Novo Livro O Guia dos Curiosos - Edição Fora de Série

A incrível história que determinou o tempo de 24 segundos para arremessos no basquete

30 de agosto de 2017

Eram 7.021 pessoas presentes no Minneapolis Auditorium, ginásio do Minneapolis Lakers, em 22 de novembro de 1950. O time era o atual bicampeão da NBA, a liga de basquete norte-americana, e enfrentava o Fort Wayne Pistons, que havia sido o vice-campeão da Conferência Oeste na temporada anterior. Os Pistons abriram um ponto de vantagem e o treinador Murray Mendenhall não teve dúvidas: mandou o seu defensor Ralph Johnson enrolar e segurar a bola pelo máximo de tempo possível.

As regras do basquete eram diferentes e não havia limite no tempo de posse de bola. Então, os Pistons ficaram praticamente o jogo inteiro tocando a bola de um lado para o outro da quadra. A torcida ficou impaciente e até mesmo os árbitros e os jogadores dos Lakers imploraram para que os visitantes tentassem anotar mais pontos. No fim das contas, a estratégia não deu certo. Os Lakers conseguiram fazer 3 x 1 no último quarto e viraram o jogo para 19 x 18, vencendo aquela que foi a partida com menor pontuação na história da NBA. Apesar da derrota, a tática foi considerada revolucionária para uns e terrível para outros: “Jogar dessa forma vai matar a beleza do basquete”, profetizou Johny Kundla, então técnico da equipe de Minneapolis.

Danny Biasone (1909-1992), dono do Syracuse Nationals, foi um dos responsáveis pela regra que mudou a história do basquete

Quatro anos mais tarde, a profecia de Kundla estava cada vez mais perto da realidade. O número de times da NBA havia caído de 17 para nove. Os jogos estavam cada vez mais monótonos e os times mais ofensivos estavam com dificuldades para dar velocidade ao jogo graças ao tempo em que os adversários passavam na defesa. Em uma reunião informal, envolvendo três apaixonados por basquete, surgiu a fórmula que salvaria a NBA do fracasso completo, como conta uma reportagem publicada pela Sports Illustrated, a principal publicação esportiva dos Estados Unidos.

Danny Biasone, dono do Syracuse Nationals (vice-campeão da temporada 1953-1954), Emil Baroni, responsável do Nationals pela análise das estatísticas, e Leo Ferris, o treinador, se reuniram em um boliche que também era de propriedade de Biasone para discutir o assunto. De posse de uma avalanche de dados sobre jogos, eles chegaram a um número mágico. Ao analisar as estatísticas, o trio concluiu que os jogos mais interessantes tinham em média 60 arremessos de cada time – ou seja, 120 arremessos ao longo de 48 minutos de partida. Aí ficou fácil: foi só fazer em um guardanapo a conta de quanto dava 120 dividido por 48 para descobrir que essas partidas tinham uma média de 2,5 arremessos por minuto. Ou um arremesso a cada 24 segundos.

A conclusão óbvia foi a de que, limitando o tempo de posse de bola a 24 segundos por ataque, os times fatalmente arremessariam uma bola a cada 24 segundos e todos os jogos teriam um índice próximo ao que o trio considerava ideal. O número não foi tão bem aceito de cara, pois uma corrente acreditava que os jogadores, sem ter consciência sobre o tempo de que ainda dispunham para concluir as jogadas, poderiam arremessar desesperadamente todas as bolas logo nos primeiros segundos. Foi isso o que aconteceu no primeiro teste da nova regra, em um amistoso promovido por Biasone reunindo jogadores universitários e jogadores do Syracuse Nationals.

