Novo Livro O Guia dos Curiosos - Edição Fora de Série

Ex-prédio de Clodovil perde suas trepadeiras e também seu charme

2 de dezembro de 2014

Um dos prédios mais charmosos da cidade está passando por transformações. As trepadeiras que cobriam toda a fachada de 72m² do Edifício São Carlos foram despejadas aos poucos em uma caçamba na Rua Lourenço de Castanho. O número 930 da Avenida República do Líbano, em frente ao Parque Ibirapuera, tornou-se famoso por sua decoração e também por ter sido moradia do estilista e deputado federal Clodovil Hernandes, falecido em 2009. Há três meses, alegando reformas estruturais, o conselho gestor do local decidiu podar todas as plantas da fachada. Por enquanto, somente as folhas de falsa-vinha da parede principal não foram retiradas. “Perdeu o charme”, afirma Adeilton Rolin, funcionário do local há 14 anos. “Estamos colocando revestimento novo para fazermos tratamento de ferragens”.

fachada

Como está hoje o Edifício São Carlos, quase sem as plantas…

Antigamente, o prédio era coberto de plantas

… e como era até agosto deste ano

O Edifício São Carlos foi inaugurado em 1954 e, desde então, nunca passou por reformas. As primeiras sementes da falsa-vinha foram plantadas junto com o nascimento do prédio. Hoje, ao todo, são 24 troncos da planta circundando as quatro paredes do edifício, dividido por dez apartamentos de 80m² cada um – o condomínio é de 1.200 reais por mês. O planejamento é para que as folhas sejam colocadas novamente até o final de 2015. De acordo com o biólogo da USP, Milton Groppo, o trâmite não é tão simples assim. “Demorará aproximadamente uma década para voltar a ser como antes, isso se crescer de forma natural”, afirma. Sobre as paredes que voltarão a ser revestidas com plantas, há uma desavença: o funcionário Adailton ouviu que as trepadeiras serão devolvidas em toda a fachada, mas o zelador Aguinaldo garante que somente a parede da Rua Lourenço Castanho será coberta com a falsa-vinha.

P1090339

Marimbondos causaram um prejuízo de 500 reais a Geraldo, que teve que comprar uma dentadura

Apesar da alegação de “reforma estrutural”, havia reclamações por parte dos condôminos por causa do grande número de insetos que se alocavam nas plantas e também pelos apartamentos estarem sempre frios. Neste ano, uma raiz da planta nasceu dentro de um encanamento e a calçada teve que ser quebrada para reforma. O encarregado-geral da obra, Geraldo Lourenço Pinheiro, sentiu na pele as críticas dos moradores. “Quatro marimbondos pregaram na minha cara, comecei a dar socos para tirá-los e acabei quebrando meus dentes”, conta Geraldo, de 67 anos. “Gastei 500 reais com dentadura.” Além dos marimbondos, o encarregado-geral levou uma picada de abelha no pescoço. A obra está sendo tocada pela Project Engenharia, que deve finalizar os trabalhos até março de 2015, para depois ser feito o paisagismo. As paredes permanecerão na cor bege até os troncos voltarem a crescer. Apesar de alguns moradores celebrarem a retirada das plantas, Adailton Rolin garante que um antigo inquilino certamente esbravejaria sobre a reforma do prédio. “O Clodovil ficaria doido da vida, xingaria até a última geração por terem tirado as trepadeiras”, diz. “Ele adorava ficar andando pelo prédio, olhando as plantas.”
Atualização em 23 de fevereiro de 2015:

P1090660

O prédio perdeu completamente suas trepadeiras: fim das obras está previsto para setembro

Esta página contém links de afiliados. Ao fazer uma compra por um desses links, o Guia dos Curiosos recebe uma comissão e você não paga nada a mais por isso.

