As famosas placas azuis londrinas identificam locais em que personalidades viveram em Londres. Há algumas regras estabelecidas pela comissão que cuida disso. Os homenageados devem ter nascido há mais de 100 anos e precisam ter morrido há pelo menos 20 anos. O primeiro homenageado foi o poeta Lord Byron, em 1867. Mas o local em que ele viveu acabou demolido em 1879 e essa placa não existe mais.

Hoje são 950 placas homenageando cientistas, artistas, filósofos, escritores, músicos, políticos. Há guias mostrando onde elas estão instaladas para alegria de fãs e turistas. Apenas 14% desse total são mulheres. Tanto que, desde 2016, uma campanha conseguiu que as homenagens passassem a ser divididas. Uma das mais recentes, instalada em setembro de 2021, é a placa que mostra onde a Princesa Diana morou depois de sua separação com o Príncipe Charles.

A jornalista Letícia Nascimento encontrou um brasileiro que também ganhou essa honraria: Joaquim Nabuco serviu como diplomata em Londres e residiu na cidade entre 1900 e 1905.