Jornal de Syracuse informa a adoção do relógio dos 24 segundos pela NBA

A solução foi desenvolver um relógio para ser colocado no topo da cesta, o que ajudou os jogadores a se adaptarem à novidade e fez com que a regra fosse adotada. Mas outras falhas apareceram no caminho: em um jogo do próprio Syracuse Nationals, quando o tempo expirou, uma bola foi arremessada, acertou a tabela e voltou nas mãos de outro jogador do próprio time. A arbitragem não sabia dizer se o lance contava como um arremesso ou se a posse de bola da jogada anterior ainda não havia se encerrado, o que inviabilizaria a continuidade do lance. Uma reunião foi convocada para decidir a questão e concluiu-se que permitir que a bola fosse atirada deliberadamente na tabela para configurar uma nova jogada faria com que alguns times passassem toda a partida fazendo isso.

Consolidada, a regra logo foi aclamada pelo mundo do basquete. Quando foi adotada, na temporada 1954-1955, o recorde histórico de pontuação média por jogo havia sido registrado na temporada 1951-1952 e era de 83,7. Logo no primeiro ano com o shot clock a média foi de 93,1 e subiu progressivamente até chegar aos 118,8 na temporada 1961-1962 – até hoje este é o recorde histórico da NBA. A Federação Internacional de Basquete adotou a regra dois anos depois, em 1956, mas permitindo 30 segundos de posse de bola – apenas em 2000 a regra foi adaptada e se igualou à NBA.

O primeiro modelo de “shot clock” adotado pela NBA

O mesmo aconteceu com a WNBA, a liga feminina norte-americana, que surgiu em 1996 e adotou inicialmente os 30 segundos, reduzindo para 24 em 2006. No basquete universitário, o tempo limite só foi adotado em 1985 e era de 45 segundos, passando para 35 em 1993 e para 30 em 2015. O shot clock é tão importante para a história do basquete que em Syracuse existe um monumento dedicado a ele: trata-se de uma réplica do primeiro relógio usado na NBA.

(Com reportagem de Leonardo Dahi)

Esta página contém links de afiliados. Ao fazer uma compra por um desses links, o Guia dos Curiosos recebe uma comissão e você não paga nada a mais por isso.

Artigos Relacionados

A Rádio ONCB e as Paraolimpíadas de Tóquio 2020

A Rádio ONCB e as Paraolimpíadas de Tóquio 2020

Os Jogos Paraolímpicos de Tóquio começam na próxima terça-feira, dia 24. Marcus Aurélio Carvalho, diretor e apresentador da Rádio ONCB, emissora web da Organização Nacional de Cegos do Brasil, explica como será a cobertura diferenciada do evento. Marcus fala também de...

O autor de 150 hinos de times de futebol

O autor de 150 hinos de times de futebol

O compositor paulista Carlos Santorelli tem mais de 2 mil músicas gravadas. Em 1997, ele lançou um CD com hinos para os principais times do Rio Grande do Norte compostos por ele. Depois, em 2011, veio outro, desta vez com times paraibanos. Mas foi a partir de 2017 que...

Pugilista perdeu a orelha e não consegue usar máscara?

Pugilista perdeu a orelha e não consegue usar máscara?

Em novembro de 1996, o pugilista Evander Holyfield, pentacampeão mundial dos pesos-pesados, desafiou Mike Tyson pelo título da Associação Mundial de Boxe. Holyfield venceu de forma surpreendente ao realizar a proeza de nocautear Tyson no 11º round. Em junho do ano...

32 Comentários

32 Comentários

  1. Marcelo Augusto

    Fantástica essa história.Parabéns!

    Responder
  2. Caio B

    Brilhante reportagem. Completa e suficiente, nada parecido como as reportagens superficiais de hoje em dia. Parabens

    Responder
  3. Celso

    Exemplo de como o esporte e suas regras devem se adaptar. Já o futebol continua o mesmo lenga lenga de sempre..

    Responder
  4. Fabio

    Basquete só é bom nos 2 minutos finais. No resto do jogo é chato bagarai, ponto aqui, ponto lá, ponto aqui, ponto lá.

    Responder
  5. marco pereira

    Gostei da reportagem. Bem explicativa e educativa tb. Parabéns!!

