A Igreja Católica impôs oficialmente o celibato sacerdotal no século IV, por decisão do sínodo romano de 386. Antes disso, esta prática era opcional, conduta mantida ainda pelas igrejas do rito oriental. Mesmo se subordinando ao papa, elas possuem direito canônico próprio, diferente do adotado pelos ocidentais, porque já o seguiam há muito tempo. Eles receberam permissão para mantê-lo. Mesmo assim, padres que se casam não podem ser indicados à posição de bispo.

O primeiro a impor a disciplina monástica ao seu clero foi Santo Agostinho. Jesus Cristo manteve sua castidade durante toda a vida, assim como São Paulo. A conduta, segundo a igreja, permite aos sacerdotes que dediquem integralmente sua vida aos trabalhos religiosos.