Artigos Relacionados

Criador do Cubo Mágico lança livro de memórias

Criador do Cubo Mágico lança livro de memórias

Acaba de ser lançado nos Estados Unidos  “Cubed - The Puzzle of Us All”, livro de memórias do professor de arquitetura húngaro Erno Rubik, que criou o famoso Cubo Mágico - e, por isso, também chamado Cubo de Rubik. Quando inventou o brinquedo, em 1974, Rubik não tinha...

7 Comentários

7 Comentários

  1. Eric

    Como ex morador do prédio por uma década eu vi o crescimento rápido das Heras, apesar do biólogo ter afirmado que apenas em uma década o crescimento será completo eu dou um prazo de 3 anos, isso porque podávamos sem dó e a posição do sol e o solo do prédio são de PH e humidade perfeitos para a planta, aliás para entrar como detalhe na matéria, as heras foram plantadas nos anos 50 apenas para cobrirem o primeiro andar e elas avançaram até dentro do telhado. Era questão de dias viajando e eu tinha que tirar plantas de dentro do apartamento. E esses dias passei por lá para pegar correspondências e elas já ocupavam meio metro da parede lateral.
    Ficamos muito tristes ao decidir a retirada, mas realmente foram 6 décadas sem reforma e placas do rejunte estavam caindo nos carros e nas pessoas. Foi o principal motivo… As abelhas e insetos não eram assim tão frequentes, sempre tomamos conta disso e nunca tivemos problemas (ressalto uma vez com uma aranha em um dos apartamentos). Quanto ao Clodovil rs, ele ganhou fama mas apenas alugou temporariamente duas unidades e teve que devolver uma delas pouco tempo depois… Sempre foi muito preocupado com segurança e com certeza não se oporia a retirada para reforma… NAO TINHA JEITO!

    Responder
  2. William Cesar

    Tenho uma sugestão que poderia ser pelo menos considerada pelos moradores. Esse prédio, indubitavelmente, era (digo no passado, pois não é mais) um ícone em termos arquitetônicos. Talvez pudessem contratar artistas do porte de Os Gêmeos e “grafitar” todas as paredes do edifício. Todos poderiam eleger juntos um ou mais temas e decorar esse prédio tão simpático, localizado numa área tão nobre. Foram-se as plantas mas essa ausência poderia ser perfeitamente “resignificada” com algo belo para os olhos. Verdade que a natureza não estaria mais presentes, mas isso o Ibirapuera ali perto já dá conta.

    Responder
  3. Paula

    Willian, não viaja…Entupir o prédio de grafite (eufemismo para pixação)? Francamente! talvez contratar sço especializado para recolocar as plantas cobrindo a fachada de forma que não danifique a estrutura, isso sim. o charme eram justamente as trepadeiras. A Europa tá qualhada de construções assim…muito charmosas!

    Responder
  4. Camila Pereira

    Espero que no futuro os moradores pensem em criar um jardim vertical, para a própria valorização do imóvel. A reforma pode ter sido necessária, mas que falta que fazem as tais trepadeiras. De charmoso para horroroso em 3,2,1…

    Responder
  5. Tania darc

    Uma pena terem tirado. Alem de lindas estas plantas refrescam, protegem do sol e evitam pinturas. Parede nao fica úmida porque as folhas caem um vez p ano. A”falsa vinha” ou “hera de inverno” é recomendada por importante paisagista paulista.

    Responder
  6. Anônimo

    Realmente, as trepadeiras davam um charme todo especial.
    Uma pena que retiraram.

    Responder
  7. alcides manuel

    Sempre admirei o prédio pela beleza da fachada recoberta de falsa vinha o que da um charme tudo especial e pelo tempo de contrição é perfeitamente compreensíuvel uma eventual reforma. Quanto a retirada da falsa vinha da uma peninha … mesmo que temporariamente. Com certeza não demorará dez anos para recobrir novamente o prédio.A falsa vinha cresse muito rápido e existe as mudas geneticamente preparadas para repelir insetos . É uma questão de adquirir as mudas certas e cultiva las adequadamente, para que a fachada do predinho vota a ter o seu charme de sempre.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This