Paulo Francis, pseudônimo de Franz Paul Tannin da Matta, morreu há exatos 20 anos, aos 66 anos.  Ele sofreu um infarto fulminante em Nova York, onde morava, em 4 de fevereiro de 1997. Estava triste pelos processos que recebeu em função de suas denúncias sobre esquemas de corrupção existentes na Petrobras – algumas delas reveladas nas recentes investigações da Operação Lava-Jato.
Francis nasceu no Rio de Janeiro em 2 de setembro de 1930. Estudou nos Estados Unidos e voltou ao Brasil, onde passou a atuar como diretor teatral. Fez algumas peças, mas ganhou visibilidade apenas na década de 1950 como crítico de teatro. Foi um dos muitos intelectuais que lutaram contra a ditadura militar, sobretudo por meio de seus textos sempre muito sarcásticos e ácidos.
Apesar de ter se unido a militantes de esquerda, sobretudo no jornal satírico”O Pasquim”, ele era um conservador e crítico ferrenho do marxismo. Ainda assim, construiu grandes amizades com ícones desse espectro político – a maior delas com Leonel Brizola. Chamava o petista Eduardo Suplicy, hoje vereador em São Paulo, pelo apelido de “Morgadon”, um poderoso sonífero. Mudou para Nova York na década de 1970 e passou a ser correspondente da Folha de S. Paulo. Já no final de sua vida, Francis foi um dos primeiros participantes do programa de debates “Manhattan Connection”, até hoje no ar pela Globo News.
Além da carreira jornalística e teatral, se destacou por suas frases polêmicas. “Godzilla morre no fim, mas faz um estrago dos diabos”, disse a respeito da corrupção que denunciava na Petrobras já na década de 1990.O Blog do Curioso separou outras 20 frases marcantes de Paulo Francis.

PAULO FRANCIS

“Marx escrevendo sobre dinheiro é como um padre escrevendo sobre sexo”.
“A melhor propaganda anticomunista é deixar um comunista falar”.
“O adesismo fisiológico é norma política nacional”
“Jornalismo é a segunda profissão mais antiga do mundo”.
“Dizem que escrever é torturante para Sarney, mas quem sofre mais é a Língua Portuguesa”.
“Talvez o Brasil já tenha acabado e a gente não tenha se dado conta disso”.
“O Brasil é um asilo de lunáticos onde os pacientes assumiram o controle”.
“A ignorância é a maior multinacional do mundo”.
“Quem não lê não pensa e quem não pensa será para sempre um servo”.
“A vida é muito mais variada, anárquica e imprevisível do que sonham os idealistas”.
“Qualquer pessoa inteligente é contraditória”.
“Gosto que me leiam e saibam o que eu acho das coisas. É uma forma de existir. Trabalho é a melhor maneira de escapar da realidade”.
“Dizem que eu ofendo as pessoas. É um erro. Trato as pessoas como adultas”.
“Ignorância é o grande patrimônio nacional”.
“Apenas os idiotas não se contradizem”.
“Não levo ninguém a sério o bastante para odiá-lo”.
“Quando ouço falar em ecologia, saco logo meu talão de cheques”.
“A função das universidades é criar elites e não dar diplomas a pés-rapados”.
“Ser da classe média é achar Godard o máximo”.
“Todo otimista é um mal-informado”.