Novo Livro O Guia dos Curiosos - Edição Fora de Série

O brasileiro que quase desfalcou um dos finalistas do Super Bowl e outras histórias

5 de fevereiro de 2017

Lamar Hunt, petroleiro bastante abastado, era louco por esportes. Em 1959, junto a outros apaixonados, criou a AFL (Association Football League), uma liga que pretendia competir com a NFL (National Football League). Deu certo. Assustada com o crescimento da AFL, a NFL resolveu propor uma união. A partir de 1966, cada uma faria o seu campeonato e os dois campeões se enfrentariam para decidir quem seria o campeão nacional. Certo dia, vendo sua neta com um brinquedo chamado Super Ball, Hunt teve o estalo de chamar essa partida de Super Bowl – no futebol americano universitário sempre existiu o hábito de denominar os jogos colocando a palavra “Bowl” no fim. O primeiro Super Bowl teve vitória do Green Bay Packers, da NFL, sobre o Kansas City Chiefs (time fundado por Hunt): 35 x 10 em jogo disputado na cidade de Miami – as finais são sempre em campo neutro definido previamente.
Neste domingo, o New England Patriots entra em campo para confirmar o favoritismo contra o Atlanta Falcons no NRG Stadium, em Houston, no Texas. Será a 51ª edição do Super Bowl. Da primeira edição para cá, muita coisa mudou. Hoje, o jogo é o evento esportivo mais assistido dos Estados Unidos e o segundo mais assistido do mundo, perdendo apenas para a final da UEFA Champions League. Em 2015, 114,4 milhões de americanos assistiram à vitória do New England Patriots sobre o Seattle Seahawks, transformando a partida no evento mais assistido da história da televisão.

Temporada 2016/17 da NFL se encerra hoje com o Super Bowl LI

No Brasil, as primeiras transmissões datam de um distante 1969, quando o narrador de futebol Walter Silva, o “Pica-Pau”, encontrou na TV Tupi fitas de transmissões enviadas pela rede norte-americana CBS. Curioso, ele colocou aquilo no ar e conclamou: “Se alguém souber algo sobre esse esporte, ligue para nós!”.  O americano Thomas Noonan trabalhava em um banco em São Paulo e se tornou comentarista, transmitindo toda aquela temporada ao lado de Pica-Pau. Em 1992, Luciano do Valle levou o esporte para a TV Bandeirantes. Não durou muito. Em 1996, a TVA Esportes, embrião da ESPN, começou a transmitir os jogos. Foi justamente na ESPN que o esporte cresceu em popularidade no Brasil, a ponto de atrair uma legião de adeptos para cada um dos 32 times, e de reunir esses fãs em bares para acompanhar as partidas das temporadas que se encerram sempre com o Super Bowl. A temporada desse ano foi acompanhada não só pela ESPN, como também pelo Esporte Interativo.
A ousadia de Pica-Pau é apenas uma das 100 histórias da NFL contadas por Paulo Mancha, comentarista dos canais ESPN, no livro “Touchdown! 100 histórias divertidas, curiosas e inusitadas do futebol americano”, lançado pela Panda Books. E já que uma das características do Super Bowl é atrair a audiência até mesmo daqueles que nem mesmo sabem qual é o formato da bola, o Blog do Curioso reuniu quatro histórias presentes no livro sobre esse grande evento que escreve mais um capítulo de sua história esta noite:

O comentarista Paulo Mancha traz 100 histórias curiosas da NFL

Os mais famosos erros no Super Bowl
Erros, erros e mais erros! O nervosismo e a ansiedade de jogar um Super Bowl já atrapalharam muita gente. No Super Bowl XXVII, em janeiro de 1993, o defensive tackle Leon Lett, dos Cowboys, conseguiu recuperar um fumble e retornou sozinho em direção à endzone adversária. No entanto, decidiu comemorar antes da hora e, a centímetros de marcar o touchdown, teve a bola arrancada de suas mãos. Para sorte de Leon Lett, os pontos perdidos na jogada não fizeram falta e o time de Dallas venceu os Buffalo Bills por 52 x 17.
Menos sorte teve o kicker Scott Norwood, dos Bills. No Super Bowl XXV, disputado em janeiro de 1991, ele teve nos pés a chance de dar ao time de Buffalo a conquista inédita do troféu Vince Lombardi (o nome da taça é uma homenagem ao treinador que conquistou os dois primeiros títulos do Super Bowl). A oito segundos do final, disparou um chute de 47 jardas e errou. A partida terminou com vitória dos Giants por 20 x 19. Norwood ainda jogou mais um ano pelos Bills, mas o peso daquele erro foi demais para ele. Dispensado da equipe, abandonou o futebol americano e desapareceu por quase duas décadas. Nos últimos anos seu paradeiro foi descoberto: ele vive na pequena cidade de Aldie, na Virgínia, e trabalha como corretor de seguros.
A uma jarda do paraíso
Literalmente apenas uma jarda. Faltaram somente 91 centímetros para os Tennesse Titans terem a chance de vencer o Super Bowl. Em 30 de janeiro de 2000, o time participava pela primeira e única vez da grande final da NFL. Tinha no elenco bons jogadores, como o quarterback Steve McNair e o running back Eddie George, e enfrentava o poderoso Saint Louis Rams, de Kurt Warner, Marshall Faulk e Isaac Bruce.
Faltando 22 segundos para o fim da partida, o time de Saint Louis vencia por 23 x 16. Os Titans tinham a bola e, em uma jogada espetacular de McNair, a equipe de Tennesse avançou até a linha de dez jardas. Com seis segundos no relógio veio a derradeira chance de empatar. McNair recebeu o snap e lançou uma bola certeira para o wide receiver Kevin Dyson, que corria em rota furiosa para a endzone.
Nesse momento, o linebacker Mike Jones, dos Rams, fez aquele que ficaria conhecido como “O” tackle, derrubando Dyson a uma jarda da linha de gol. Dyson, caído, ainda tentou se esticar para colocar a bola na endzone, mas os juízes acertadamente declararam a jogada encerrada. Fim de partida. Os Rams se sagraram campeões da temporada de 1999 e aos Titans restou a frustração pela jarda perdida.

