Novo Livro O Guia dos Curiosos - Edição Fora de Série

Antibiótico

24 de abril de 2019

1. A coalhada de soja embolorada parece ter sido o primeiro antibiótico natural, utilizado pelos chineses por volta de 500 a.C. para tratar furúnculos e outras infecções semelhantes. Quase tão antigo, e presente em várias civilizações, é o uso de pão embolorado e teias de aranha em ferimento infeccionados.

2. Embora os médicos tenham procurado nos 2 mil anos seguintes uma espécie de medicamento que combatesse a infecção por bactérias, nenhum pesquisador pensou em investigar cientificamente o folclore medicinal em relação aos bolores.

3. O primeiro antibiótico moderno, a penicilina, foi uma descoberta casual do bacteriologista escocês Alexander Fleming, em 1928. Fleming havia sido um oficial médico nos hospitais militares da Inglaterra durante a Primeira Guerra Mundial.

4. Notando a séria necessidade de um agente bactericida para tratar dos ferimentos infeccionados, após a guerra retornou ao St. Mary’s Hospital, em Londres, para pesquisar sobre o problema.

5. Em 1928, enquanto estudava o Staphylococcus aureus, uma bactéria responsável pelos abscessos e várias outras infecções, Fleming entrou de férias por alguns dias, deixando seus recipientes de vidro com cultura sem supervisão. Ao retornar, notou que a tampa de um dos recipientes havia escorregado e que a cultura havia sido contaminada com o mofo da atmosfera.

6. Fleming estava a ponto de jogar fora a cultura quando a curiosidade o fez examiná-la. Na área onde o bolor estava crescendo, as células do Staphylococcus haviam morrido. Ele imediatamente percebeu o significado dessa descoberta e verificou que o bolor, uma espécie do fungo Penicillium, estava secretando uma substância que destruía as bactérias. Embora ele não tenha conseguido isolar a substância – o que foi feito dez anos depois por Ernst B. Chain e Howard W. Florey, na Inglaterra -, ele a chamou de penicilina.

7. Muitos cientistas estavam céticos quanto ao potencial do bolor que havia aparecido por acaso na lâmina de Fleming. Não se mostravam dispostos a experimentar em seus pacientes um bolor comum. Outros problemas resultaram da fragilidade do bolor: ele era fraco, impuro e facilmente destrutível pelas mudanças climáticas e acídicas. Eram necessárias grandes quantidades para obter uma concentração de penicilina suficiente para um único paciente, e Fleming não tinha verba suficiente.

8. Com a Segunda Guerra Mundial houve uma necessidade de antissépticos para combater as infecções das tropas feridas. O dr. Howard Walter Florey, professor de patologia em Oxford, tinha ouvido falar sobre o bolor de Fleming e levou a pesquisa adiante.

9. Com uma equipe de 20 cientistas e técnicos, Florey cultivou novamente o bolor de Fleming. Durante meses, a equipe manteve enormes tonéis de um caldo embolorado e malcheiroso, tentando extrair o ingrediente principal. O dr. Ernst Boris Chain conseguiu extrair da solução um pó marrom, que destruiu instantaneamente algumas bactérias; na verdade, o extrato continha apenas cerca de 5% de penicilina em sua forma química pura.

10. Os cientistas testaram a substância em 80 diferentes micróbios; descobriram que os fluidos do sangue não eram hostis à substância e que os glóbulos brancos não eram danificados nem se tornavam inativos. Prepararam um sal de penicilina (contendo sais de sódio e cálcio), que era mais estável do que o bolor, e foram bem-sucedidos na cura de ratos que receberam injeções de doses fatais de Staphylococcus aureus, Streptococcus pyogenes, e outras bactérias. Suas descobertas formaram a base para o tratamento com penicilina que se pratica até nossos dias.

11. Em 1940, a penicilina foi utilizada, na Inglaterra, no primeiro paciente humano, um policial com um quadro avançado de infecção sangüínea. Por cinco dias os médicos administraram a droga a cada duas ou três horas (a penicilina sai rapidamente do corpo pela urina e, por isso, deve ser reposta em intervalos freqüentes e regulares). O policial havia se recuperado significativamente quando o suprimento de penicilina se esgotou e as injeções foram suspensas.

12. A infecção alastrou-se e acabou por vencê-lo. Os cientistas britânicos ainda não tinham conseguido produzir penicilina em quantidade suficiente para salvar uma vida. Num segundo caso, no entanto, um jovem, que também sofria com uma infecção sangüínea, recebeu penicilina suficiente para se recuperar.

 

Livro traz a história das maiores invenções da humanidade organizadas em linhas do tempo

Esta página contém links de afiliados. Ao fazer uma compra por um desses links, o Guia dos Curiosos recebe uma comissão e você não paga nada a mais por isso.

Artigos Relacionados

Quem é a Maria que deu nome à Bolacha Maria?

Quem é a Maria que deu nome à Bolacha Maria?

A Bolacha Maria foi criada em 1874 por uma padaria inglesa, a Peek Freans, para celebrar o casamento de Alfredo Ernesto Alberto, o Duque de Edimburgo, com a grã-duquesa Maria Alexandrovna, da Rússia, no dia 23 de janeiro daquele ano. Todas as bolachas servidas na...

A verdadeira história da bala 7 Belo

A verdadeira história da bala 7 Belo

Escrevi para a assessoria de imprensa da Arcor, dona da marca 7 Belo desde 2001, pedindo ajuda para contar a história da bala cinquentenária. O departamento de marketing não quis passar informações. No jogo de cartas, 7 Belo é o apelido que a carta “7 de ouros” ganhou...

A origem dos bolinhos madeleines

A origem dos bolinhos madeleines

As madeleines têm uma função muito importante na monumental obra de Marcel Proust. "Em busca do tempo perdido", o autor francês utiliza o momento em que a tia mergulha um bolinho na xícara de chá para evocar saborosas lembranças. [yotuwp type="videos" id="7h9WokS7PoQ"...

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This