No “Você é Curioso” de 16 de novembro, eu me surpreendi ao receber um cartão postal do ouvinte Zé Mané do Povão, caminhoneiro que vive nos Estados Unidos, e acabei falando no ar que aquilo não era mais usual. Estava enganado. No sábado passado, outros ouvintes me enviaram mais cartões postais e acabei descobrindo que há um site na internet que promove a troca desses tradicionais suvenires.

Cartões postais enviados por ouvintes ao “Você é Curioso?”

O projeto Post Crossing permite que, de forma virtual, seus usuários troquem cartões postais reais entre si. No banco de dados, já há 457 mil cadastros de 215 países diferentes. Os mais de 50 mil russos são maioria – correspondem a 11% dos que participam do jogo. Dá para acompanhar em tempo real a movimentação dos postcrossers (apelido de quem troca cartões portais por meio do site). A cada hora, são realizadas em média 1.390 trocas de endereços entre eles.

Para participar, basta fazer um cadastro no site e clicar em “Send a Postcard” (envie um cartão postal). Automaticamente,  o sistema realiza um sorteio, e o endereço de um candidato a receber o cartão postal chega à caixa de e-mail do usuário. Nesse momento, as ações passam do mundo virtual para o real. O próximo passo é ir aos Correios e enviar o cartão postal à pessoa sorteada, pelo modo convencional.
E se o participante clicar em “Send a Postcard” e não enviar coisa nenhuma? Partir o elo da brincadeira não é deixado barato. Quem não contempla o usuário sorteado com um cartão postal real também não recebe um de volta. Isso é controlado por meio de um código recebido por e-mail junto ao endereço do sorteado. O usuário deve se lembrar de escrever esse código no cartão postal que enviar. Quando chegar às mãos do sorteado, ele cadastrará o código no site do Post Crossing. Só então o usuário fica disponível para receber um cartão postal.
Ralf Naure, ouvinte do “Você é Curioso?”, é um dos 7.340 brasileiros que usam o Post Crossing. Sem sair de Mogi das Cruzes, na região metropolitana da capital paulista, ele já trocou cartões postais 2 mil vezes. Ralf conheceu o Post Crossing em 2007. Na época, ele colecionava figurinhas e buscava outro hobby semelhante. Hoje, acumula cerca de 3 mil cartões. “É fascinante, porque o cartão postal viaja o mundo inteiro até chegar a nossas mãos”, conta Raul. “É uma maneira de conhecer novas culturas, pessoas, lugares”. Dentro de sua coleção, é certo que há alguns itens curiosos. “Uma usuária portuguesa me enviou três maravilhosos cartões postais de cortiça em 2008”, lembra.

Como bons curiosos, fizemos um cadastro no Post Crossing para testar a plataforma. Confirmando a estatística, uma moça russa foi sorteada para receber nosso cartão postal. Galina, professora universitária de Teoria da Informação, já mandou 821 cartões e recebeu 784 em troca. Ela é a 23ª usuária mais ativa da Rússia. Bastante exigente, pede que lhe enviem cartões postais relacionados à arte. “Nada de cartões com propagandas, automóveis, piadas, desenhos animados ou comida”, adverte. “E, por favor, chequem minha galeria de cartões para não me mandarem algo repetido”. Será que ela vai gostar deste cartão postal do Masp?