A pior jogada de todos os tempos no Super Bowl
No dia 1º de fevereiro de 2014, Patriots e Seahawks disputavam o Super Bowl no University of Phoenix Stadium, em Glendale, Arizona. Os Patriots venciam por 28 x 24, com apenas 26 segundos para o final. Mas os Seahawks tinham a bola na marca de uma jarda de campo adversário, no segundo down, e estavam prestes a marcar o touchdown que viraria o placar e lhes daria o título.
Todos – torcedores, jornalistas e jogadores – esperavam que a jogada fosse executada pelo running back Marshawn Lynch, a melhor arma ofensiva do clube de Seattle. Lynch fora o líder da liga em touchdowns terrestres no campeonato e, durante a partida, havia conseguido avançar pelo menos uma jarda em 22 das 24 vezes em que teve a posse de bola.

O coordenador ofensivo Darrell Bevell, porém, ordenou uma estratégia diferente, com a anuência do técnico Pete Carroll. Instruiu o quarterback Russell Wilson a fazer um passe curto para o wide receiver Ricardo Lockette, no lado direito, próximo a endzone. O resultado foi uma interceptação por parte do cornerback novato Malcolm Butler, dos Patriots, que adivinhou a jogada e se antecipou o suficiente para roubar a bola. Isso selou a vitória para a franquia da Nova Inglaterra – sua quarta conquista do Super Bowl. A estratégia malsucedida de Bevell e Carroll ficou informalmente conhecida como “O maior erro da história do Super Bowl”.
O brasileiro que quase desfalcou os Saints no Super Bowl
O ano era de 2010. Em 2 de fevereiro, Indianapolis Colts e New Orleans Saints preenchiam o saguão social do Sun Life Stadium, em Miami, para o Media Day – evento que reúne cerca de 1 mil repórteres do mundo para conversar com os jogadores que disputam o Super Bowl.
Naquela ocasião, um comentarista brasileiro, em sua primeira cobertura de Super Bowl in loco, vagava ansiosamente pelo salão, tentando gravar entrevistas com o maior número de atletas possível.
Ao ser alertado pelo cinegrafista da equipe que o quarterback Drew Brees havia acabado de chegar ao recinto, virou-se atabalhoadamente e… desastre! O jornalista tupiniquim pisou fortemente no pé direito do wide receiver Lance Moore, que passava por ali. Foi um encontro desproporcional: o mirrado Moore, de 86 quilos, e o entrevistador rechonchudo, com os seus 110 quilos.
O wide receiver gritou um “Wooow!”, olhou feio e saiu mancando para fora do salão. Felizmente para os Saints – e para a consciência do jornalista – a contusão não foi feia o bastante para tirar Lance Moore da grande final, ainda que ele tenha sido acionado apenas três vezes durante a vitória do clube de Nova Orleans por 31 x 17. Quanto ao brasileiro, reza a lenda que ele é, hoje, comentarista do canais ESPN e autor de um livro de curiosidades sobre futebol americano.

Esta página contém links de afiliados. Ao fazer uma compra por um desses links, o Guia dos Curiosos recebe uma comissão e você não paga nada a mais por isso.

Artigos Relacionados

A Rádio ONCB e as Paraolimpíadas de Tóquio 2020

A Rádio ONCB e as Paraolimpíadas de Tóquio 2020

Os Jogos Paraolímpicos de Tóquio começam na próxima terça-feira, dia 24. Marcus Aurélio Carvalho, diretor e apresentador da Rádio ONCB, emissora web da Organização Nacional de Cegos do Brasil, explica como será a cobertura diferenciada do evento. Marcus fala também de...

O autor de 150 hinos de times de futebol

O autor de 150 hinos de times de futebol

O compositor paulista Carlos Santorelli tem mais de 2 mil músicas gravadas. Em 1997, ele lançou um CD com hinos para os principais times do Rio Grande do Norte compostos por ele. Depois, em 2011, veio outro, desta vez com times paraibanos. Mas foi a partir de 2017 que...

Pugilista perdeu a orelha e não consegue usar máscara?

Pugilista perdeu a orelha e não consegue usar máscara?

Em novembro de 1996, o pugilista Evander Holyfield, pentacampeão mundial dos pesos-pesados, desafiou Mike Tyson pelo título da Associação Mundial de Boxe. Holyfield venceu de forma surpreendente ao realizar a proeza de nocautear Tyson no 11º round. Em junho do ano...

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This