Novo Livro O Guia dos Curiosos - Edição Fora de Série

Livro tem capítulo inteiro dedicado a bandeiras de grupos terroristas

31 de agosto de 2017

Para escrever o “Almanaque das Bandeiras”, que lancei em 2001 pela Editora Moderna e hoje está fora de catálogo, comprei muitos livros sobre o assunto. Tenho um bom número deles na minha prateleira. A eles veio se juntar recentemente “A Flag Worth Dying For – The Power and Politic of National Symbols” (“Morrendo por uma Bandeira – O Poder e a Política dos Símbolos Nacionais”), do norte-americano Tim Marshall. De diferente dos outros, o que me chamou a atenção nesse foi o capítulo dedicado ao que o autor chamou de “Bandeiras do Medo”.

O capítulo é aberto com uma frase da escritora J.K. Rowling, autora da série Harry Potter: “Ter medo de um nome é ter medo de uma coisa”. Na sequência, Marshall destaca a importância de compreender as organizações terroristas a partir do significado de seus símbolos. Veja alguns exemplos que estão no livro:
Estado Islâmico

A bandeira do Estado Islâmico é preta com um círculo branco que se inicia no centro e se desloca por quase toda a parte inferior. Dentro desse círculo encontra-se uma inscrição em preto que traduzida do árabe significa “Maomé é o mensageiro de Deus”. Na parte superior da bandeira, a inscrição em branco pode ser traduzida para “Não há nenhum deus além de Deus”. São duas frases retiradas da chahada, a profissão de fé dos muçulmanos. Um detalhe interessante é a forma da escrita mal cuidada, quase grosseira. Trata-se de uma oposição à caligrafia bem certinha da bandeira da Arábia Saudita, que também faz uso de trechos da chahada. Assim, o EI se posiciona como um movimento que regressa aos verdadeiros ideais do Islã. O círculo branco da bandeira foi encontrado em forma muito semelhante no palácio Topkaki, em Istambul, e teria sido gravado por Maomé. Uma das profecias de Maomé versava sobre um conflito entre o exército romano (que hoje pode ser representado pelo Ocidente) e os islâmicos: “Bandeiras negras virão do leste e os matarão como nunca antes foi feito por uma nação”. Assim, os islâmicos venceriam a batalha e entrariam na Europa dentro dessa interpretação do Estado Islâmico.
Outros grupos jihadistas

 

O que diz a bandeira do Estado Islâmico? – Oriente Médio em Foco

Nigeriano Boko Haram tem bandeira semelhante à do Estado Islâmico

Um dos principais grupos opositores ao EI na Síria é o Jabhat Fateh al-Sham, que significa Front da Conquista da Síria. A bandeira também usa o retângulo preto com inscrições bancas grafadas em árabe clássico e retiradas da chahada. Esse estilo da bandeira do Estado Islâmico aparece em outros grupos como o al-Tawhid wal-Jihad, que atua na Faixa de Gaza, o Boko Haram, na Nigéria, e alguns movimentos jihadistas da Chechênia. O al-Shabab, da Somália, leva uma bandeira negra com inscrições em branco para as guerras, mas administrativamente usa uma configuração oposta: bandeira branca com inscrições em preto. É uma forma de deixar bem nítida a diferença entre tempos de paz e tempos de guerra.
Hezbollah

Com área de atuação que abrange os territórios do Irã e do Líbano, o Hezbollah tem uma bandeira colorida oficialmente em verde, amarelo e vermelho, mas variações em outras tonalidades também podem ser encontradas. No retângulo amarelo surge o símbolo do grupo (uma mão armada sobre um globo) em verde. O amarelo representa a disposição da organização para lutar pela paz na região. O globo simboliza a atuação do Hezbollah ao redor do planeta. Um ramo de sete folhas e o livro sagrado do Corão também fazem parte do escudo. Em vermelho, grafa-se na parte superior, da direita para a esquerda, “Hezbollah”. Na parte inferior, “A resistência islâmica no Líbano”.
Hamas

Outro dos grupos que atuam na Faixa de Gaza, o Hamas também usa a chahada em sua bandeira. Porém, o fundo é verde, tornando a bandeira muito parecida com a da Arábia Saudita. O verde é a cor dos islâmicos, o que sugere uma bandeira que representa o islamismo como um todo, e não exatamente um grupo terrorista. O grupo possui uma segunda bandeira que mostra na parte superior um mapa que abrange Israel, a Cisjordânia e a Faixa de Gaza. Porém, tal representação não demarca nenhuma fronteira, como se tudo fosse um território só. Esse símbolo tem ainda duas espadas cruzando a Cúpula das Rochas, símbolo de Jerusalém, abraçadas por uma bandeira da palestina. Debaixo da Cúpula das Rochas encontra-se a frase “Movimento de Resistência Islâmica”.
Fatah

O Fatah tem talvez a bandeira com maior quantidade de informações dentre os grupos terroristas. Assim como o Hezbollah, o grupo adota o retângulo amarelo, embora existam versões onde este aparece em branco. A palavra “Fatah” é usada muitas vezes para representar a rápida ascensão islâmica depois da morte do profeta Maomé. Ao centro da bandeira, dois braços carregados de bandeiras da Palestina empunham metralhadoras sobre o território da Cisjordânia, da Faixa de Gaza e de Israel, também sem fronteiras demarcadas. Uma granada surge logo abaixo das metralhadoras. Ao centro lê-se a palavra “Fatah”. No topo está a expressão “Al-Asifa”, que significa “a tempestade”. Já na parte inferior grafa-se “Thawrah Hatta Al-Naser”, que pode ser traduzido como “Revolução até a vitória”.

Esta página contém links de afiliados. Ao fazer uma compra por um desses links, o Guia dos Curiosos recebe uma comissão e você não paga nada a mais por isso.

Artigos Relacionados

Mulheres podem fazer sushi?

Mulheres podem fazer sushi?

Há muita gente que acredita que não. O motivo seria a oscilação da temperatura das mulheres no período fértil. A temperatura do corpo não sobe mais que meio grau. Isso seria o suficiente para o sushi sofrer alterações de sabor? O mito nasceu do conservadorismo da...

Balas de borracha não são feitas de borracha

Balas de borracha não são feitas de borracha

As balas de borracha foram usadas pela primeira vez pelo exército britânico em 1970 durante o conflito etnonacionalista "The Trouble" (O Problema), na Irlanda do Norte.  O projétil de borracha duro, de 15 centímetros, parecia um pequeno míssil e tinha o nome de...

1 Comentários

1 Comentário

  1. Ribeiro

    Muito interessante. Parabéns!

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This