Casar custa caro. Só no vestido, as noivas investem de 3 mil a 15 mil, por peças de roupa que elas muitas vezes precisam devolver às lojas depois do uso ou que vai parar numa mala em cima do armário. Para driblar o peso no bolso, noivas brasileiras descobriram um jeito de economizar na hora de escolher seu vestido. A solução para gastar até 90% a menos com a peça de roupa do casamento é comprá-la diretamente da China.

O site chinês Milanoo tem uma variedade de 1609 modelos feitos com os mais variados tecidos: cetim, tule, chiffon, tafetá, renda etc. A loja entrega no Brasil e em outros cerca de 180 países. É possível inclusive acessar a versão do site em português, com os preços já convertidos em reais. Eles variam de R$ 155 a R$ 2.293. Escolhido o modelo, a cliente tem a chance de selecionar a cor (a maioria deles está disponível em branco, marfim, champanhe, prata, rosa ou vermelho) e o tamanho (qualquer um entre 32 e 58). Por mais 10% do valor da peça, a noiva ganha até costura sob medida. O pagamento pode ser feito por meio de cartão de crédito internacional ou pelo sistema Pay Pal. Para viajar da China ao Brasil, o vestido demora de 15 a 20 dias.

MAIO - MÊS DAS NOIVAS

 

Foi lá que a jornalista paranaense Maiara Bastianello encomendou o vestido que ela vai usar em 27 de julho de 2014. A peça já chegou ao Brasil, mas por enquanto encontra-se retida na fiscalização aduaneira. Pelo site chinês, ela acompanhou todo o trajeto do produto. “Quando tive dificuldade para localizar meu vestido, solicitei ajuda online e obtive resposta na hora”, conta Maiara, satisfeita com o atendimento da loja. O vestido que ela escolheu saiu por 200 dólares. Com a taxa de 60% de imposto, mais um gasto extra com acessórios para o cabelo, o figurino custou cerca de 800 reais. “O segundo aluguel do único vestido de lojas brasileiras de que gostei saía por 3 mil reais”, compara. “Quando me contaram que havia esse comércio online de vestidos chineses, não tive dúvida. Adoro fazer compras pela internet”.

Para chegar à escolha final, Maiara contou com a ajuda de seu irmão e, claro, do noivo. “Uma dica que me deram foi a de selecionar roupas usadas por modelos chinesas”, conta. Seria uma garantia de que o vestido da foto é uma peça comercializada pela loja, e não o original de um exemplar que eles pretendam imitar. “Outra é escolher um modelo com espartilho, que dá para afrouxar ou apertar”. Para fazer a seleção, Maiara imprimiu as fotos de cerca de cinquenta vestidos diferentes. Juntos, ela, o noivo e o irmão chegaram ao veredicto final: uma peça retrô toda coberta de renda (sem espartilho e no corpo de uma moça com traços ocidentais, contrariando o protocolo). Por 15 dólares adicionais, Maiara exigiu a confecção sob medida de seu vestido. “Fiz o maior malabarismo para tirar as medidas do jeito que eles ensinam no site”,  diverte-se.

A paulistana Aline de Carvalho, consultora de viagens de 28 anos, determinada a economizar com sua festa de casamento, é mais uma noiva brasileira que se rendeu ao comércio chinês. Comprou seu vestido na DH Gate, loja online com funcionamento semelhante ao da Milanoo. Ela provou algumas peças em lojas tradicionais de São Paulo, para ter ideia do modelo que mais combinava com ela, e partiu para o mundo virtual, atrás do vestido de seus sonhos. “Minha maior dificuldade foi escolher entre tantas opções”.

Aline escolheu uma peça de R$ 375. Fez a compra em janeiro de 2012, com a cerimônia marcada para agosto do mesmo ano. “Consegui conversar com o vendedor pelo próprio site, em inglês, mandei todas as minhas medidas e os detalhes de como queria o vestido”, conta. A encomenda chegou um mês depois da compra, entregue pela TNT Transportadora. Embalado a vácuo, veio dentro de um envelope da DHL, empresa de correio expresso internacional. “Minha mãe costura e borda, então incrementou os bordados e fez o saiote”. Com o restante da pedraria e tule, Aline gastou mais R$ 175, totalizando um investimento de R$ 560. “Era um vestido novo, bem costurado e meu”, orgulha-se.

Para as noivas que decidam se arriscar no novo negócio, não há com o que se preocupar no quesito qualidade: 90% de todos os vestidos de grife comercializados no mundo são produzidos na China, que aglomera cerca de 2 mil fabricantes do gênero. A cerimônia de casamento é um evento tradicional na cultura chinesa. Uma noiva chega a trocar de roupa duas ou três vezes ao longo da festa. Cerca de 13 milhões de casais oficializam a união todos os anos por lá, processo que movimenta 2,6 bilhões de dólares só em vestidos de noivas. Lá, comprar vestidos também é um drama. Na cosmopolita Xangai, as lojas da Avenida Huaihai exibem peças cujos preços de aluguel variam de US$ 2 mil a US$ 10 mil. A solução é pegar um trem até a cidade de Sucheu. Na Rua Huqi, ficam as matrizes físicas das lojas que hoje comercializam seus produtos mundialmente pela internet. Além de oferecer uma grande variedade de modelos, o local atrai pelo preço competitivo dos produtos. Um vestido de noiva pode sair pela bagatela de 30 reais – negócio da China!