    Responder
  6. Anônimo

    Excelente a explicação! Só acho que 30 segundos seriam o ideal em vez de 24s. Como fez inicialmente a federação internacional e, depois, “aceitou” os 24s. Aliás, faltou somente explicar por que, no basquete universitário, adotam-se 30 em vez de 24s… Qual a razão??? Acho que atrapalha em vez de ajudar. Bom mesmo é quando um mesmo padrão é seguido, quer seja 24 ou 30s. Fica mais fácil avaliar e comparar.

    Responder
  7. kelvin

    Show a reportagem….parabéns!!!!

    Responder
  8. Osvaldo Luiz Prado

    Uma reportagem que foge ao habitual da imprensa brasileira, ou seja, finalmente algo com conteúdo interessante. Parabéns ao jornalista.

    Responder
  9. dalmi leone

    Muito bom, o mesmo deveria acontecer com o futebol (sem gols) acabem com o impedimento e aumentem o tamanho do gol. O momento maior do futebol é o gol e nada pior do que assistir jogo que termina em 0x0 , com times na retranca. Os níveis do goleiros superam em muito aos seus antecessores.

    Responder
  10. Eduardo Gomez Coelho

    Esse jornalista Marcelo Duarte apresenta um programa na Band News que eu gosto muito, É Brasil que não acaba mais”, que é nota dez.
    sobre a reportagem, muito bem estruturada, parabéns pela iniciativa. Eu que gosto muito de basquete não fazia ideia da origem dessa regra, parabéns!

    Responder
  11. Hamilton Godoy

    Aproveitando essa bela reportagem, aqui vai uma sugestão que poderá aumentar o número de torcedores no futebol, mundialmente, levar a linha de impedimento que hoje é o meio do campo para 3/4 do campo, com isso o atacante poderá ficar mais próximo do gol adversário forçando uma maior distribuição dos jogadores dentro do campo.

    Responder
  12. Paulo

    Passei por isto em 1952…O adversário abriu um ponto e ficou trocando a bola até o fim . Foi falta de experiencia pois poderíamos fazer falta e tentar recuperar a bola . Nosso jogo de estréia no campeonato infantil de Santos

    Responder
  13. Célio

    A NBA é um fenômeno, assistir aos jogos ao vivo é fantástico, é um show business, com diversas atrações durante o jogo, alem dos jogos serem espetaculares, muita animação do início ao fim dos jogos, o basquete brasileiro tem muito que o aprender com a NBA, tive o privilégio de assistir a dois jogos do Orlando Magic, sempre quando vou aos Estados Unidos, assistir a algum jogo da NBA faz parte dos planos da viagem, como diz um slogan dos Magic’s, PURE MAGIC.

    Responder
  14. Luís Otávio

    Algumas regras do futebol também poderiam mudar. Pelo menos acabar com impedimento em cobranças de faltas, que apenas favorecem o infrator. Cobrar o arremesso lateral com os pés também aumentaria as jogadas de ataque.

    Responder
  15. Bruno

    Belo texto , parabéns ! Agora voçê precisa ensinar o restante da redação do UOL como se faz.

    Responder
  16. Roberto

    “Uma reunião foi convocada para decidir a questão e concluiu-se que permitir que a bola fosse atirada deliberadamente na tabela para configurar uma nova jogada faria com que alguns times passassem toda a partida fazendo isso”. – mas não explica se manteve a regra como estava ou se alterou alguma coisa.

    Responder
  17. Rafael

    Bela materia, me esclareceu muitas curiosidades! Parabens!

    Responder
  18. Nelio

    Até que em fim alguém fez uma reportagem de verdade!

    Responder
  19. luiz

    Oxalá tivessemos reportagens assim, sempre.
    Não se aguenta mais lava-jato, politica, seca no nordeste….

    Responder
  20. Francisco

    Como apreciador de basquete e do Guia dos Curiosos, só tenho a enaltecer o trabalho formidável do jornalista Marcelo Duarte !

