O Museu de Brinquedos Pollock, o mais antigo de Londres, estava correndo sério risco de fechar suas portas por causa da crise da pandemia. Uma campanha de ajuda foi criada para arrecadar 15 mil libras. Mas o museu é tão querido que cerca de 500 apoiadores garantiram muito mais: 25 mil libras – o equivalente a 190 mil reais.

O espaço começou como uma loja de brinquedos nos anos 1850, de propriedade de Benjamin Pollock. A loja teve clientes como o escritor Robert Louis Stenvenson, autor de “A Ilha do Tesouro”. É dele o comentário: “Se você ama arte, loucura ou os olhos brilhantes de uma criança, vá até a Pollock’s”.

A loja se transformou em museu quando foi comprada por Marguerite Fawdry. Hoje o neto, Eddy, e o bisneto, Jack, tocam o negócio. David Bowie costumava ser um visitante rotineiro. O museu guarda uma grande coleção de brinquedos vitorianos. Tem ainda um rato de cerâmica feito com o barro das margens do Rio Nilo, com quase 4 mil anos, e Eric, de 115 anos, considerado um dos mais antigos ursinhos de pelúcia do mundo.

Leia também: Conheça os 53 escolhidos para figurar no Hall da Fama dos Brinquedos