Novo Livro O Guia dos Curiosos - Edição Fora de Série

Como é escolhido o nome de um furacão

29 de agosto de 2011

O furacão Sandy chegou ontem em Nova York, e causou estragos. As ruas e estações de metrô foram inundadas; carros ficaram submersos; incêndios foram provocados; usinas nucleares tiveram de ser desligadas; milhões de casas ficaram sem energia e mais de 20 pessoas morreram.

Mas como são escolhidos os nomes desses fenômenos meteorológicos? Antigamente, eles não recebiam nomes próprios. Os estudiosos os classificavam por números ou pelo alfabeto fonético dos militares (uma palavra representa a letra que a inicia, por exemplo: Able equivale a A, Baker, a B e Charlie, a C). Deu certo apenas até 1953, quando o alfabeto fonético internacional foi remodelado, gerando confusões.
A partir daí, foram usados nomes femininos. Uma das versões para isso diz que, informalmente, os meteorologistas já batizavam os furacões em homenagem a suas namoradas e esposas. Em 1953 e 1954, as tempestades que atingiram os Estados Unidos foram chamadas de Florence, Carol, Hazel e Edna.
Com o fortalecimento dos movimentos feministas na década de 1970, nomes masculinos também passaram a ser dados em 1978. Nomes femininos são usados em tempestades de número par durante anos ímpares, enquanto os masculinos ficam para as tempestades de número ímpar em anos pares.
Todo ano, é usada uma das seis listas com 21 opções, cada uma começando com uma letra do alfabeto. As letras Q, U, X, Y e Z não são usadas, já que iniciam poucos nomes. A primeira tempestade tropical do ano recebe o nome que tem a letra A, enquanto a segunda recebe a letra B e assim por diante. As listas se repetem a cada seis anos – já houve um furacão Irene em 1999 (atravessou Cuba e atingiu parte da Flórida) e outro em 2005 (não causou grandes danos).

Quando um furacão causa muitos problemas, como destruição e mortes, seu nome é retirado da lista. O Katrina, por exemplo, de 2005, não aparecerá novamente por ter devastado a cidade de Nova Orleans. A letra K da lista de 2011 passou a ser Katia.

Esta página contém links de afiliados. Ao fazer uma compra por um desses links, o Guia dos Curiosos recebe uma comissão e você não paga nada a mais por isso.

Artigos Relacionados

Criador do Cubo Mágico lança livro de memórias

Criador do Cubo Mágico lança livro de memórias

Acaba de ser lançado nos Estados Unidos  “Cubed - The Puzzle of Us All”, livro de memórias do professor de arquitetura húngaro Erno Rubik, que criou o famoso Cubo Mágico - e, por isso, também chamado Cubo de Rubik. Quando inventou o brinquedo, em 1974, Rubik não tinha...

4 Comentários

4 Comentários

  1. ThainaraF

    Interessante, eu já suspeitava do por que de nomes de mulheres….. kkkk e quando são tempestades de numero impar em ano impar ? ou par em ano par?

    Responder
  2. Jean Carlos Peres

    Gostaria de ler Historia de pessoas que fizeram o bem para Humanidade com suas invençoes ou Descobertas Ex Albert Sabin, Louis Pasteur,

    Responder
  3. Antonio Mier

    …e antigamente eles recebiam nomes de mulheres porque “por onde passavam, destruiam tudo”…hehehehe

    Responder
  4. Luiz

    marcelo, já ouviu falar na “igreja naturalista jim morrisom” em atibaia – sp? parece que existe só pra evitar pagar impostos que são isentos para esse tipo de “atividade”. curisoso hein? hehe
    abraço

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This