isso em um documento interno da TV Cultura. Penélope seria feita por Denise Fraga, que estava bombando na época com a peça “Trair e Coçar é só Começar”. Ela acabou assinando com o SBT para fazer uma novela que nunca foi ao ar.

Os bordões, como o “É Hora da feitiçaria” e “Raios e Trovões”, foram todos criados por Flávio de Souza?
Não. O “Castelo” tinha uma equipe de vários roteiristas, que incluía Ana Muylaert, Dionísio Jacob, mais conhecido como “Tacos”, e Fernando Bonassi.

Como era a audiência?
Quando estreou, a média do “Castelo” era de 6, 8 pontos [o recorde foi de 14 pontos]. Quando passava à noite, no horário nobre, chegava a roubar o segundo lugar do SBT. Tem uma história engraçada, de quando o Silvio Santos pegou avião com o Roberto Muylaert, então presidente da TV Cultura. Eles estavam conversando e o Silvio disse: “Eu ficava incomodado porque vocês faziam uns programas legais, roubavam audiência, mas não ganhavam dinheiro com isso”.

Além do programa, o “Castelo Rá-Tim-Bum” já foi tema de livro, exposição, filme… E tudo isso ainda chama muita atenção nos dias de hoje. Tem alguma explicação que a gente possa dar como segredo desse sucesso?
Acho que são vários fatores envolvidos. O primeiro é que o “Castelo” trata a criança com respeito e inteligência. Quer ensinar alguma coisa para a criança? É só colocar no contexto que ela entende. Pode ser Manuel Bandeira, Paulo Leminski ou Leonardo da Vinci… Outra coisa importante é que a TV Cultura vinha fazendo programas infantis ao longo de uma década. Várias pessoas aprenderam a fazer TV para criança, com uma experimentação que fizesse sentido. Esse clima criativo se refletiu no “Castelo”. O formato também era inovador: tinha muita coisa diferente para várias idades e tipos de crianças. Legal também era o conceito de família, algo que o Flávio de Souza roubou da Disney: não há a figura do pai e da mãe, mas sim do tio e da tia, e isso contempla qualquer criança.

Era uma produção muito cara?
Era cara para os padrões da TV Cultura na época. Mas o “Castelo” era cheio de coisas um pouco improvisadas, um pouco engenhosas. No quadro dos passarinhos, por exemplo, as duas atrizes, Ciça Meirelles e Dilmah Sousa, eram fixas. Ao contrário do que diz uma lenda urbana da internet, Sandra Annenberg nunca participou do programa. Já o passarinho, interpretado por um músico, mudava de acordo com o instrumento. Como havia um único figurino, a ideia foi criar uma roupa de lycra, que servisse tanto no mais magrelo quanto no mais corpulento.

Leia também: Leilão da exposição “Castelo Rá-Tim-Bum” teve peças arrematadas por até 460 reais

Quem cuidou da trilha sonora?
A trilha sonora é coisa de primeiro time, formado por Hélio Ziskind, André Abujamra e Luiz Macedo. O Hélio conta uma coisa muito legal também da música “Passarinho, que som é esse?”. O objetivo era ensinar a criança como era cada instrumento. Então a mesma música, que mantinha algumas partes iguais, ia variando de acordo com o improviso do som do instrumento. Uma sacada genial!

O “Castelo” foi vendido para outros países?
Ele chegou a ser exibido em outros países da América Latina, como Cuba e Venezuela. Mas fez pouco sucesso por causa da dublagem, uma dificuldade que a TV Cultura apresentava.

Esta página contém links de afiliados. Ao fazer uma compra por um desses links, o Guia dos Curiosos recebe uma comissão e você não paga nada a mais por isso.

Artigos Relacionados

Seriados de suspense e sobrenatural nos primeiros anos da TV

Seriados de suspense e sobrenatural nos primeiros anos da TV

No programa "Quem Te Viu, Quem TV", o especialista em televisão Magalhães Júnior apresentou uma lista seriados de suspense e de sobrenatural que foram exibidos nos primeiros anos da TV brasileira e que eram os preferidos dele como telespectador. "Além da Imaginação"...

Os primeiros trabalhos de Luís Gustavo na TV

Os primeiros trabalhos de Luís Gustavo na TV

Falecido em 19 de setembro de 2021, aos 87 anos, o ator Luís Gustavo recebeu muitas e merecidas homenagens. Vários de seus inesquecíveis personagens foram lembrados: o bon vivant Beto Rockfeller, o detetive Mário Fofoca, o figurinista Victor Valentin e o impagável...

A briga de Lilico e Gilberto Gil por causa daquele abraço

A briga de Lilico e Gilberto Gil por causa daquele abraço

Olívio Henrique da Silva Fortes, o comediante Lilico, começou a carreira artística em 1958 como imitador. Mas não um imitador qualquer. Ele imitava as imitações de atores e narradores feitos pelo grande José Vasconcelos. Com o tempo, Lilico passou a imitar também...

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This