Estou escrevendo o primeiro post ainda de dentro do avião. Metade da viagem já ficou para trás. Foram 10 horas até Madrid. Não havia ninguém ao meu lado. Pude esticar um pouco as pernas. O avião A-330, da Air China, é enorme. Cabem umas 400 pessoas aqui dentro. Claro que, para isso, o espaço entre as poltronas é bastante apertado. Agora, no trecho Madrid-Pequim, uma senhora chinesa sentou-se ao meu lado. Já pude testar como será minha comunicação por lá. Ela sacou uma câmera digital e começou a gravar imagens do interior do avião. Só que não conseguia desligar a câmera. Ficou sacudindo a câmera em minha direção e mostrando a luzinha amarela, que não parava de piscar. Eu virei a chavinha on-off e a luzinha se apagou. Ela ficou toda feliz. Em retribuição, me deu o pacotinho de amendoim que serviram de aperitivo. Depois não fiquei com vontade de comer a carne do almoço. Ela percebeu e, com alguns gestos, pediu a minha caixinha. Devorou as duas em rápidas garfadas. Ofereceu em troca o croissant, que recusei com um gesto de cabeça. Agora ela está dormindo. Tentou várias vezes baixar a poltrona, só que sempre apertando o botão do meu assento. Tive que mostrar onde ficava o dela.

O avião não está totalmente lotado como imaginava. A última parte da equipe da ESPN-Brasil está indo nesse voo. Somos em vinte. Há também uma turma grande da Bandeirantes. Ainda no aeroporto em São Paulo, os jornalistas faziam planos para adaptação ao fuso horário de 11 horas. Uma das alas chegou à conclusão que o melhor seria dormir apenas na segunda parte do voo. Eu até que tentei, mas o sono foi mais forte. Agora dei umas pescadinhas também.

A parte boa da longa viagem é que consegui ler “Laowai”, livro da jornalista Sônia Bridi, inteirinho. Ela foi correspondente da Rede Globo em Pequim por dois anos. O livro é excelente, cheio de dicas para quem vai cobrir o comportamento da Cidade. Será minha quarta Olimpíadas. As duas primeiras foram como enviado especial da revista Placar – Seul (1988) e Atlanta (1996). Cobri também os Jogos de Atenas, em 2004, para a ESPN-Brasil. Em Atenas, deixei os esportes de lado e fui fazer reportagens sobre tipos curiosos da cidade. Agora, em Pequim, vou repetir a dose.

A chinesa ao meu lado não consegue mais encontrar uma posição para dormir. Agora ela está com a cara colada na telinha de vídeo que fica à nossa frente. Acho que vou descontar a hora em que ela me acordou para desligar a TV dela…

Antes da chegada, os pilotos assistem a um vídeo sobre os procedimentos de imigração e alfândega em Pequim. É proibido, por exemplo, trazer cobras vivas na bagagem. O vídeo, apresentado pelo astro chinês Jackie Chan, termina com a recomendação: “Diga não à Pirataria”

O que eu achei curioso é que o avião tinha uma câmera no bico. Pudemos acompanhar a chegada em Pequim aqui de dentro da aeronave, sem precisar olhar pela janelinha. Quando o avião vai chegando, a telinha parece mostrar um jogo de videogame. É a nossa primeira imagem de Pequim!