    Responder
  21. Roberto Slomka

    O maior desafio do game designer é cercar as táticas maliciosas. Este é um exemplo fabuloso de regra que se adapta ao mau uso para eliminá-lo.

    Responder
  22. Anônimo

    Excelente matéria só descordo quando acham que se acabar com impedimento o futebol seria melhor. Pelo contrário, sem o impedimento os times não iriam atacar com tantos jogadores e ficariam os jogadores de defesa na defesa assim como os laterais não subiriam mais pro ataque ficam todos presos na defesa por causa dos ata antes que não estariam mais impedidos. Abs

    Responder
  23. Mauricio Fernandes Penteado

    Parabéns!!! Adoro basquetebol – meu esporte favorito desde os 9 anos de idade – e nunca tinha ouvido a explicação sobre a limitação de tempo de posse de bola, acreditava que dele tinha existido!!! Brilhante reportagem!!! Parabéns!!!

    Responder
  24. DANIELA MENDES DA CUNHA

    Muito boa matéria! Ótima solução a de dar tempo para realizar arremessos pois dinamizou os jogos, levando maior combatividade aos jogadores e empolgando mais o público que assiste. Os placares ficam mais elevados, diferente de antigamente, quando sem tempo definido para arremesso, jogadores investiam na posse de bola como forma de controle de placar e tempo, arremessando menos vezes a cesta.

    Responder
  25. Anônimo

    Ideia genial… Com certeza essa regra dos 24 segundos, permitiu que os jogos ficassem mais dinâmico e emocionantes. parabéns pela maravilhosa matéria.

    Responder
  26. Thamires

    Ideia Genial…
    Com certeza essa regra dos 24 segundos permitiu que os jogos ficassem mais dinâmicos e emocionantes. Parabéns pela matéria sensacional.

    Responder
  27. claudia Britto

    Essa regra mudou para melhor as partidas de basquete,deixando mais dinâmico a competição com lances decisivos.
    Imagine ir assistir um jogo e ver jogadores passeando na quadra dando somente toques na bola? Não seria essa beleza de esporte que temos.
    Parabéns Danny Biasone e seus companheiros pela inicitiva.

    Responder
  28. Marcio Torres

    Muito interessante saber um pouco da história do basquete NBA. Vale lembrar que esse revolucionário Danny Biasone, foi uma pessoa muito importante ao criar essa regra dos 24′. Quantos partidas seriam iguais a esta da equipe dos Pistons, que adotaria a mesma tática da retranca. Talves a modalidade não tivessem tanta dinâmica e rivalidade como nos dia de hoje, como também perderia o interesse das disputas das grandes partidas, na minha opinião se trata de anti-jogo, por falta de coragem e técnica a equipe deixa de confrontar a outra. Parabéns pela matéria, acredito que agregou muito ao amantes do basquete. ass. Marcio Torres

    Responder
  29. Camila Moura

    Mto legal saber sobre isso!!!Parabens pelo trabalho

    Responder
  30. Rafael Baliosian

    Graças a acontecimentos como este o basquetebol é este show de agilidade que é hoje. Parabéns por nos dar o prazer de revelar esta curiosidade.
    Forte abraço.

    Responder
  31. Claudemir

    Excelente matéria e por conta destas atitudes percebemos o porquê da NBA ser o sucesso que é, não existe somente a preocupação com o esporte, existe sim a preocupação de tornar o jogo uma forma também de entretenimento, o que só faz o esporte crescer. A dinâmica forçada pela regra de 24 segundos faz o jogo ser atrativo mundialmente, já que difere de tantos outros esportes coletivos e torna o basquete um esporte feito em altíssima velocidade e que exige não só dos jogadores mas também muito trabalho tático por conta da comissão técnica.

    Responder
  32. Ana Paula Silva

    Muito interessante ,pois muitos devem saber que existe esse tempo mais não sabe de que forma surgiu.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This