Novo Livro O Guia dos Curiosos - Edição Fora de Série

A incrível história dos Wallendas Voadores

7 de novembro de 2011

Por mais que Karl Wallenda, nascido em 1905, tenha levado a família ao estrelato, os alemães de sobrenome Wallenda já faziam sucesso como artistas circenses pelo menos desde 1780. Eles viajavam pela Europa se apresentando pelas cidades e ficaram conhecidos pelas habilidades no trapézio.

Karl nasceu na cidade de Madgeburg e já se apresentava com os parentes aos 6 anos de idade. Ele empilhava séries de cadeiras e se equilibrava com as mãos no topo delas. No começo da década de 1920, viu um anúncio no jornal que pedia um “equilibrista experiente e corajoso” – na nova função, ele deveria  seguir o acrobata Louis Weitzmann na corda-bamba e plantar bananeira nos pés do chefe, que estaria deitado no fio.

Juntou-se ao irmão Herman e aos acrobatas Josef Geiger e Helen Kreis – que se tornaria esposa de Karl. Eles viajaram apresentando uma pirâmide de quatro pessoas: dois homens andavam de bicicleta em uma corda-bamba a 15 metros de altura. Nos ombros deles, ficava uma barra que levava uma cadeira. Karl se equilibrava no assento, enquanto Helen ficava de pé em seus ombros. O grupo fez esse número no Madison Square Garden, em Nova York, em 1928, sem rede de proteção. Ela tinha sido perdida durante o transporte do equipamento.


O nome “Wallendas Voadores” surgiu quando a corda-bamba arrebentou em uma apresentação do grupo em Ohio, nos Estados Unidos,  sem que ninguém se machucasse. A imprensa local comentou “Os Wallendas caíram tão graciosamente que pareciam estar voando”.

A família não teve tanta sorte com a pirâmide de sete pessoas. O truque, inventado por Karl, era feito com sucesso desde 1947. Quatro homens ficavam em pé em uma corda a 10 metros de altura, dando suporte a outros dois homens. No topo, ficava uma mulher equilibrada em uma cadeira. Porém, em 30 de janeiro de 1962, os Wallendas Voadores se apresentavam em Detroit quando um dos homens da base da pirâmide pisou em falso e três acrobatas caíram no chão. Dois deles morreram. O terceiro ficou paralítico: era Mario, filho de Karl.


Em 1978, aos 73 anos, o próprio Karl caiu durante uma caminhada na corda-bamba em Porto Rico. Eram 250 metros de fio entre dois prédios de 10 andares. Há duas versões diferentes para sua queda: enquanto alguns espectadores dizem que o vento mudou de direção e velocidade durante a travessia, a família culpa a corda utilizada.

A história da família é retratada no filme Os Wallendas, de 1960, com Lloyd Bridges no papel de Karl Wallenda. Mesmo com a morte do patriarca, descendentes mantêm viva a tradição da família. Veja, abaixo,  um vídeo do grupo de Tino Wallenda, neto de Karl, recriando a desafiadora pirâmide de sete pessoas.

Esta página contém links de afiliados. Ao fazer uma compra por um desses links, o Guia dos Curiosos recebe uma comissão e você não paga nada a mais por isso.

Artigos Relacionados

Princesa Diana ganha placa azul em Londres

Princesa Diana ganha placa azul em Londres

As famosas placas azuis londrinas identificam locais em que personalidades viveram em Londres. Há algumas regras estabelecidas pela comissão que cuida disso. Os homenageados devem ter nascido há mais de 100 anos e precisam ter morrido há pelo menos 20 anos. O primeiro...

Por dentro do Memorial Clara Nunes

Por dentro do Memorial Clara Nunes

O Memorial Clara Nunes, em Caetanópolis-MG, cidade natal da cantora, acaba de completar nove anos. O museu, que já tem 10 mil itens catalogados, está fechado para reformas estruturais no momento. Conversamos com o historiador...

Curiosidades de Tarcísio Meira e Paulo José

Curiosidades de Tarcísio Meira e Paulo José

O pesquisador da história da TV brasileira Magalhães Júnior presta uma homenagem a dois grandes artistas que o Brasil perdeu nos dias 11 e 12 de agosto: Paulo José e Tarcísio Meira. Destacou três curiosidades de cada um deles: ...

7 Comentários

7 Comentários

  1. Gabi

    Oh povo pra gostar de se equilibrar numa vara … vixe !!!

    Responder
  2. Anderson

    Um dos melhores filme que eu já assiti,muito emocionante

    Responder
  3. janaina

    Chorei muito com o filme

    Responder
  4. lourdes

    filme muito comovente;gostaria de assistir de novo

    Responder
  5. luzardo lua nova

    hoje dia do circo mas triste lembrança da minha infancia recordando o filme os wallendas voadores filme muito comovente gostaria de ver novamente.

    Responder
  6. Hugo

    Vi os Wallendas Voadores em Belo Horizonte mais ou menos em 1954. Fizeram caminhada na corda, do pé de uma árvore frondosa na Praça Raul Soares até o topo do prédio mais alto. Ida e volta, subida e descida. Depois fizeram também com uma motocicleta. Nunca me esquecerei daqueles momentos, quanta coragem! E noutra época voltaram a Belo Horizonte, mas não tive oportunidade de vê-los atravessando a Avenida Afonso Pena com a corda amarrada no alto de dois prédios. Aproximadamente 30 a 40 metros de altura! Fantásticos!

    Responder
  7. jussara wellington

    Uma das mais marcantes cenas que ja tive o privilegio de assistir ao vivo em Belo Horizonte e ,.Tinha 3 anos e jamais me esqueci. Voces viram Nick Wallenda em Chicago neste ultimo domingo?????? A tradicao continua.Parabens a eles.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This